2015/08/16

Como o "Loudness" está a estragar a música actual

Ouça-se uma música num volume baixo e outra num volume alto, e a maioria das pessoas dirá que a que toca mais alto tem melhor qualidade. Infelizmente... isto tem feito com que a maioria das edições musicais actuais acabe por ter qualidade reduzida.

Assumindo um ficheiro com som de 16 bits (como o dos CDs), isso significa que podemos ter uma gama de 65535 níveis diferentes, entre o silêncio absoluto e o maior volume possível (sendo este volume relativo ao volume final que está sob o vosso controlo.)

O problema é que para fazer com que uma música pareça melhor, muitas edições são feitas com o som "puxado" para cima, de modo a ficarem mais altas... mas no processo fazendo com que percam gama dinâmica entre as partes que deveriam ter volume mais reduzido e as partes que deveriam ter volume mais elevado.

... Mas nada como um exemplo que vos permitirá ver - e ouvir - o que realmente se passa.


4 comentários:

  1. Excelente artigo, excelente vídeo. Nunca havia atentado para esse aspecto.

    ResponderEliminar
  2. Já começa a haver alguns "pactos", na TV - EBU R128 (isto na Europa), e em alguns serviços streaming existe tb, na Apple inseriu o Sound Check’ algorithm, isto quer dizer se a musica estiver demasiado alta será posta mais baixa e não é só isso, os picos transitorios de audio serão afectados, logo irá soar "mal", ... No itunes existe este white paper que acredito q muitos n conheçam - https://www.apple.com/euro/itunes/mastered-for-itunes/docs/mastered_for_itunes.pdf. A pirâmide de decisão ainda é tomado por leigos. Existe uma evolução sonora ao longo destes tempos, nem tudo o que ficou mais alto tem mau som, o mau uso dessas ferramentas sim, isso é o verdadeiro problema. Já agora deixo aqui outro assunto que tem a ver com o Loudness da nossa era, o tipo de streaming - https://www.youtube.com/watch?v=SXbH-yzGNfg Andrew Scheps foi um dos responsáveis pelo som do ultimo disco dos Metallica, e ele nesta palestra, explica bem e rápido o que falei a pouco, quem toma as decisões está a cima da pessoa que realmente tem conhecimento.
    Façam um pequeno teste, peguem em 3 ou 4 cd's que gostem, e os mesmos cd's em mp3 (a qualidade deve ser acima de 192kbps, mesmo a 320kbps nota-se). Oiçam esses 3/4 cds (primeiro o formato mp3), e depois oiçam as versões de CD. E diga-me o que sentiram ao ouvir. Não é preciso ser um "expert" de audio para perceber a diferença. Nós aceitamos as novas tecnologias, e são fantásticas no espaço que uma musica de 3/4m que ocupa em WAV 44.1Khz/ 16bits podem por um disco inteiro em mp3. O ritual de ir buscar o CD e po-lo a tocar continua pelo menos para mim relaxante. Obrigado pelo artigo. esse video é de 2006, é uma guerra com muitos anos.

    ResponderEliminar
  3. Já para não falar na parca que se faz nos ouvidos, pela pressão sonora de volume mais alto, com ou sem fones.

    Quanto ao MP3 vs WAV, é um pouco como o Digital Vs Analogic ou Transístor Vs Válvula and so on...

    ResponderEliminar
  4. Isto é ridiculo, porque o que acontece neste exemplo é o que os produtores/músicos entendem por "picar", no entanto isso é uma regra básica da produção/edição e masterização, não se faz...
    Enfim...

    ResponderEliminar

[pub]