2019/10/22

5G da Verizon nem sequer cobre um campo de basketball


Nos EUA a guerra dos operadores de telecomunicação parece ter sido completamente dominada pelo marketing, e agora chegam ao ponto de anunciar uma ridícula cobertura em arenas de basket como se fosse uma grande vitória.

Depois da AT&T ter iniciado as hostilidades optando por chamar 5G ao seu 4G (que ainda por cima era mais lento que o 4G dos seus concorrentes), temos agora a Verizon a anunciar a cobertura 5G em várias arenas de basketball. O pequeno problema, é que mesmo tratando-se de um espaço confinado, essa pseudo-cobertura nem sequer garante que o 5G chegue a todos os espectadores, dizendo que irá apenas chegar a "algumas partes"!

Embora já tivessem surgido críticas idênticas em relação a estados de futebol (americano), estas arenas de basketball têm dimensões e lotação bastante menor - pelo que, se um operador apresenta a cobertura destas arenas como sendo uma grande vitória, e depois vem a revelar que afinal a cobertura é parcial, serve como um mau prenúncio para o futuro do 5G. (Se é assim tão difícil fazer chegar o 5G numa área tão limitada e controlada, facilmente se pode imaginar o caos que será trazê-la para o "mundo exterior".

... Esperemos que possa servir de exemplo para o que os nossos operadores em Portugal não devam fazer!

3 comentários:

  1. "... Esperemos que possa servir de exemplo para o que os nossos operadores em Portugal não devam fazer!"
    sabemos bem que isso nao vai acontecer hahahahaha

    ResponderEliminar
  2. O 5G é como o 4G e o 3G... muita tanga!
    Na verdade quanto mais avança a tecnologia pior fica para o cliente final, porque cada vez é mais complexo e exigente e fica cada vez mais difícil reunir as condições necessárias para beneficiar da tecnologia.
    Por exemplo o 5G vai utilizar frequências muito altas... para além dos potenciais problemas para a saúde, ainda temos o problema de os alcances serem menores e qualquer coisa no caminho corta logo imenso o sinal (uma árvore, uma parede, ....). Nas frequências mais baixas mantêm-se o problema das velocidades serem mais reduzidas por falta de largura de espectro... quer dizer ele existe, mas como tem de ser muito partilhado então não há milagres.
    No fundo o 5G é só muito marketing, para a malta no geral não se vai traduzir em vantagens concretas a não ser que os operadores ofereçam coisas melhores que não ofereciam antes só porque não queriam.
    Em termos de privacidade e segurança continua a mesma porcaria, sem falar que continua a ser possível baixar o protocolo sempre para um ainda pior.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde, não estou de acordo com o que disse, o 5 G não é marketing, com o 5 G a latência é tão pequena que vai de facto permitir uma integração quase total de muitos equipamentos, o que esta nova técnica nos trás é na verdade um salto tecnológico que é preciso ser dado, tarefas que sejam necessárias latências muito baixas como comandos há distância, operações realizadas com médicos a milhares de kms de distância etc, precisam desta tecnologia e de outras que virão com melhoramentos, agora a questão do alcance ser curto é um facto e vai obrigar há disponibilidade de uma rede de antenas com uma malha mais densa que a 4 G , para quem fala com nostalgia de tecnologias passadas deveria ainda usar a velocidade GPRS e conseguir lidar com a informação contida nas páginas de hoje da internet, não gosto quando se é revivalista sem qualquer fundamento é dizer mal por dizer, por último as frequências altíssimas que refere ainda não foi provado que estas causem danos na nossa saúde, só para dar um exemplo eu cresci a ouvir que as frequências dos telemóveis primeiro, depois os smartphones causavam cancro, enfim não digo que estas frequências sejam saudáveis, mas não existe nenhum estudo no mundo sério que faça a correlação, o 5 G não vai ser diferente existem sempre os profetas da desgraça.

      Eliminar

[pub]