2014/09/04

As misteriosas torres celulares não-identificadas


Ainda no outro dia falávamos dos sistemas que se aproveitam da infraestrutura de comunicação celular para poderem saber por onde anda qualquer pessoa com um telemóvel; e eis que nos EUA já foram apanhadas misteriosas torres celulares que não pertencem a qualquer operador conhecido.

Tal como nas redes WiFi é possível que qualquer pessoa possa criar um hotspot malicioso que se faça passar por um hotspot de confiança, também nas redes celulares os nossos equipamentos se tentam ligar automaticamente à torre mais apropriada. A grande diferença é que ao contrário do hardware WiFi, o hardware para as redes celulares é algo que não está ao alcance de todos (embora, como indicado no artigo que referi inicialmente, pareça estar a ficar disponível de forma cada vez mais acessível).

Graças a um smartphone concebido especificamente para garantir a privacidade dos seus utilizadores - o CryptoPhone - foram detectadas 17 torres celulares espalhadas pelos EUA que não pertencem a qualquer operador conhecidos, abrindo as portas para todo o tipo de teorias da conspiração. Há quem diga que se trata de espionagem das agências norte-americanas em locais de interesse especial; há quem diga que podem ser torres ao serviço de agências de outros países - e haverá também certamente quem pense que...



Sejam quais forem as teorias, o que é certo é que tal como um hotspot malicioso, estas torres podem interceptar as chamadas e dados de todos os smartphones que se ligarem a elas de forma automática, para além de poderem também escutar os equipamentos e até instalar remotamente apps maliciosas.

Se habitualmente já opto por usar a rede celular para não ficar dependente de redes WiFi que não me inspirem total confiança, parece que em breve (ou já) nem sequer isso nos dará algum descanso. Será que teremos mesmo que aprender a conviver com um mundo onde se tenha que desconfiar continuamente de tudo e todos?

5 comentários:

  1. https://negocios.vodafone.pt/loja/fixos/sinal-max.htm?ecmp=mdd

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei, já por cá passou: http://abertoatedemadrugada.com/2012/02/analise-ao-vodafone-sinal-max.html

      Mas isso não explica o caso apresentado: estes micro hotspots identificam-se como pertencendo ao operador respectivo.

      Eliminar
    2. Eu sei que sabes e que não se aplica mas nem toda a gente sabe como é começa a ser fácil ter sinais próprios. :)

      Eliminar
  2. Podem ser empresas q tenham serviços dedicados e q n estejam registadas.
    e ja trabalhei em empresas q tinham os seus proprios repetidores GSM (de todos os operadores) para garantir a cobertura no interior.
    mas n tenho qq duvida q ha individuos malucos para terem as suas proprias celulas so pq sim
    e vai mudar tudo isto com o LTE-local. eventualmente o WiFi vai deixar de existir e vamos ter apenas LTE-A, seja para dados e voz movel, como para redes PAN, WAN, MAN, seja em frequencias registadas ou abertas ao cidadao.
    O gajo da Erickson falou nisso no Codebits

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Repetidores são completamente diferentes de femtocell e afins.
      @Nuno, mas essa já não te permite ter a "tua" rede, muito menos desligar a encriptação.
      OpenBSC, OsmoBTS e afins é o que está a ser utilizado.
      Teorias da treta, pode ser qualquer gajo a experimentar os softwares acima citados, não descartando que haja muitos mal intencionados :|

      Eliminar

[pub]