2019/05/21

Huawei - será a altura para recorrer ao plano B?


O bloqueio de relações dos EUA com a Huawei está a gerar grande instabilidade no mundo tecnológico, mas a empresa chinesa tem estado a preparar-se para essa eventualidade, restando saber se irá mesmo recorrer ao seu plano alternativo: a utilização do seu próprio sistema operativo em vez do Android.

O diferendo entre a administração americana e o governo chinês há muito que se vem a arrastar no tempo. A mais recente decisão de Trump acabou por precipitar os acontecimentos, levando um importante conjunto de empresas americanas a suspender os seus negócios com as entidades que façam parte da lista negra definida pelo governo americano - que no caso da Huawei significa perder o acesso ao Android e serviços da Google (mesmo se por agora se conseguiu um adiamento temporário de 90 dias).

A Google é um dos nomes envolvidos nesta trama que tem como pano de fundo as suspeitas de espionagem sobre a empresa chinesa. Ao seguir o bloqueio imposto pelo governo, a Google fecha a porta à Huawei, ficando a marca chinesa limitada à área open-source do Android.

O facto de esta situação já se vir a arrastar há algum tempo, levou a que a Huawei se preparasse para este cenário indesejado, onde ficasse impossibilitada de utilizar o Android na sua plenitude. Foram frequentes as abordagens a este tema, mas a Huawei fez sempre questão de reafirmar a sua aposta na cooperação com a Google, algo que de resto era bem patente a cada apresentação de um novo smartphone.

O plano B sempre existiu!

A existência de um plano B faria todo o sentido em face da aposta que a Huawei tem vindo a fazer no segmento mobile. Uma marca que ocupa actualmente o segundo lugar neste mercado não poderia deixar esta questão ao acaso, sabendo-se que esse aspecto crítico poderia deitar por terra todo o investimento que tem vindo a ser efectuado.

O Android foi sempre a opção número um mas, recentemente, o CEO do Consumer BG da Huawei, Richard Yum confirmou a existência de um plano B, caso a marca chinesa ficasse impedida de utilizar este sistema operativo.

Não se sabem detalhes sobre este plano B que assentaria num sistema operativo da própria Huawei, eventualmente tendo por base o Android open-source mas recaindo (ainda mais) sobre serviços da própria Huawei em vez dos da Google. Algo que não seria demasiado complicado nem moroso de fazer, e permitiria manter a importante compatibilidade com as apps no mercado. Algo idêntico ao que a Amazon fez para os seus tablets. E que teria como efeito a curto prazo o afastamento ainda maior do Android ocidental do território chinês, onde muitos dos serviços da Google já estão bloqueados de qualquer forma.

O exemplo da ZTE, ou não...

Esta alternativa poderá no entanto nunca se vir a verificar, pois é de crer que o governo chinês se prepare para mover as suas peças, respondendo à decisão do governo americano. O recente caso da ZTE (também impedida de usar o Android) é disso exemplo, com a marca a ter passado, num par de dias, de um eventual encerramento total para um plano de reestruturação.

É certo que os negócios da Huawei não se limitam aos smartphones, indo muito para além dos mesmos - mais concretamente o importante equipamento da infraestrutura para as novas redes 5G - sempre precisamente esta uma das razões para todo este enredo político. Se de um lado está a questão tecnológica, no outro prato da balança entra a questão financeira, com o peso da dívida dos dois países a poder dar origem a um volte face radical.

Há por isso que aguardar os próximos movimentos neste jogo de xadrez político, sendo que toda esta incerteza em nada beneficia o Android em particular e os consumidores em geral.

4 comentários:

  1. Se a longo prazo será bom para a Huawei não sei mas, de certeza que não é bom para a Google e para o Android pois perdem um dos melhores clientes.
    Será o princípio do fim do Android?!

    ResponderEliminar
  2. O princípio do fim não digo, mas vai certamente aparecer um sistema operativo concorrente, que seja preferencialmente open source na íntegra, claro que a dependência dos europeus às aplicações da Google é um problema que não é facilmente ultrapassado ( mapas, YouTube, gmail entre outras, talvez a mais difícil seja mesmo o Google Maps).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma muito boa oportunidade para a Europa acordar, de uma vez por todos e deixar-se de subserviências, mas será mais uma oportunidade perdida...

      Eliminar
    2. A Europa tem, por exemplo, o seu próprio sistema de satélites, o que permite que, caso os USA decidam "desligar" o sinal de GPS, continuemos a utilizar a localização.
      Em relação ao Google Maps, também existem alternativas open source, que tal como com outras tecnologias poderiam usufruir de algum investimento no caso de algo acontecer.
      E se a Europa se aproveitar um pouco do que está a acontecer???

      Eliminar

[pub]