2022/03/14

Vendas de CDs de música aumentaram

As vendas de CDs de música aumentaram nos EUA pela primeira vez desde 2004.

Depois do aumento das vendas de discos de vinil, parece que a nostalgia dos formatos físicos também se começa a alastrar aos CDs. A venda de CDs de música tem tido uma queda acentuada desde o início do milénio, sendo agora uma (quase) insignificante fracção do que era no ano 2000. Mas, não deixa de ser relevante que depois de quase duas décadas em queda, se tenha assistido a um ligeiro aumento.
Poderá ser apenas um ligeiro soluço sem relevância estatística, mas poderá também ser indicador de um fenómeno idêntico ao que se verificou com os discos de vinil, que têm assistido a um forte ressurgimento nos últimos anos.
Poderá ser meramente o efeito nostálgico de quem quer recuperar as memórias das décadas passadas; mas pode também ser um sinal que indica que a conveniência de ter as músicas à disposição nos serviços de streaming também é de extrema vulnerabilidade, podendo desaparecer rapidamente se se perder a ligação à internet ou se ficar farto de pagar mais uma mensalidade - ou até se um determinado artista se zangar com o serviço e pedir a remoção das suas músicas.

6 comentários:

  1. É só parvo usar CD. Pode-se guardar as músicas em mp3 ou flac que não precisas de Internet ou serviços de streaming.

    ResponderEliminar
  2. Uso Cds, algum problema com isso!?
    E as bandas que andam a lançar albuns em K7 também são parvas?
    Enfim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nenhum problema. Nem é uma questão de saudosismo ou apenas para fazer um statement ou se mostrar contra corrente, até porque a qualidade acústica de uma k7 de fita magnética é excelente. Eu também continuo a usar k7 no meu moderno walkman que até tem telefonia e tudo.

      p.s. Desculpem o atraso na resposta mas o Carlos deve ter fechado o pombal do AAdM porque o meu pombo correio não conseguiu deixar lá a mensagem, por isso tive de responder por carta em envelope selado porque eu prefiro a essas modernices de telegramas. Qualquer dia inventam um telefone que manda mensagens ou pior inventam comunicações digitais ou uma internet...

      Eliminar
    2. Eu percebo o trofa. Podemos ter exactamente a mesma música com os exactos mesmo bits em formato FLAC num meio de armazenamento muito mais prático. Mas esta facilidade toda, a mim, está a estragar o prazer de ouvir um álbum. Daí que usar o CD físico tem o seu encanto. Quem gosta do som puro analógico, já vamos para uma conversa ainda mais complicada. k7 por exemplo, são boas é verdade, mas não as originais que normalmente são de ferro e gravadas "à pressa".

      Eliminar
  3. Devem ser o cds a custarem 1 a 5€.

    ResponderEliminar

[pub]