2015/04/30

Uber lança petição para voltar a operar em Portugal


Depois de uns dias de atraso, a Uber lá recebeu a comunicação do Tribunal que a obriga a suspender as operações em Portugal - aproveitando a oportunidade para lançar uma petição que contraria esta decisão, e apelando a todos os que usam o seu serviço, ou que com ele concordem, para que se façam ouvir.

Sob o lema #somostodosUBER já foi criada uma página do Facebook Queremos a Uber em Portugal acompanhada por uma petição que tentará chamar a atenção a partidos políticos e Secretário de Estado dos Transportes para esta situação.

Trata-se efectivamente de uma decisão curiosa de um Tribunal, que parece nem ter sentido necessidade de ouvir o "acusado" para averiguar se tudo o que o "acusador" dizia era efectivamente correcto. Aparentemente, o cenário apocalíptico pintado pela ANTRAL terá sido suficiente para assustar os juízes ao ponto destes considerarem o serviço um "sério risco", e "determina ainda que Google, Apple, Microsoft e Samsung deixem de fornecer o aplicativo em suas lojas online e que suspendam remotamente os aplicativos Uber dos usuários que já o possuam instalado em seus aparelhos celulares"!

Aliás esta seria, sinceramente, uma medida que eu gostava de ver aplicada... para assistir à grande barracada que se seguiria: pois gostaria de ver o senhor juiz que ditou tal coisa a explicar porque motivo um português não poderia ter no seu smartphone uma app que lhe facilitaria a vida em muitas cidades fora de Portugal, ou será que lá pelo meio a Antral também o terá conseguido convencer de que nenhum português poderá andar de Uber, seja onde for?


Não nego que a Uber tenha coisas censuráveis, tal como as práticas hiper-agressivas com que tem lidado com serviços concorrentes nos EUA, e que tenha uma atitude de "pôr a funcionar primeiro, e lidar com as consequências depois". Mas a questão é que cá em Portugal se limitou a juntar "1+1" e implementar o seu serviço dando uso a empresas nacionais que podem fazer o transporte de pessoas - embora a sua componente "revolucionária" seja a modalidade UberPop, onde qualquer pessoa se poderia tornar num dos seus condutores (e que inevitavelmente terá que ser abordada, mais cedo ou mais tarde...)

O grande problema é que conhecendo-se a (falta de) celeridade dos tribunais portugueses, ficamos sem ter qualquer previsão de quando é que o assunto poderá ficar resolvido, ou pelo menos saber de quando estará teoricamente apta a continuar as operações como fazia; embora de momento, tudo pareça continuar a funcionar como dantes, ou pelo menos assim me indica a app, dizendo que existem carros disponíveis no Porto e em Lisboa.


... Por outro lado, se calhar até arranjo uma forma bem simples e rápida de resolver esta situação: bastaria instalar a app do Uber no smartphone do juiz, e convidava-o o usar o nosso código para ter direito à sua primeira viagem gratuita no Uber. Acham que depois de o fazer ainda consideraria o Uber um "sério risco"? O único risco é acelerar a extinção de todos os maus profissionais do sector, que se sentem no direito de roubar portugueses e estrangeiros à primeira oportunidade!

18 comentários:

  1. Ocorrência semelhante no Brasil: http://canaltech.com.br/noticia/internet/justica-determina-suspensao-do-uber-em-todo-o-brasil-40335/

    ResponderEliminar
  2. É engraçado como no texto o autor apressa-se a atestar a qualidade dos condutores do Uber, que segundo o tribunal não têm a qualificação necessária, nem são sujeitos a regras do sector, nem passam um recibo conveniente, para além de não respeitarem tabelas de preços.

    Mas apressa-se a condenar todo um sector legal e cumpridor de várias leis e pagador de vários impostos, apelidando-os subrepticiamente de aldrabões e vigaristas. É a incoerência no seu melhor.

    Pois eu digo, nunca tive um único problema com taxistas, sempre fui bem tratado e nunca utilizaria um serviço que tenta pela porta pequena e ilegalmente roubar trabalho a quem cumpre as regras.

