2020/04/10

Tele-escola em Portugal com regras pouco recomendáveis


Professores, alunos, e pais, vão-se adaptando à nova realidade do encerramento das escolas por tempo prolongado devido ao coronavirus, mas em resposta a isso têm surgido algumas regras que não irão agradar a todos.

Não sei se neste momento já existirá um conjunto de regras definido a nível nacional para todas as escolas, mas parece-me que as coisas continuam a ficar um pouco ao critério de cada escola. E nalguns casos as opções são manifestamente infelizes.

Veja-se por exemplo o caso que se segue, onde são pedidas três coisas que deverão estar implementadas até ao dia 13 de Abril:
  1. A criação de um email no gmail, seguindo uma ridícula regra para a criação do mesmo;
  2. Instalação da plataforma Zoom;
  3. Ter um local calmo e sem distracções onde a criança assistirá às aulas via videoconferência, com o material necessário.


O email do Gmail


Comecemos pelo primeiro ponto. É completamente ridículo e absurdo que uma escola determine qual o serviço de email que o aluno deva utilizar. Porque motivo não poderá utilizar um email do Sapo, Outlook, ProtonMail, ou de qualquer outro serviço à sua escolha? Tanto se fala de que a Google sabe demasiado sobre nós, e temos uma escola a exigir desde logo que os alunos usem um email do Gmail? Ainda mais quanto é dito que será apenas usado para comunicar, marcar aulas, e enviar e receber trabalhos, nada que não pudesse ser feito com qualquer outro email (como aceder a serviços específicos da Google).

As regras para a criação do dito email são também obtusas, impedindo que os alunos utilizem emails que eventualmente já possam ter. Em vez disso, pedem um novo email que siga a seguinte nomenclatura: turma, primeiro e último nome do aluno, nome do encarregado de educação. Um email que desde logo se torna num atentado à privacidade, expondo dados pessoais; e que automaticamente se torna inútil assim que o aluno mudar de turma. Se o Gmail permitisse a criação dos "aliases" como o Outolook, ainda seria o menos, mas assim, é mesmo só para chatear.

Nota: Há ainda o ponto adicional de, para criar contas para menores de 13 anos será preciso usar o Family Link com a conta supervisionada, e que no caso dos pais já terem criado um email para os filhos nesse sistema não conseguirão criar uma conta adicional.


O Zoom



De seguida temos o famigerado Zoom que tem sido equiparado a malware, que a própria Google proíbe de instalar, e que tem também sido proibido por diversos agrupamentos escolares nos EUA. É que nem sequer é recomendado que se utilize o serviço através do browser para minimizar as vulnerabilidades que o programa traz. Não deixa de ser uma escolha bastante infeliz, e que neste momento não me daria qualquer confiança para instalar num computador meu.

O local e equipamento


Fico também surpreendido com a facilidade com que se assume que todos os lares estarão preparados para acomodar isto num prazo de poucos dias. Sim, haverá muitos casos em que as crianças têm sítios adequados para estudar, e todo o material (a começar pelo computador que se torna indispensável). Mas haverá também muitos outros onde a criança estuda na mesa da sala, usando o portátil dos pais; que potencialmente nesta altura poderão estar também na situação de terem que trabalhar a partir de casa, e também a necessitar da mesa e do seu computador.

É certo que podemos encontrar portáteis por menos de 200 euros, mas mesmo assim nem todos poderão estar a gastar centenas de euros num portátil nesta altura (especialmente nos casos de pais que devido a esta situação poderão ter ficado sem trabalho), ou a encontrar os melhores negócios num prazo de dois ou três dias.


Sem dúvida que será necessário um esforço de todas as partes envolvidas e um processo de aprendizagem sobre a melhor forma de fazer funcionar as aulas à distância. Mas, se estas regras se vierem a tornar na base de trabalho para as escolas em Portugal, parece-me que se começa bastante mal.

