2018/07/07

União Europeia considera o fim da mudança de hora e quer saber o que os Europeus pensam


Estão satisfeitos com a mudança de hora no Verão/Inverno? Preferiam manter a mesma hora o ano todo? Eis a oportunidade que aguardavam, pois a Comissão Europeia está a perguntar a todos os cidadãos da UE o que acham sobre a alteração da hora, para poder acabar com essa prática.

A Comissão Europeia criou um inquérito relativo à mudança de hora bi-anual, com vista a avaliar se se deverá manter o actual sistema ou eventualmente acabar com ele.

Actualmente ditam as regras que todos os países membros devem mudar para a hora de Verão no último domingo de Março e mudar para a hora de Inverno no último domingo de Outubro, de modo a manter uma harmonização do horário em todo o espaço da UE. No entanto, esta prática da mudança de hora, embora seja "tradição" na Europa e nos EUA, não é feita na Ásia ou África. Aliás, esta nem sequer é a primeira vez que a UE faz inquéritos sobre isto, sendo que em 2014 a maioria dos países dizia estar satisfeita com o sistema actual.


Algumas pessoas ainda se poderão recordar também de algumas experiências que já por cá foram feitas, de não se mudar a hora... com resultados algo estranhos - mas isso será sempre relativo, quando se considera que em países mais a norte, como a Finlândia, onde o sol se mantém no céu durante semanas no Verão, e vivem semanas no escuro no Inverno.

O que é certo é que os supostos benefícios frequentemente apontados para a mudança de hora, como a poupança energética, benefícios de saúde, ou até mesmo segurança de circulação nas estradas, são dados como inconclusivos pela própria Comissão, pelo que no final tudo se irá resumir à opinião que cada um tenha sobre o assunto.

O inquérito decorre até 16 de Agosto e será a oportunidade ideal para todos os que acharem que seria melhor manter continuamente a hora de Verão (ou de Inverno) durante o ano todo. O que é certo é que, se for para se alterar o sistema, passará a ser proibido aos países membros fazerem mudança de hora, tendo que escolher o horário em que desejam permanecer (Verão, Inverno, ou mesmo outro) mas sem alterações ao longo do ano.


Actualização: o resultado da votação foi o de 4 milhões de Europeus a dizerem que querem o fim da mudança de hora.

30 comentários:

  1. O pessoal não gosta da hora de Inverno mas a "falsa" é a de Verão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São ambas falsas. A hora de Inverno TMG tem um desfasamento de +0h30 e a hora de Verão TMG+1 tem um desfasamento de +1h30 em relação à hora solar. De qualquer dos modos, a hora de Inverno TMG é a melhor, na impossibilidade ou alta improbabilidade de termos hora TMG-0h30, aquela que seria a ideal.

      Eliminar
  2. Bem, de cinco em cinco anos a UE avalia a questão da "hora de Verão/hora de Inverno" - ou hora de poupança de combustível.

    Em rigor a questão não é da "hora de Verão" - é da "hora de Inverno" - atrasar a chegada ao trabalho no Inverno, quando o sol já nasceu para gastar menos electricidade. Esta questão nasceu há 100 anos na Alemanha, mas ainda recentemente um estudo em Inglaterra comprovou que o atraso de 1H para a "hora de Inverno" permitia poupar uns GWh valentes.

    A outra questão, relacionada é saber - se não se mexer na hora duas vezes por ano, com que hora se fica: a atual do Inverno ("fuso 0", ou GMT 0) ou a de Verão ("fuso +1").

    Em Portugal de 1992 (Cavaco Silva) até 1996 (António Guterres) vigorou o "fuso +1" no Inverno e o "fuso +2) no Verão. Garanto que não tinha graça absolutamente nenhuma - no Inverno levava-se os putos para a escola ainda de noite (às 9H o sol ainda não tinha nascido) e no Verão, em Agosto, às 11H da noite ainda havia luz solar. Uma coisa estranhíssima - foi pacífico o regresso à hora do "fuso 0" no Inverno.

    Tenho a certeza que o "fuso 0" (a atual hora de Inverno) o ano todo era melhor que a do "fuso 1" (a atual hora de Verão) o ano todo. Mas o melhor é manter a mudança da hora.

    Quando a UE, daqui por cinco anos, perguntar outra vez, pode ser que tenha mudado de opinião :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. No comentário acima, que apaguei, tinha escrito que Cavaco se tinha passado da cabeça com as horas de 1992 a 1996.

