2017/07/20

Portugal quer registo e seguro obrigatório para os drones


Os fãs dos drones em Portugal estão novamente em alvoroço devido à proposta de lei que pretende instituir o registo e seguro obrigatório para todos os drones com mais de 250g, e que parece não querer aprender com os exemplos falhados já testados noutros países.

Em primeiro lugar, parece ficar confirmado que o recente "fenómeno" dos supostos avistamentos de drones perto de aviões e aeroportos não terá passado de uma forma de acelerar a sua regulamentação. Em segundo lugar, importa também dizer que a esmagadora maioria dos possuidores de drones não tem nada contra a regulamentação do sector (e até a deseja)... desde que seja bem feita, promovendo a segurança e a responsabilização, mas sem servir de entrave à sua utilização.

Ora bem, segundo a proposta actual, passará a ser obrigatório fazer um registo de todos os drones com mais de 250g, assim como um seguro para cobrir eventuais danos causados pelos mesmos - a par de outras cláusulas como a proibição de controlo de drones por menores de 16 anos a não ser que estejam acompanhados por um adulto.

Ora, a ideia de ter todos os drones registados é boa, mas terá que ter em consideração que estamos a falar de um sector onde muitos entusiastas se divertem a modificar - ou até criar de raiz - as suas próprias aeronaves, pelo que não se trata de lidar apenas com drones que seguem determinadas especificações de fábrica, mas também todo o tipo de drones experimentais. Nos EUA a recente imposição de registo obrigatório foi rapidamente chumbada, obrigando a FAA a devolver o dinheiro dos registos, coisa que talvez devesse ter sido em conta também no nosso país.

Quanto aos seguros, muitos dos entusiastas acha descabido ser obrigatório ter um seguro por cada drone (muitos chegam a ter vários) sendo que o mais lógico seria ter um seguro por piloto, e que não deveria ser obrigatório, ficando à responsabilidade de cada um pagar pelos danos que causar. É que é preciso não esquecer que a esmagadora maioria dos drones já são utilizados em áreas remotas e desabitadas (ou no próprio quintal)... e que não faz qualquer sentido equiparar os riscos a algo que voasse em zonas urbanas. Exigir um seguro dispendioso para algo que muitas pessoas irá utilizar apenas algumas horas por ano, e que poderá nem diferenciar entre ter um drone de 251g ou um com vários quilogramas, será uma excelente forma de "matar" a actividade para muitos - ou no mínimo... irá servir para promover o aumento das vendas dos drones com peso até 249g.  :P

Tratando-se de uma proposta, ainda se está a tempo de que vários dos seus artigos sejam alterados, sendo que o que está em cima da mesa acaba por ser de importância crítica para todos os fãs destas aeronaves, especialmente os que as utilizam (ou tinham intenções de o vir a fazer no futuro) para recreação ou lazer.

14 comentários:

  1. E que tal criar um seguro para os políticos, que muito fazem mal à sociedade?

    ResponderEliminar
  2. O governo bem explicado :) https://www.youtube.com/watch?v=LSdnYNFyeoA

    ResponderEliminar
  3. como funciona o governo :) https://www.youtube.com/watch?v=iJka48nO55Q&spfreload=5

    ResponderEliminar
  4. Acho que vou meter o meu numa caixa e por à venda. registo+seguro+licenças vai para valores superiores ao do drone.
    Perde-se mais tempo a falar/discutir/noticiar/legislar sobre algo que nunca causou um vitima e ainda não se conseguiu mudar nada do que levou à morte de 63 pessoas no incêndio de à um mês. Rico país onde vivemos...

    ResponderEliminar
  5. Não há problema, eles nem conseguem resolver os assaltos aos multibancos que acontecem todos os dias/ semanas... e não sei se já repararam que os multibancos estão quietinhos sempre no mesmo sítio, não é como se fosse difícil saber quais são os locais onde podem vir a ocorrer os próximos furtos, agora imaginem apanhar drones que podem estar literalmente em qualquer lado.

    Mas o melhor ainda é: os drones são um perigo para a aviação? Podem cair em cima de alguém? Vamos taxar! E obrigar a preencher papéis e mais papéis e qualquer dia são cursos de 1000 horas.

    Colocar um emissor rádio para indicar a presença do drone e assim informar os radares fixos e os radares dos aviões para puderem detectá-los e desviarem-se a tempo... isso já era pedir muito... tinham mesmo que puxar pela cabeça.

    E colocar um para-quedas e a fazer barulho para chamar a atenção a quem estiver por baixo para evitar que algum desgraçado leve com o aparelho a grande velocidade na carola se algo falhar também não? Vão ter de morrer uns quantos ou ficar gravemente feridos até que alguém se lembre que um para-quedas que se active automaticamente em certas circunstâncias e/ ou activado pelo operador do aparelho é uma afinal uma boa ideia!

    Só pensam em dinheiro, não é certamente em prevenir os problemas.

    ResponderEliminar
  6. A mim parece-me óbvio que mais tarde ou mais cedo os drones terão de ser controlados porque num futuro não muito distante irão ser o nosso principal inimigo. "Fujam, vem ai um drone..."

    ResponderEliminar
  7. E assim, acabaram-se os avistamentos!! Está claro, que foram avistamentos falsos que serviram de desculpa para lançar o negócio dos seguros dos drones.

    Propostas de seguros a 200/300€ anual que têm excepções para voos sobre aglomerados de pessoas, o que só por si, faz com que o seguro não faça sentido.

    Seguros que são mais caros do que se eu for caçador e tiver seguro de utilização da arma. Espingarda de caça vs drone... Claramente um drone é muito mais perigoso! Só visto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente é ridículo comparar uma arma a um drone , enfim é o país que temos

      Eliminar
    2. E já agora acerca dos supostos " avistamentos" SERA QUE DAS DEZENAS DE PESSOAS QUE ESTAVAM A BORDO E DOS PRORIOS PILOTOS NINGUEM TINHA UM TELEMÓVEL A MÃO E NINGUEM SE LEMBROU DE TIRAR UMA SIMPLES FOTO E ASSIM FAZER PROVA DO QUE AFIRMAM .

      Eliminar
  8. é uma tristeza estes politicos idiotas pqop

    ResponderEliminar
  9. negócio para as seguradoras e receita para a Anac que foi quem fez a lei, as taxas recebidas do registo dos drones reverte para a Anac , onde já se viu quem propõe a lei a querer meter dinheiro ao bolso, se a policia Judiciária entra pela anac, ainda vão alguns... onde já vi isto?

    ResponderEliminar
  10. Como o espaço aéreo nacional já não esta suficientemente restrito aos drones " por ex: em Lisboa e arredores não se pode utilizar um drone só mesmo naquela pequena faixa junto a costa da Caparica" ainda vêem impor um seguro , deve ser para cobrir algum eventual dano que alguém possa fazer a algum sobreiro... não tenho nada contra o registo , agora querer equiparar um drone por exemplo a um carro acho ridículo . Na América esse país " atrasado " a FAA quis fazer o registo , mas a confusão foi tal pois havia proprietários de drones montados e alterados pelos mesmos , que tiveram de anular o registo e devolver o dinheiro as pessoas . Já agora porque não criar um seguro para as bicicletas , circulam na via pública não?

    ResponderEliminar
  11. Bom o melhor e fazer um seguro contra as patifarias dos politicos as companhias de seguro ai faliam.

    ResponderEliminar
  12. Ainda bem que alguém tem a coragem de falar verdade sobre este assunto. Parabéns pelo artigo.

    ResponderEliminar

[pub]