2019/10/02

Análise Roomba i7+ com base de despejo automático


A iRobot tem um Roomba mesmo à medida de quem não se quer dar ao trabalho de despejar o depósito dos seus populares aspiradores robot: o novo modelo i7+ que vem com uma base de despejo automático.

O Roomba i7+



Os Roomba praticamente dispensam apresentação nos dias de hoje. Mesmo com o mercado saturado de propostas de aspiradores robot de marcas concorrentes, os "Roomba" continuam a ser os modelos que imediatamente são referenciados quando se fala deste tipo de produtos. No caso deste i7+, trata-se do seu modelo topo de gama, que junta toda a evolução feita ao longo de anos, e que também dá resposta ao "cúmulo do comodismo"  de nem sequer se ter que esvaziar o depósito do robot.

Aliás, esse será precisamente um dos pensamentos da maioria dos utilizadores deste aspiradores robots. Depois da fase do encanto inicial, chega a fase do realismo de que, por muito práticos que sejam para nos ajudar a manter o chão de casa limpo (especialmente para quem tiver animais de estimação que larguem pelo pela casa), a "chatice" que nos poupou ao limpar a casa transfere-se para a "chatice" de ter que ocasionalmente despejar o seu pequeno depósito de lixo (em muito menor grau, é certo).

Foi para essas pessoas, que não se importem de pagar mais uma centenas de euros por esse comodismo acrescido, que a iRobot criou o Roomba i7+.



O Roomba i7 é o mais avançado Roomba até à data, e o "+" significa que vem equipado com a base que não só recarrega o robot como também é capaz de aspirar o seu depósito automaticamente para um saco de lixo, e que permite acumular cerca de 30 depósitos cheios do Roomba. Ou seja, se habitualmente encherem um Roomba ao longo de uma semana ou 15 dias, com este depósito poderão "esquecer-se" dele durante 6 meses ou até 1 ano!

Além disso, conta ainda com coisas como:
  • Imprint Smart Mapping: cria o mapa do local para optimizar o processo de limpeza (e permitir limpar apenas divisões específicas)
  • Controlo por voz via Alexa ou Google Assistant
  • Navegação iAdapt 3.0 com vSLAM
  • Sistema de limpeza evoluído: com rolos de borracha e poder de aspiração 10x superior aos de modelos anteriores
  • Detecção de zonas sujas: permitindo fazer limpeza mais intensiva nas zonas que mais necessitarem


Em funcionamento



Depois do processo inicial de emparelhamento com a app, passamos a poder controlar as operações do Roomba a partir do smartphone, e desde logo ficar apto para começar a limpeza. A funcionalidade de mapeamento irá criando o mapa de nossa casa ao longo das várias sessões de limpeza, mas pode ser acelerada se optarmos pelo processo de mapeamento puro, em que dizemos ao Roomba para simplesmente passear pela casa sem aspirar. Ainda assim, poderá ser necessário repetir o passeio por duas ou três vezes, para que o mapa fique completo (acomodando alterações como cadeiras fora do sítio, portas que poderiam estar fechadas e impedir acesso a divisões, etc.)


O passo seguinte consiste em dar o nome a cada uma das divisões, de modo a se poder distinguir a "sala", do "quarto" e "cozinha". Este é um processo que apenas será feito uma única vez; e não está esquecida a possibilidade de se ter uma casa com vários andares (ou partilhar o Roomba entre várias casas - se for caso disso). De resto, o sistema resume-se a mandar o robot iniciar o ciclo de limpeza, de toda a casa ou de uma só divisão, ou idealmente, agendar o seu funcionamento para que nem haja essa preocupação.

O sistema de despejo automático


Contrariamente ao que se poderia pensar, o sistema de despejo automático do lixo na base não é tão complexo quanto se poderia imaginar. Na verdade, é extremamente simples. A base tem um aspirador adicional e um ducto que vai até à parte inferior do Roomba, que coincide com uma pequena patilha de borracha no seu depósito.


Quando o Roomba regressa à base, a base faz um ciclo de aspiração que puxa o lixo do depósito do Roomba para o saco de lixo na própria base (um processo rápido mas com nível de ruído considerável). E já está. Tudo o que se tem fazer (quando eventualmente o saco ficar cheio), é pegar no saco, colocá-lo no lixo, e instalar um novo saco na base.


Apreciação final



Para quem tinha um Roomba dos antigos, como eu, é bastante satisfatório ver que este novo i7+ é bastante mais inteligente em termos de optimizar a limpeza de uma divisão. Em vez de se ter um Roomba a zigzaguear por todo o lado, correndo o risco de potencialmente deixar algumas pequenas partes sem limpar (a lei de Murphy não falha), o Roomba i7 planeia a melhor rota a seguir e garante que não há milímetro que fique por limpar... a não ser que assim se deseje: o conjunto inclui um "farol" que permite criar uma zona de interdição, tanto por área como para impedir o acesso a uma divisão.

Um extra que agora deixará de ser necessário, já que com a última actualização é possível marcar zonas interditas no próprio mapa. Evitando a necessidade de arranjar métodos alternativos para evitar que o Roomba lá fosse. (Por exemplo, zonas com bebedouros ou comedouros para animais, que se arriscariam a ser "espalhados" pelo Roomba!)


A nível da navegação deparei-me com algumas situações estranhas, mas só derivadas de o tentar baralhar (como pegar nele, durante o funcionamento, e colocá-lo noutra divisão). Nalguns casos ele conseguia identificar correctamente onde estava, sem qualquer problema; mas ocasionalmente, ficava baralhado. Um dos casos mais estranhos fez com que, mesmo estando à frente da base de carregamento, não conseguisse acertar com ela - mas, é também verdade que a tinha encostada a um móvel que poderia estar a causar reflexos e interferir com o posicionamento, em vez de manter uma distância livre maior em redor da base, como é recomendado.

Dito isto, sem dúvida que é uma grande evolução face aos Roomba "burros", e com a componente adicional de nem sequer precisarmos preocupar-nos com o despejar do depósito dele, que passa a ser coisa que se pode fazer apenas "de ano a ano". O grande senão, é o preço que se tem que estar disposto a pagar por isso, já que este Roomba i7+ tem um preço de mais de 900 euros.



Roomba i7+
Quente

Prós
  • Eficácia de limpeza
  • Base com despejo automático do lixo
  • Mapeamento da casa com limpeza por divisões


Contras
  • Preço
  • Nível de ruído ao "despejar" o depósito na base




Roomba i7+

Quente (4/5)

4 comentários:

  1. "poder de aspiração 10x superior aos de modelos anteriores"
    Não haverá aqui uma gralha?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É a iRobot que o diz, 10x mais poder que o dos Roomba 600.

      "Our best robot vacuum for pets – picks up more pet hair than other robot vacuums* using 10X more suction**.

      *Based on proposed IEC fiber pick-up test against Shark R850, ECOVACS, iLife, and Neato

      ** Compared to the Roomba® 600 AeroVac™ System"

      Eliminar
  2. Quanto aos sacos que se usam na base... preços etc (suponho que não hajam "genéricos")?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, também foi uma preocupação inicial minha. Idealmente, teria preferido que fosse apenas um reservatório tipo "balde" que se despejasse e lavasse, evitando o "desperdício" do saco - mas depois fiquei um pouco mais descansado ao ver que, para o meu caso, um saco daria garantidamente para mais de 1 ano de utilização.

      Na Amazon aparecem a €19 por 3 sacos.

      Mas já passei no YT por vídeos de pessoal a reutilizá-los (tiram o lixo do interior e voltam a usar).

      Eliminar

[pub]