2019/10/16

Fossil e a aposta nos smartwatches Wear OS


O sector dos smartwatches Wear OS parece estar a ser descurado pela Google, mas se de um lado temos empresas a abandonarem a plataforma, temos outras que têm reforçado a sua aposta no Wear OS, como é o caso da Fossil.

Tivemos oportunidade de falar brevemente com Antonio Nigro, porta-voz da Fossil, para saber um pouco mais da sua posição face ao Wear OS.

(A entrevista foi feita em inglês, pelo que a transcrição que se segue tentará manter-se o mais fiel possível ao que foi dito, com as devidas edições para efeitos de tradução, brevidade e compreensão).

1. A plataforma Wear OS tem sido "abandonada" por vários grandes fabricantes. Como é que a Fossil descreve a sua relação com esta plataforma?

A nossa missão é criar produtos que satisfaçam as expectativas dos nossos clientes. A plataforma Wear OS dá-nos a capacidade de responder a essas exigências. Para nós o Wear OS representa um mundo de oportunidades. A nossa equipa trabalha diariamente com a equipa da Google, e o resultado desses esforços tem sido mutuamente benéfico. Temos estado muito satisfeitos com a evolução do Wear OS, dá-nos a flexibilidade que precisamos para criar os nossos produtos com características diferenciadoras, como os diferentes modos de bateria, ou com chamadas para os utilizadores com iPhones.

2. A Fossil tem feito grandes investimentos nos smartwatches ao longo dos últimos anos. Quando poderemos começar a ver os resultados desses investimentos?

Esses resultados já estão a chegar ao mercado. A mais recente geração de smartphones vem equipada com um novo altofalante e novos modos de funcionamento para autonomia mais prolongada. Somos também a primeira empresa a permitir chamadas em iPhones num smartwatch Wear OS, com recurso a uma app desenvolvida por nós. O Grupo Fossil mantém uma curiosidade permanente que contribui para um espírito de procura de inovação e novas oportunidades para tornar os wearables cada vez melhores.

3. Sabendo que a opinião dos clientes é fundamental. Quais são as principais opiniões que vos chega relativamente aos vossos smartwatches?

Sendo uma empresa cujas origem estão directamente ligadas ao mundo da moda, sabemos que um produto necessita de combinar as componentes de funcionalidade e também de design - na verdadeira acepção do mote "tecnologia com estilo". Acreditamos que a nossa aposta está a resultar, pois temos tido uma excelente recepção aos nossos novos wearables. E obviamente, esse é um trabalho que monitorizamos de forma contínua, para nos podermos adaptar e fornecer os produtos que o mercado estiver a pedir.

4. A questão da autonomia continua a ser um dos aspectos mais críticos nos wearables. O que está a Fossil a fazer no sentido de "resolver" esse problema?

Sem dúvida que a autonomia é um dos elementos mais importantes nestes dispositivos. Foi por isso que na nova geração dos novos smartwatches adicionamos a capacidade de, com um simples gesto de deslizar, se ter acesso a quatro modos de funcionamento com consumos de bateria bem diferentes, para que cada utilizador possa escolher o mais adequado para si a cada momento:
  • "Daily Mode" - permite ter a maioria das funcionalidades activas, incluindo o ecrã always-on
  • "Extended Mode" -  liga apenas as funcionalidades essenciais para autonomia prolongada
  • "Custom Mode" - permite que sejam os utilizadores a decidir o que querem ter ligado ou desligado"
  • "Time-Only Mode" - permite ganhar horas de vida quando se chega a um nível de bateria reduzido, ou se estiverem numa situação em que apenas queiram um relógio que mostre as horas.

Estes modos estão acessíveis facilmente, com um gesto de deslizar de cima para baixo no home screen do relógio, e com um toque no icon da bateria.

5. Sabendo-se que este é um sector em constante evolução, que tipo de smartwatches / wearables poderesmos esperar daqui por cinco anos? Está a Fossil a trabalhar em modelos mais finos, com ecrãs flexíveis, ou outras novidades que ainda não se tenha ouvido falar?

Obviamente que estamos sempre a trabalhar em modelos para o futuro. Para isso também conta imensamente o feedback que é dado pelos clientes, assim como os desenvolvimentos de hardware que vão sendo feito em diferentes sectores da indústria. Daqui por cinco anos seguramente que poderão contar com novos smartwatches Fossil com muitas novidades; mas por agora é algo que teremos que manter em segredo.

- Fim de entrevista -

É compreensível... como se costuma dizer: o segredo é a alma do negócio, e ninguém quererá dar dicas à concorrência sobre as coisas em que está a trabalhar. :)

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]