2012/12/17

O Efeito Estroboscópico nos Vìdeos


Já ninguém estranha numa fotografia ver um momento "congelado no tempo", mas por vezes há fenómenos curiosos que se assistem em vídeo que nos fazem duvidar da realidade.

Ora vejam o seguinte vídeo, onde vemos um avião a levantar voo com as hélices paradas:




Como é obvio os motores do avião não estão parados, nem se trata de magia ou de truques. O que se passa é que - pPor coincidência ou não - a velocidade de rotação das hélices é exatamente igual à velocidade do shutter da máquina que está a filmar.

Quer isto dizer que a cada frame que a máquina grava, as pás das hélices estão exactamente no mesmo sítio fazendo com que aparentemente estejam paradas. A isto chama-se efeito estroboscópico, e é também o responsável por aquele efeito bem mais comum de que quando se filma a roda de automóvel em aceleração, ela pareça estar a rodar num sentido, depois fique parada, e depois até pareça estar a rodar para trás.

Se a velocidade de rotação da roda ficasse também exactamente sincronizada com o shutter, o automóvel pareceria igualmente estar a movimentar-se sem que as rodas girassem.

(E já agora: por vezes assistimos a fenómenos ainda mais estranhos, causados pelo rolling shutter das câmaras digitais).


[por Pedro Cabido]

5 comentários:

  1. mas também o nosso olho cria esses efeitos estroboscópicos... não só em vídeo :P

    ResponderEliminar
  2. TIL porque é que nas imagens televisivas as rodas de um automóvel em aceleração por vezes parecem estar a andar para trás.



    Muito bem explicado, e informação bastante útil.
    Bem-haja,
    Pedro Cabido

    ResponderEliminar
  3. Isso é tanga, as hélices estão paradas porque é um erro n'A Matriz.

    ResponderEliminar
  4. Sai helicóptero.
    http://m.youtube.com/#/watch?v=pfab0n9UZeE

    ResponderEliminar
  5. Neste caso assistimos a uma máquina global shutter, Se fosse rolling shutter, para além de vermos as pás paradas, também as veríamos distorcidas...
    Uma boa explicação para um efeito que aparece muitas vezes e tantas vezes é mal interpretado...

    Pedro Santos

    ResponderEliminar

[pub]