2020/01/07

Fechadura inteligente Alfred ML2 usa energia wireless Wi-Charge


Com a nova Alfred ML2 com Wi-Charge, as fechaduras electrónicas poderão dispensar cabos e baterias, recorrendo a energia wireless de longa distância para funcionar.

Até ao momento a utilização de uma fechadura electrónica tem sido sinónimo de estar dependente do carregamento regular das suas baterias, ou da necessidade de lhe fazer chegar um cabo com instalação potencialmente complicada. Mas para a nova Alfred ML2 isso poderá tornar-se numa coisa do passado.

A Alfred ML2 é uma fechadura electrónica que pode ser alimentada de forma remota pelo sistema da Wi-Charge. Não é a primeira vez que a Wi-Charge mostra exemplos de utilização da sua tecnologia com fechaduras (na verdade já o tinha feito no MWC 2018 e 2019 com outra marca), prometendo a capacidade de fazer chegar vários watts a "longa distância" - sem no entanto referir exactamente que distância, nem qual o grau de eficiência da transmissão de energia.

Seja como for, considerando o custo de $699 desta fechadura, ao qual se terá que somar mais $180 pelo carregador da Wi-Charge, parece-me que ainda se passarão mais alguns anos até que a electricidade wireless se comece a tornar atractiva para o público. (E espero que não se esqueçam de considerar a possibilidade de um vizinho eventualmente poder começar a carregar aparelhos usando um carregador wireless alheio na sala ao lado...)

2 comentários:

  1. Olá a todos.
    Solução bem mais interessante be apresentada na CES de 2020 :

    https://www.kwikset.com/products/detail/halo-touchscreen-wi-fi-enabled-smart-lock

    ResponderEliminar
  2. Fico um pouco preocupado com este conceito de transmissão de energia a um nível tal que consegue carregar equipamentos a relativas elevadas distâncias, até que ponto não está também a prejudicar o corpo humano?
    Quanto ao "Halo Touchscreen Wi-Fi Enabled Smart Lock" tem vários problemas: o posicionamento do código deveria ser variável para alguém a observar à distância/ fora de um certo ângulo apertado não conseguir determinar qual é o código pela posição do dedo no teclado; não deveria poder ser aberta com chave (este tipo de aparelhos costuma trazer péssimas fechaduras que a malta pode abrir literalmente em menos de um minuto, ex.: https://youtu.be/XqsAFdFsQmQ?t=88 ); por último o Wi-Fi, têm sido descobertos problemas com as especificações e com implementações de Wi-Fi em dispositivos pelo que é um pouco preocupante a possibilidade de estar mal implementado, já para não falar que se tiver integrado com os assistentes virtuais existem ainda mais maneiras de ultrapassar a segurança da porta, e se tiver no smartphone é mais um ponto de ataque possível.
    Na prática só está a aumentar os pontos de ataque e por tanto a enfraquecer a segurança real, dito isto poderá ser muito mais conveniente e se tiver contente com a falsa segurança que proporciona é uma opção.

    ResponderEliminar

[pub]