2019/05/21

Coreia do Sul vai mudar de Windows para Linux


Em plena guerra comercial dos EUA com a China, chega também a indicação de que a Coreia do Sul vai aproveitar o fim do suporte para o Windows 7 para migrar o seu parque informático para Linux.

Ao longo dos anos temos visto vários países vacilarem entre escolher o sistema operativo da Microsoft, que se tornou no "standard" para os PCs, e o Linux. Alguns países têm mudado de Windows para Linux, outros já mudaram do Linux para o Windows - muitas vezes por culpa da resistência dos utilizadores à mudança. Actualmente, com a maioria dos serviços a migrarem para o acesso via browser, torna-se cada vez menos importante qual o sistema base... desde que se tenha um browser capaz de fazer o que se deseja.

O Windows 7 chegará ao fim do suporte em Janeiro de 2020, e a Coreia do Sul vai aproveitar esse momento para se despedir do Windows e mudar para Linux - num investimento de cerca de 590 milhões de euros (que assim poderá ir quase integralmente para novos computadores, em vez de contar com muitos milhões para pagar por um Windows mais actualizado).

Seguramente que a actual guerra entre EUA e China, que está a impedir que empresas chinesas tenham acesso a tecnologia norte-americana também irá ter o seu peso nesta decisão. Pois graças a estes acontecimentos, tornar-se cada menos atractivo / recomendável depender dos EUA seja para o que for. Afinal, as mesmas preocupações que os EUA levantam sobre a Huawei, de que não terem ter o seu equipamento de rede por poderem estar a ser espiados, se podem aplicar em sentido inverso a qualquer país que esteja a utilizar em todos os seus computadores um sistema operativo vindo dos EUA.

Se estivéssemos a lidar com pessoas racionais, saberiam que a questão da segurança não está dependente do país de origem dos produtos, mas sim de ter sistemas de controlo que garantam que os produtos estão a fazer apenas aquilo que é suposto fazerem. Mas infelizmente os EUA parecem querer desviar as atenções disso e pintar um alvo num único país, talvez precisamente para distrair as atenções de si próprio.

6 comentários:

  1. Boa decisão, de facto a dependência de produtos proprietários como os sistemas operativos é um risco enorme, há anos que escrevo isto, infelizmente agora estamos perante factos extremamente preocupantes para todo o Mundo, vamos ver se é desta que os governos acordam e passam a usar sistemas operativos open source, um sistema proprietário como o da Microsoft pode sempre ser usado como arma pelo país que o controla e isso agora é muito evidente.

    ResponderEliminar
  2. Tenho muita pena que a Europa (e o mundo) esteja tão dependente de software norte americano, deixa-nos bastante vulneráveis. Em tempos a Nokia ainda jogava cartas nos SO para mobile, mas agora já nem isso. Eu, utilizador assíduo de Linux, sinto que este sistema operativo cada vez mais se enquadra mais na realidade actual. Mas não sou fundamentalista e ficaria muito feliz por ver novos SO's desenvolvidos na Europa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão já vai para além do sistema operativo - que me parece que, hoje em dia, seria "o mais simples". Como referi, basta ter um browser. A questão é que ter o browser implica que também não se fique dependente dos serviços na web que se utilizam... e que actualmente são essencialmente e maioritariamente todos dos EUA: Google, Amazon, Facebook, YouTube, Netflix, etc. etc.

      Com esta "brincadeira", o nosso caro amigo Trump está a dar um grande tiro no pé, que poderá ter repercussões bem complicadas para os EUA a longo prazo. Perdendo-se a confiança e credibilidade nas empresas dos EUA por causa de birras como esta, cada país vai começar a ter muito mais cuidado nas suas opções daqui em diante. (Digo eu)

      Eliminar
    2. Espero Carlos que tenhas razão, porque esta dependência que temos em termos tecnológicos dos USA é alarmante, só não vê quem não quer, a falta de incentivo europeu há criação de empresas com cariz tecnológico tem os resultados que agora estamos a assistir, estamos completamente na mão com o hardware made in China e software made in USA.
      Tudo o que aparenta ser o futuro desta sociedade está na mão destes 2 , aonde é que nos encaixamos?!.... Abram os olhos governantes.

      Eliminar
  3. Muito interessante. Espero que venhamos a ter seguimentos deste assunto.
    Isto interessa-me e muito.

    ResponderEliminar
  4. O que é preciso fazer é que as pessoas começem a usar o Linux sem medo e façam um esforço por estarem diferentes do rebanho durante uns tempos, quantos mais usarem, mais rápidamente se ultrapassam problemas que afetam apenas 1% e ninguem quer saber. Infelizmente o Linux é que tem-se adaptado para satizfazer as pessoas que sempre fizeram as coisas da mesma maneira, mas quando existir massa critica, quem vai ter se se adaptar vão ser os sistemas proprietarios.

    ResponderEliminar

[pub]