      Na verdade, a história foi mais complicado - de 1942 a 1945 até chegou a haver duas mudanças de hora de Verão, ou seja, um ano com três horas: "Hora de Inverno", "Hora de Primavera" e "Hora de Verão" :)

      http://expresso.sapo.pt/sociedade/2017-03-25-Hora-mudou.-E-saiba-quando-os-relogios-de-Greenwich-comandaram-os-de-Lisboa#gs.NH3rJmI

      Eliminar
    3. A hora correcta é a hora de Inverno, TMG, e não a de Verão, TMG+1. A hora TMG foi adoptada em Portugal Continental a partir de 1-1-1912, e é a hora padrão. A partir de 1916, seguindo a restante Europa, a pretexto de uma suposta e dúbia poupança energética durante a 1ª Guerra Mundial (e depois durante a 2ª GM), começámos a ter períodos alternados de hora de Inverno TMG (no Outono e Inverno) e de hora de Verão TMG+1 (na Primavera e Verão), que por puro comodismo se manteve até aos dias de hoje. A hora de Verão em Portugal é completamente desnecessária, pois a hora de Inverno TMG já está adiantada 30 minutos em relação à hora solar, por isso já pode ser considerada "meia-hora de Verão"... A hora de Verão TMG+1 corresponde à hora solar do meridiano 15ºE que passa por países como Suécia, Polónia, Chéquia, Áustria, Eslovénia, Croácia, Itália e Líbia! Um meridiano situado a 1883 km a leste da longitude 7º30'W, o meridiano médio de Portugal!

      Eliminar
    4. Parece que agora o caso é mais sério. Das três uma: ou fica tudo como está (mudança bi-anual, hora de Inverno/hora de Verão) [MAU] ou fica Hora de Inverno permanente [ÓPTIMO] ou Hora de Verão permanente [PÉSSIMO]. Mais uma prepotência da UE que não tem nada que se intrometer num assunto desses, a hora legal, que só deveria dizer respeito a cada país. Tudo porque a Finlândia teve uma petição assinada por 70 e tal mil que protestaram contra a hora de Verão e levou o assunto para a UE. Isto não é nada bom, porque o resultado pode ser imprevisível e irrevogável... Os eurodeputados não são propriamente especialistas em cronobiologia e já ouvi opiniões absolutamente disparatadas vindas dessa gentinha...

      Eliminar
    5. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  3. Se for para manter a verão tudo bem, agora para ficar com o fuso inicial não obrigado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A hora de Verão é uma aberração e está adiantada 1h30 (ou mais, na zona litoral oeste) em relação à hora solar. É uma brutalidade. Quando são 12h00 no relógio, são na verdade 10h30 solares! O meio-dia solar só é às 13h30 legais.

      Eliminar
  4. Recordo-me desses tempos em que tivemos a mesma hora que a Europa Central e também me recordo de não ter achado muita graça de manhã, embora tenha sido bom de noite.

    Se alguma vez alterarem a mudança da hora, que coloquem como prioridade a hora de chegada e saída das escolas, porque em muitos locais perto de escolas (e não só), a iluminação noturna ainda é mesmo muito deficiente e é um perigo acrescentado para as famílias (principalmente para as crianças).

    ResponderEliminar
  5. Já participei.
    A hora deve aproximar-se da hora solar, o que em Portugal significaria GMT/ UTC: +00.30 (por uma questão de simplificação de cálculos), para estar mais próximo da hora solar verdadeira e por uma questão de saúde humana não alterar ao longo do ano.
    O chico espertismo do início da república veio criar este problema completamente desnecessário.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Qual era a hora legal antes da primeira república?

      Eliminar
    2. http://oal.ul.pt/100-anos-da-hora-de-verao-em-portugal-e-no-mundo/

      Eliminar
    3. Obrigado Carlos.
      Felizmente, verifica-se que não houve problema algum com a República ou o seu suposto "chico-espertismo" porque o mesmo artigo refere que países monárquicos como o Reino Unido também seguiram a mesma norma.

      Eliminar
    4. Antes da República: usava-se a hora do meridiano de Lisboa
      Com a República: passou-se a usar a hora do meridiano de Greenwich (deixando os franceses chateados que queriam que fosse reconhecida a hora do meridiano de Paris).

      Portugal não podia manter a hora do meridiano de Lisboa. "Alguém telefona de Londres: aqui são 12H e aí? Aqui em Portugal faltam 33 minutos para o meio dia" :)

      Eliminar
    5. A implantação da República deu-se a 5 de Outubro de 1910, e a 26 de Maio de 1911 publicaram um decreto-lei onde se definiu que a partir de 1 de Janeiro de 1912, a Hora em Portugal deixava de ser local (meridiano de Lisboa, OAL) e passava a reger-se pelos Fusos Horários da Convenção de Washington (1884), colocando a hora do continente no Fuso das 00:00 horas (Greenwich). Assim, a Hora Legal em Portugal Continental foi adiantada de 36m 44,68s, ou seja a diferença de longitudes entre os meridianos do OAL e de Greenwich.

