2019/03/20

Google Stadia dispensa PCs e consolas para levar jogos a todos os ecrãs

A Google apresentou finalmente o seu serviço de streaming de jogos - o Stadia - que resulta dos ensinamentos do Project Stream.

Há anos que vários serviços têm tentado revolucionar o segmento dos jogos apostando na remoção do hardware do lado dos jogadores e transferindo-o para a cloud, com os jogos a serem enviados via streaming. Mas, passada uma década da apresentação do OnLive, a Google acredita que este é o momento certo para o fazer, com o seu Stadia.

A ideia é simples e ainda mais revolucionária do que era há dez anos atrás. Segundo a visão da Google, a ideia é podermos estar a ver um jogo no YouTube, e simplesmente começarmos a jogá-lo de forma imediata - sem as frustrações de descarregar dezenas de gigabytes para instalar um jogo, ou mais alguns gigabytes para a última actualização indispensável para se jogar, ou a necessidade de ter um GPU que custa tanto quanto um computador de gama média, ou sequer uma consola. Para este Stadia o objectivo é levar os jogos a qualquer ecrã que se tenha, e logo numa primeira fase isso representará o Chrome, Chromecasts, e Pixels.



A nível de qualidade, logo no lançamento a Google promete jogos com qualidade 4K HDR a 60fps em ligações de 25Mbps, mas já referindo que no futuro planeia ir até resoluções 8K e 120fps. Para isso, a Google recorreu à AMD para produzir um GPU feito por medida para os seus datacenters, capaz de atingir 10.7 teraflops - mais que os GPUs da PS4 Pro (4.2 teraflops) e Xbox One X (6 teraflops) combinados!

Outro aspecto curioso é que o controlador Stadia se liga directamente à cloud da Google e não ao dispositivo local que se estiver a utilizar (TV, PC, etc.) o que permitirá reduzir ainda mais a latência, que será o ponto crítico neste tipo de serviços.

Falta agora saber quando é que ficará disponível (a Google só diz que chega este ano) e, não menos importante, quanto é que irá custar.

Actualização:temos os preços.


7 comentários:

  1. Pergunto-me se para as próprias editoras isto não terá também vantagem? Se todos os jogos passarem a ser feitos de raiz para funcionarem neste tipo de plataformas e nem sequer correrem em consolas e PCs normais, vão finalmente cumprir o "sonho" de acabar com a pirataria, não? É inegável que é um serviço que terá vantagens, resta saber as ligações de internet existentes conseguem dar conta do recado. Por outro lado, preocupa-me a tendência de jogos, filmes, músicas e livros deixarem de ser realmente nossos, não os podemos vender, dar ou deixar como herança, quase tudo agora vem na forma de serviço de subscrição.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para não falar de algo bem mais provável, da Google simplesmente mudar de ideias daqui a um par de anos, e encerrar a coisa... :)

      Eliminar
    2. Carlos, tiraste-me as palavras da boca. Certamenente, daqui uns anitos iremos ler aqui no blog um título com algo do género: "Google decide pôr fim ao Stadia...".

      Eliminar
    3. Com efeito, entre as maiores tecnológicas, haverá neste momento empresa mais esquizofrénica do que a Google?

      Eliminar
  2. Uma coisa boa também é os developers, tal como nas consolas, só terem que ter a certeza que funciona para um hardware especifico. O que não acontece no mundo dos PCs. Se isto pegar, tanto googles como Xboxs, etc... e passarmos a ter várias subscrições, etc... o mundo do hardware para PCs vai cair bastante...

    ResponderEliminar
  3. Acho muito bem que tenham estas opções, pois não faz sentido ter de ter um smartphone topo de gama só para correr o fortnite, e por outro lado quem esteja mais ligado ao mundo open source, linux, etc sempre esteve em 2o plano no que diz respeito a jogos (até no mundo MAC se nota este problema), pois os jogos são quase sempre feitos e pensar em Consolas de Jogos ou Windows. Assim deixa de haver a necessidade de uma máquina Windows só para poder correr jogos.
    Se o serviço estiver a render não devem acabar com ele. Eles para fazerem o investimento que estão a fazer (hardware especifico, etc) devem ter estudos de mercado e avaliação do potencial, não deve ser para abandonar.

    ResponderEliminar
  4. Seria algo a ponderar usar mas, tenho dúvidas, como já referiram hoje em dia o que vem da Google pode vir com curto prazo de validade, as ligações à net já andam congestionadas principalmente pelos serviços de TV e ainda a adesão das produtoras porque irá tirar clientes das consolas.

    ResponderEliminar

[pub]