2018/06/05

Facebook continua a partilhar informação de utilizadores sem que estes saibam


Era previsível que o escândalo Cambridge Analytica fosse apenas a "ponta do iceberg" quanto às liberdades que o Facebook tinha com os dados dos seus utilizadores, e assim se parece confirmar com uma notícia que indica que o Facebook continua a partilhar esses dados com dezenas de fabricantes e empresas, entre as quais se incluem a Samsung, Apple, Microsoft e Amazon.

Embora o Facebook tivesse garantido perante os comités de inquérito que já teria terminado a partilha excessiva de dados com terceiros, afinal parece que estava apenas a brincar com semântica, pois continua a partilhar informação com mais de meia centena de empresas tecnológicas e fabricantes de smartphones - dizendo que não se tratam de "terceiros" mas sim de "parceiros", que têm as condições para aceder a esses dados e mantê-los seguros.

Estes acordos terão tido início há cerca de uma década, tendo sido uma forma do Facebook cativar e facilitar a integração da sua plataforma em diversos equipamentos, através de um acesso a uma API privada que permitia que os utilizadores pudessem fazer coisas como partilhar fotos com os amigos sem terem que passar directamente pela app do Facebook. No entanto, essas mesmas API disponibilizam um nível de acesso que poderá estar a violar as leis de protecção de dados - tendo sido comprovado num teste que, através de uma única conta de um utilizador com 556 amigos, foi possível aceder a informação detalhada sobre todos eles, e também informação significativa de 300 mil utilizadores adicionais que eram "amigos dos amigos"!

O Facebook refugia-se nos argumentos de que esse consentimento é dado quando os utilizadores se registam no Facebook e nos serviços destes seus parceiros, e que tudo está dentro da legalidade. No entanto, parece esquecer-se do pequeno pormenor disso estar a partilhar dados de utilizadores que expressamente definiram nas suas contas que não querem dar acesso aos seus dados nem revelar dados dos seus amigos.

... Parece-me que Zuckerberg ainda terá muito que responder pelos meses que se seguem, e a cada semana que passa e se vão descobrindo mais "acordos secretos", a confiança (que ainda exista) no Facebook irá ser seguramente afectada.

2 comentários:

  1. Enfim uma brincadeira de semântica que demonstra a hipocrisia de todas as entidades envolvidas, todos estão com as mãos muito sujas, por isso não vale a pena Tim Cook vir a público dizer que a sua empresa nunca estaria no lugar do FB, pois não são outros que sujam as mãos por eles, mas de facto a UE tem de aplicar as coimas previstas no novo regime jurídico da protecção de dados, se não o fizer e ceder a todos estes lobbys entra completamente numa descredibilidade total .

    ResponderEliminar

[pub]