      Por isso é que disse o chico espertismo, para além de mudar a hora de referência ainda introduziram esta aberração de mudar a horas duas vezes ao ano que nem sequer foi constante como se pode ver em http://oal.ul.pt/documentos/2018/01/hl1911a2018.pdf aqueles intelectos avariados não tinham mais nada que inventar então decidiram meter-se a mudar a hora conforme lhes aprazia.

      Se faziam questão de mudar podiam ter por exemplo colocado na altura GMT +00.30 que sempre ficava mais próximo da hora solar em Portugal Continental e facilitava nessas conversões de outros horários internacionais, e mantinham-na sempre igual.

      Eliminar
    6. Não há GMT +00.30 (1/2 hora).
      Há GMT 0, GMT +1 (+ 1 hora), GMT -1 (-1 hora), etc.

      A diferença de longitudes entre Lisboa e Grenwitch são 9.º .
      Uma hora corresponde a um fuso horário de 15º, logo: 9/15 x 60 minutos dá os 36 minutos, aproximadamente.

      E não seria GMT +00.30 seria GMT -00.30, porque Lisboa está a ocidente de Greenwitch. Por isso é que para acertarem a hora do meridiano de Lisboa para o Greenwitch tiveram que adiantar os relógios 36m 44,68s

      Quanto há mudança da hora duas vezes por ano nada tem que ver com a república ou monarquia, como é óbvio.

      Eliminar
  6. Têm razão, deveria ser GMT/ UTC -00:30 Lisboa

    O não existir o GMT/ UTC -00:30 não é impedimento nenhum. Basta o estado definir e passa a ser esse o fuso horário, e nem seria nenhuma novidade, já existem vários fusos horários com a meia hora e até com quarenta e cinco minutos: "(UTC -09:30) Ilhas Marquesas", "(UTC -03:30) Terra Nova", "(UTC +03:30) Teerão", "(UTC +04:30) Cabul", "(UTC +05:30) Chennai, Kolkata (Calcutá), Mumbai, Nova Deli", "(UTC +05:30) Sri Jayawardenepura", "(UTC +05:45) Kathmandu", "(UTC +06:30) Yangon (Rangoon)", "(UTC +08:30) Pyongyang", "(UTC +08:45) Eucla", "(UTC +09:30) Adelaide", "(UTC +09:30) Darwin", "(UTC +10:30) Ilha de Lorde Howe", "(UTC +12:45) Ilha Chatham".

    A mudança horária duas vezes ao ano ocorreu também durante a república, por isso referi a república... mas também deixei claro que era devido ao intelecto doente que tinha de inventar mais alguma coisa para estragar a saúde humana... pois a esperteza só por si do intelecto não poderia trazer outra coisa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Resumindo: A hora solar média em Portugal está mais perto de GMT -1 (mais 24 minutos), do que de GMT 0, a nossa hora de atual de Inverno (menos 36 minutos), embora a diferença seja pouca.

      P.S. Por isso, não proponham que a hora de Inverno passe para GMT +1, como fez um sujeito encavacado, que devia ser monárquico :)

      Eliminar
    2. Se vigorasse a hora GMT-1 (correspondente à do fuso horário -1 da Madeira, embora eles tenham optado pela mesma hora legal do Continente, até admira!) no Inverno o nascer do sol seria às 7h00 (em vez das 8h00), o meio-dia solar às 11h30 (em vez das 12h30) e o poente às 16h00 (em vez das 17h00). De qualquer dos modos, seria bem melhor haver um desfasamento de -0h30 do que um de +1h30, como acontece com a actual hora de Verão GMT+1. O Cavaco não é monárquico. Se o fosse não teria escolhido a hora GMT+1 de Berlim, a hora mais querida dos eurocratas todos, para poderem sintonizar com a patroa.

      Eliminar
    3. @Aires Porquê 36 minutos? Para esses cálculos horários deve ser usado o meridiano 7ºW30' que passa pelo meio de Portugal (ou quase...) e não o meridiano 9ºW11' de Lisboa. Se for considerado 7ºW30' dá conta certa: -0:30, e não os quebrados da longitude do OAL em Lisboa (-0:36:44,68).

      Portugal deveria ter hora legal UTC-0:30 durante todo o ano. Só assim ficaria em igualdade de circunstâncias com Londres, Berlim, Roma, etc. em que as horas legais deles são coincidentes ou quase iguais às horas solares deles.

      Tal como está, temos um desfasamento em Portugal de +30 minutos (+1h30 com hora de Verão), e na Madeira e nos Açores, de +1h00 (+2h00 com hora de Verão) em relação à hora solar.

