2018/05/20

Nissan aposta em solução combinada de automóveis eléctricos, painéis solares e bateria para as casas


Os carros eléctricos não só permitem redefinir a mobilidade sem emissões poluentes, como também são uma oportunidade única para a revolução da produção e distribuição de energia; e a Nissan já está a dar o primeiro passo nesse sentido.

Não é segredo que a Nissan é uma das marcas que mais tem apostado nos automóveis eléctricos, com o seu Leaf a ter sido um dos primeiros carros 100% eléctricos realmente funcionais e disponíveis no mercado, mas agora avança com uma proposta mais abrangente... que no fundo acabar por ser uma inevitabilidade caso se pretenda a massificação dos veículos eléctricos.

Como já foi referido por diversas estudos, a nossa rede de energia eléctrica não está preparada para lidar com uma transição imediata para milhões de automóveis eléctricos; e os fabricantes sabem isso. No entanto, o facto de se estar a falar de energia eléctrica abre as portas a novas soluções... como a possibilidade de cada pessoa poder gerar a energia eléctrica que necessita, para o seu carro e casa, usando painéis solares, armazená-la numa bateria em casa, e usar essa energia para recarregar o carro à noite, podendo também usar, ou fornecer energia à rede eléctrica, caso necessário.




Não é ficção científica, sendo um pacote completo "Nissan Energy Solar", com painéis solares, bateria para casa, e que funcionam em perfeita sintonia com o carro eléctrico, que a Nissan já está a propor no Reino Unido, com preços a começar em valores próximos dos 4430 euros só para os painéis (6 painéis solares), 7360 euros para a bateria de casa, ou 8722 euros para o pacote de painéis e bateria.


Curioso - ou irritante! - é ver que no Reino Unido já quase 1 milhão de pessoas optou pela instalação de painéis solares, com o país a promover a sua adopção e a proporcionar condições vantajosas para isso (como IVA reduzido de 5%), enquanto que por cá, num país com tanto sol como o nosso... seja a situação que bem sabemos (vale-nos que pelo menos já se pode dispensar a burocracia para a instalação de painéis de potência reduzida, desde que não se espere ser pago caso se produza energia em excesso que seja "oferecida" à rede...)

4 comentários:

  1. Concordo plenamente com o último parágrafo. Estive recentemente na Alemanha e também vi essa mesma realidade: Uma enorme quantidade de casas com painéis solares instalados num país com menos horas de sol faz pensar que há algo de errado por cá.

    ResponderEliminar
  2. Sem dúvida, ainda temos o lobby da EDP muito enraizado na nossa sociedade é urgente mudarmos o chip, um País com tanto sol, não faz de todo sentido que não se aposte a sério na energia solar, a começar pelo governo que deveria dar incentivos para os particulares adquirirem estes equipamentos , sei que nas grandes cidades quem vive em apartamentos não é fácil instalar estes equipamentos, mas pelo País afora existe muita cada individual ( vivendas ), aonde estes equipamentos eram de muito fácil instalação o bolso num médio prazo agradecia e sobretudo o planeta .

    ResponderEliminar
  3. Eu instalei os painéis solares da EDP com o EDP Re:dy, com dois painéis de 250W. A solução funciona bem, mas não tem baterias, o que acaba por beneficiar maioritariamente a EDP, pois estamos a gerar energia e a EDP não paga pela energia gerada. Os painéis não são demasiadamente caros. A solução Re:dy é standalone e não se liga a mais nada, ou seja, controla os plugs para ligar e desligar zonas da casa e controlar despesas, mas não há possibilidade de ligação a IFTTT, Google Home ou qualquer outro sistema de gestão de automação para além do site e app da EDP. A app, crasha constantemente, mas dá acesso ao controlo da casa e introdução de rotinas de ligar/desligar a casa. É limitador ...

    ResponderEliminar
  4. Por cá temos crédito bonificado! A grande medida de incentivo a casas mais eficientes... Ou seja, endividar e dar a ganhar aos mesmos. Maravilha!

    ResponderEliminar

[pub]