2019/01/17

Fundador da Huawei refuta acusações de espionagem


A Huawei tem negado sistematicamente todas as acusações que a associam a acções de espionagem, mas este facto não tem impedido os EUA de manterem a sua investida contra a marca chinesa e tentarem influenciar outros países a distanciarem-se dos produtos da marca. Algo que foi suficiente para que o próprio fundador da marca, que se mantinha afastado das aparições públicas, ter vindo dar a cara e negar as acusações.

Numa entrevista, Ren Zhengfei referiu que o facto de apoiar o Partido Comunista Chinês não implica que a sua empresa efectue actos de espionagem para o seu governo.
“I love my country, I support the Communist Party. But I will not do anything to harm the world. I don’t see a close connection between my personal political beliefs and the businesses of Huawei.”

O fundador da Huawei fez questão de afirmar que jamais tomaria decisões que pudessem prejudicar outras nações, e que se recusaria a ceder informação classificada sobre qualquer um dos seus clientes, mesmo que o governo chinês pedisse isso à sua empresa.

Não se esperaria outro tipo de posição de uma marca que tem uma posição destacada a nível mundial. No entanto, há que ter em conta o facto de a National Intelligence Law aprovada em 2017 permitir às agências de segurança chinesas forçar cidadãos e empresas chinesas a "colaborar" com estas entidades - algo que de resto é replicado noutros países, como os EUA, relativamente às suas agências de segurança e empresas.

É uma situação cujas acusações técnicas são toldadas também por interesses políticos e jogos de influência entre os diversos países, pelo que não se antevê que haja uma solução rápida e clara. E mesmo que tal venha a acontecer, o intuito de lançar a suspeita já terá sido conseguido, com efeitos que perdurarão muito para além deste conflito.

8 comentários:

  1. Quais são os indícios que apontam para atos de "espionagem" por parte da Huawei?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os EUA é que têm estado na linha da frente das acusações, começando por dizer que tinham fornecido tecnologia ao Irão; mais recentemente com nova acusação de que terão roubado informação confidencial de empresas...

      Eliminar
    2. Penso que é tudo por causa do protecionismo à lá Trump...
      E os países mais carneirismos seguidores também seguiram essa política. Digo isto porque ainda não vimos provas das acusações... Vejam o nosso governo: tudo corre às mil maravilhas... O que umas viagens, pagas à China fazem...lol.

      Eliminar
  2. Essa também é a minha opinião, o Sr. Trump e a sua administração são o centro desta polémica, como descrito no artigo e bem as leis dos 2 países são idênticas, por isso a minha conclusão é que não gostam de beber do seu próprio veneno, embora reconheça que possa ser diferente as repercussões da espionagem nos 2 países, concluo no entanto que nenhum dos casos é benéfico para o comum dos cidadãos e como é evidente ambas as situações são altamente sensoraveis.

    ResponderEliminar
  3. Desde que não pensem que o problema é por causa dos smartphones da Huawei ...
    O problema, maior, é por a Huawei ser a empresa que domina ao nível das redes. E nas redes 5G, tal como estão as coisas andaria perto do domínio absoluto.

    Em caso de conflitos, militares, com a China - podem perfeitamente vir a acontecer, acham que o Governo e o Partido Comunista da China dizem à Huawei: "Vocês ficam fora do conflito, o inimigo tem todo o direito a ter as suas redes a funcionar"?

    Dizer que o problema é a Huawei faz espionagem é perfeitamente plausível e um caso recente na Polónia veio demonstra isso.

    "Ah, isso de americanos russos e chineses é tudo a mesma coisa, venha o diabo e escolha" - às vezes é mesmo preciso escolher. Os diabos não são todos iguais :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Qual caso na Polónia???
      E porquê não podemos também pensar que os outros fabricantes de equipamentos para redes não podem fazer o mesmo?
      Ainda me lembro do escândalo das escutas telefónicas dos líderes europeus e dos CEOs das grandes empresas europeias... E não foi a China....

      Eliminar
    2. https://www.reuters.com/article/us-huawei-poland-security/huawei-sacks-employee-arrested-in-poland-on-spying-charges-idUSKCN1P60E8

      Eliminar
  4. Quem teria sido o primeiro a "pecar"???

    https://artedeomissao.wordpress.com/2013/11/03/revelado-como-as-agencias-de-espionagem-dos-eua-e-reino-unido-derrotam-a-privacidade-e-seguranca-da-internet/

    ResponderEliminar

[pub]