    Só espero que nunca apareça uma app que lhe roube o seu trabalho sem ter de cumprir as mesmas obrigações a que está sujeito.

    Espero que a proibição se mantenha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se calhar serei apenas eu que tive azar nos táxis que apanhei... ou se calhar não serei só eu...

      Sete taxistas presos a enganar turistas - Correio da Manhã - Sep 25, 2011
      Lisboa: nove taxistas detidos em duas semanas - TVI - May 30, 2014
      55 taxistas detidos em 2014 - Sol - Dec 31, 2014

      ... Mas sim, poderá haver quem ache normal um sector legal e "cumpridor de leis" ter em média mais de 1 taxista detido por semana. (Dando também para imaginar quantos outros não são detidos, mas deviam.)

      Mais piada terá acusarem a Uber de não passar recibos, quando basta pedir para enviarem um sem qualquer hesitação - aliás, o mesmo que se passa nos táxis (se não pedires não te dão) - só que aqui vem realmente o que pagaste, e não uns rabiscos num papel, ao gosto do "freguês". Para além de que pagas com cartão, fica registado o pagamento... e não é em dinheiro vivo que tem aquela tendência para se escapar pelas frinchas...

      Mas recomendo que espreites aquele documentário sobre esquemas e burlas, e onde é o próprio apresentador, já bastante viajado que refere (e mostra!) que ainda está para conhecer uma cidade em que chegue e não tente ser burlado por um taxista.

      Há coincidências estranhas... não?


      P.S. Não me custa nada dizer que haverá certamente bons taxistas, por algum motivo no artigo eu me refiro aos *maus profissionais*. Mas enquanto não fizerem uma limpeza dos muitos maus elementos que há na classe (que com tanta "certificação" e "licenciamento", ainda menos desculpas tem para que isso aconteça) sujeitam-se a estas generalizações. Temos pena, mas resolvam o problema que têm dentro de casa, e se calhar não tinham milhares de pessoas que depois de terem experimentado o Uber não querem outra coisa.

      Eliminar
    2. Claro que sim, nada melhor do que ser escutado e seguido sem autorização:
      http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/uber-espiona-usuarios-de-seu-servico-de-caronas

      E quem não gosta de uma fraudezita?
      http://techcrunch.com/2014/08/26/uber-lyft-operation-slog/

      Ou uma boa tareia:

      http://www.forbes.com/sites/ellenhuet/2014/06/03/uber-driver-with-felony-conviction-charged-with-battery-for-allegedly-hitting-passenger/

      Talvez um assédio?

      http://www.thedailybeast.com/articles/2014/03/28/uber-s-biggest-problem-isn-t-surge-pricing-what-if-it-s-sexual-harassment-by-drivers.html

      Ou uma burla:

      http://gothamist.com/2014/12/13/uber_driver_takes_woman_on_nightmar.php

      Cidadãos modelo a conduzir:

      http://www.houstonchronicle.com/news/transportation/article/Uber-driver-accused-of-rape-started-work-after-14-6185342.php

      Já para não falar na especulação de preços. Tudo normal, tudo honesto, viva o uber.

      Está bem, está.

      http://www.whosdrivingyou.org/rideshare-incidents.html

      Eliminar
    3. Não confunda a realidade portuguesa com a americana.
      Felizmente temos menos gente tonta por cá.
      Quando muito algum malandro a meter-se com as meninas, de resto, somos bem pacíficos comparados com os EUA.

      Eliminar
    4. Tudo casos da modalidade do Uber que não temos cá... Mas pronto, contra clubismos não se discute - como o próprio nickname bem atesta. Cada um com pleno direito à sua opinião... e aceitando que outros também a tenham.

      Eliminar
    5. Claro que aceito. Quanto a isso da modalidade, primeiro mete-se o dedo, depois a mão.

      Quanto à boca do nick, não faz sentido nenhum.

      Eliminar
    6. Estamos a discutir saudavelmente um assunto de interesse para a sociedade portuguesa e vem-me com bocas de clubismos.

