2019/04/11

Apps antigas dominam top da App Store


O fenómeno das apps, que noutros tempos fez muitas pessoas pensarem que seria o caminho para o sucesso fácil e imediato, deu agora lugar a um panorama bem diferente, dominado por um conjunto de apps antigas com as quais é difícil competir.

Uma interessante análise às apps que dominam as tabelas da App Store revela que as 30 apps mais populares têm, em média, mais de 5 anos de idade - valor que contrasta com o panorama que se tinha em 2014, em que essas mesmas tabelas eram dominadas por apps com menos de 2 anos de idade.

Embora existam as devidas excepções, como os fenómenos de jogos estilo "Fortnite" que vão surgindo a cada poucos anos, a verdade é que o grupo de apps que se instalam assim que se tira um novo smartphone da caixa pouco tem variado ao longo dos anos: WhatsApp, Facebook, Messenger, Instagram, Google Maps, YouTube, Gmail, Netflix, Spotify... Apps que se podem considerar como "membros da família", mas que tal como estes, também vão celebrando os seus aniversários e a acusar a sua idade.


A idade média das apps no topo das tabelas tem vindo a aumentar ao longo dos anos, significando que os utilizadores optam por se manter nas apps "mais maduras" - com a única excepção a acontecer no segmento dos jogos, onde ainda se vai mantendo uma maior rotatividade com novos jogos que substituem os sucessos passados, e onde se torna difícil manter o interesse num jogo por mais de 2 anos.

O que isto quer dizer é que, a esperança de lançar uma app que possa ascender ao topo das tabelas é agora mais difícil que nunca, o que complica a vida a qualquer startup desejosa de se fazer notar. Não só tem que competir com todas as startups que procuram fazer o mesmo, como tem que conseguir ultrapassar este pelotão de apps veteranas que se vai mantendo no topo das tabelas. E se a isto adicionarmos a elevada probabilidade de uma app que se consiga intrometer nestes lugares cimeiros rapidamente ser comprada por um dos gigantes... parece ficar afastada a ideia de que possam surgir grandes revoluções neste sector para os próximos anos.

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]