      As horas legais permanentes na República Portuguesa deveriam ser: Portugal, UTC-0:30; Madeira, UTC-1; e Açores UTC-2.

      Eliminar
  7. Acho que a hora se deve manter todo o ano. A alteracão causa imensos transtornos.Deveriam optar por hora aproximada da solar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nesse caso, é a hora de Inverno, TMG ou GMT ou UTC (como agora lhe chamam).

      Eliminar
  8. A hora solar, gmt+30min.,seria a hora ideal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Errado. Não é GMT+0h30, mas sim GMT-0h30. 7ºW30', o meridiano que passa pelo meio de Portugal.

      Eliminar
  9. O simples facto de os comentadores se basearem nos anos muito anteriores, não significa nada, a não ser que são saudosistas, eu que já sou velho não sigo essa ideia.!!

    ResponderEliminar
  10. Os fanáticos da hora de Verão não gostam é do Inverno, e contra isso nada há a fazer. Nesses meses, os dias são mesmo pequenos, quer seja hora de Inverno ou de Verão.

    Se a hora de Inverno TMG vigorasse durante todo o ano, ninguém daria por nada e seria muito mais saudável. Os dias no Verão seriam compridos na mesma e só anoiteceria entre as 20 e 21h00, um pouco mais cedo do que actualmente, mas nada de especial. A última vez que isso aconteceu foi em 1933, por isso, está cá pouca gente para o contar e já nem se deve lembrar de como era.

    Esses fanáticos da hora de Verão TMG+1 esquecem-se de que se ela vigorasse durante todo o ano, no Inverno o sol nasceria às 9h00 em vez das 8h00, e que isso faria com que grande parte da população trabalhadora, estudantil, crianças que vão para as creches, doentes hospitalizados e idosos em lares (acordam-nos todos os dias às 7h00!) tivessem de se levantar de noite fechada. Parecem ter-se esquecido dos enormes transtornos que isso causou entre 1992 e 1996 quando o inteligente do Cavaco decidiu adoptar a mesma hora de Berlim (TMG+1 no Inverno e TMG+2 no Verão).

    ResponderEliminar
  11. A hora legal que vigorou em Portugal Continental até 31-1-1911 foi a hora local de Lisboa, TMG-0h36m44,68s. A partir de 1-1-1912 passou a ser a hora TMG, a hora do fuso 0, que geograficamente abrange os territórios situados entre as longitudes 7º30'W e 7º30'E. O fuso 0 abrange a metade oriental de Portugal Continental e da Galiza, o resto de Espanha ibérica, a metade oriental da Irlanda, todo o Reino Unido, a França, a Bélgica, Luxemburgo e Holanda.

    No século XIX, sob a hora de Lisboa, o horário das repartições públicas era, de segunda a sábado (folga aos domingos e feriados...), das 9h00 às 12h00 e das 14h00 às 17h00. Ou seja trabalhavam 6 horas por dia com 2 horas para almoço, o que dava 36 horas por semana. Isso equivaleria, grosso modo, na actual hora de Inverno TMG, a trabalhar das 9h30 às 12h30 e das 14h30 às 17h30. Isto, apesar de naquele tempo não terem as comodidades e desenvolvimento tecnológico dos nossos dias...

    ResponderEliminar
  12. A Alemanha tem as costas largas em relação à "hora de Verão", injustamente. Quem inventou a "hora de Verão" ou "Daylight Saving Time" foram dois ingleses: George Hudson em 1895 e William Willett em 1907, e foi apoiada por Winston Churchill, por exemplo.

    A Alemanha só utilizou a "hora de Verão" durante a 1ª Guerra Mundial (entre 1916 e 1918) e durante a 2ª Guerra Mundial (entre 1940-1945 e depois até ao final de 1949). Até 1916 e de 1919 a 1939 e de 1950 a 1979, a Alemanha nunca teve "hora de Verão", usando apenas hora padrão (ou de Inverno) UTC+1 durante todo o ano.

    A partir de 1980, pressionada pela França (que desde 1940 abandonara a hora UTC que lhe competia, não retornando a ela em 1945, estupidamente optando pela hora UTC+1 no Inverno e UTC+2 no Verão), voltou a adoptar o regime bi-horário. De contrário, durante a Primavera-Verão, a Alemanha teria menos uma hora do que a França (situada a oeste!), o que causava transtorno nas comunicações e transportes: quando eram 12h00 UTC+2 em Paris eram 11h00 UTC+1 em Berlim... Ou seja, a Alemanha usou a "hora de Verão" em regime excepcional, como hora de guerra. Quem a adoptou com unhas e dentes, a despropósito em tempos de paz, foram os restantes países europeus e os EUA...

    ResponderEliminar

[pub]