      Eliminar
    7. Não é boca nenhuma, é uma simples constatação de factos: diariamente vemos coisas factuais na televisão, como jogadas de futebol, onde adeptos de uma equipa vêem uma coisa, e os adeptos da outra vêem outra coisa.

      Aqui é algo idêntico: para a mesma situação, uns vêem de uma forma, outros vêem de outra.

      Como disse, aceite-se que cada um tenha a sua opinião, e que há pessoas com quem vale a pena discutir de forma construtiva, e outras com as quais será apenas perda de tempo, e ficamos por aí.

      Eliminar
    8. Perfeitamente de acordo, há pessoas com quem é perfeitamente inútil esgrimir argumentos.

      Eliminar
    9. "que segundo o tribunal não têm a qualificação necessária" , baseado no facto da observação divina, visto que nem a empresa foi contactada.

      Eliminar
    10. Fiz recentemente uma viagem para Praga onde um taxista me cobrou praticamente o quadruplo pelo mesmo trajecto que tenha sido feito horas antes por um outro taxista que foi simpático o suficiente para não me tentar enganar, o argumento dado foi "Esta é a minha taxa!!" em péssimo inglês. A partir desse dia para frente usei a apenas Uber, onde fui atendido com a maior simpatia, conforto e preocupação com a minha satisfação do serviço. A maneira como os taxistas tratam os turistas vs os locais pode mudar drasticamente. Com a Uber o condutor é obrigado a ter uma avaliação mínima de 4,5 estrelas em 5 senão deixa de o ser. Acho que para além dos taxistas se sentirem intimidados com a Uber deviam aprender uma coisa ou outra, não é por nada que as pessoas andam a preferir um serviço ao outro.

      Eliminar
  3. 100% de acordo com o autor. Tripeiro benfiquista, só espero que não apareça nada que concorra com o que você faz, caso contrário será o seu fim... certamente deve lidar muito mal com a concorrência. Deve gostar do seu tachinho garantido, seja ele qual for. É devido a este tipo de mentalidades que Portugal não avança...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. JN, para a próxima leia como deve ser para não fazer interpretações erradas. Concorrência sim, venha ela, mas dentro dos limites da lei.

      Ora leia lá outra vez: "...que segundo o tribunal...". Estou a basear-me na sentença do tribunal e não na minha ideia vaga de como funciona um sector ou outro, como o caro amigo. Não julgo que sei mais do que os tribunais ou que ou dono da razão.

      Tachinho, essa é boa. Mal você sabe.

      Eliminar
    2. Interpretação errada, pois está bem. Fique lá com a sua e com o tachinho se foi assim tão boa... Seja feliz no ano em que vive, se calhar 1990. Novamente, parabéns ao autor pelo artigo.

      Eliminar
  4. Concorrência seja no que for, em dose certa faz bem a qualquer negócio.
    Mas como o chorinho dos meninos resultou com o Tribunal, lá vamos nós continuar a aturar taxistas mal dispostos, arrogantes, desonestos e que cobram o que lhes apetece.
    (As minhas sinceras desculpas a todos que não se enquadram na descrição acima, vocês existem, mas estão em minoria)

    ResponderEliminar
  5. Ainda ontem andei, duas vezes, no Porto.
    Vale o que vale, mas estava a falar precisamente deste problema com o condutor de uma das viagens, que me disse que a notificação oficial ainda não tinha chegado (duvidei no momento, e com esta notícia duvido ainda mais), que assim que chegasse a uber iria recorrer, o que faria com que tudo ficasse em "suspenso" até uma decisão final, provavelmente só mais para o fim do ano. Isto nas palavras de um mero condutor, claro.

    ResponderEliminar
  6. Os piores taxistas são os do Aeroporto de Lisboa. Ja nem consigo quantificar quantas vezes já tentaram enganar-me.

    Com a uber isso já não era possível! É a Antral e a SPA! Estão as duas a remar contra a maré que é forte de mais...

    ResponderEliminar

[pub]