16 comentários:

  1. Aqui em casa dois professores com um filhote nu sexto ano. Um portátil e um fixo sem câmara nem microfone. Vamos ver como vamos conseguir ter jogo de cintura para este sistema.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um conselho. Utilize a câmara do telemóvel ligado ao PC e já está o problema resolvido.

      Eliminar
  2. Acredito que haja casos de escolas assim, mas não acredito que seja a maioria. Do que tenho sentido, grande parte das escolas estão a conseguir organizar-se. Existem algumas directrizes do ministério nesse intuito, mas oferecem alguma autonomia às escolas para se organizarem - o que é importante! Porque assim como os alunos, nem todas as escolas têm os mesmos recursos! Por aqui, as contas de acesso às plataformas foram criadas internamente pela própria escola - utilizando o Office365 Educação (outras utilizam o Gsuite Education que é a concorrente da google). Deste modo, todos os alunos e professores foram integrados automaticamente num plataforma criada especialmente para o efeito, sem precisar de criar contas de E-Mail. Nada de Zooms nem afins. (no início ainda usamos, mas entretanto houve tempo para nos organizarmos). Tanto o Office365 como o Gsuite são gratuitas para escolas, por isso é não faz sentido estar a pedir aos alunos para criar E-Mails. E se a verdade é que nada é completamente seguro, duvido que encontre melhor suporte do que estas duas opções. Quanto ao local de trabalho em casa... isso não dá para resolver, porque cada caso é um caso. É injusto, é verdade, mas estas plataformas que disse são multi-sistema, pelo que podem ser utilizadas em pc, tablet ou telemóvel o que incrementa um pouco as possibilidades de acesso. Não é perfeito, mas num mundo perfeito não havia Covid-19

    ResponderEliminar
  3. Simplesmente ridiculo e gostava de saber se o estado também ficará responsável por todos os riscos de hacking e exploração ilícita inerentes a estas recomendações!!! Principalmente quando existem alternativas gratuítas de empresas bem mais credíveis no mercado..
    Indo ainda mais longe, se quase toooodas as empresas (+70%) utilizam hoje em dia outras ferramentas para a sua produtividade, porque raio é que andamos em Portugal a ensinar às nossas crianças a utilizarem ferramentas que nenhuma empresa utiliza devido aos enormes riscos de segurança???

    ResponderEliminar
  4. Diria, que a obrigatoriedade de criar email no gmail seja para utilizar o google classroom. De outra forma não entendo.

    ResponderEliminar
  5. Pois, cá em casa, o agrupamento não informou que ferramentas pretende usar, pediu a conta google e envia uma declaração de autorização em "branco", sem qualquer identificação de plataforma ou ferramenta...após contestação, informaram que enviam os trabalhos via CTT. Eu quero ser compreensiva mas francamente....desta forma não.

    "(...) autorizo a participação do meu educando nas atividades letivas à distância através das plataformas digitais de som e imagem e de troca de conteúdos e trabalhos das disciplinas utilizadas pelos professores do AE XXXXXXXXX, possibilitando deste modo a manutenção do serviço educativo durante o período de suspensão das atividades letivas.(...)".


    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. Ridículo é este tipo de mensagens! Normalmente quem critica são os que apenas são detentores de conhecimento nas artes da verborreia e não sabem contribuir com algo útil.

    ResponderEliminar
  8. Qual é o problema de criar um email no gmail uniforme para todos? Usar o próprio email? Isso só dificultaria a identificação do aluno. Haja paciência para paranóicos. Numa altura de unidade temos de ser flexíveis, ajudar e não complicar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa flexibilidade passa por permitir que usem os e-mails já existentes...
      Como referido, quem já tiver um e-mail family link criado, que é requisito para menores de 13, não pode criar outro.

      Eliminar
    2. De notar que a escola em questão já alterou aquele ponto, para permitir usar os e-mails já existentes (como deveria ter sido logo de início e evitando esta situação).

      Eliminar
    3. Ainda bem que as pessoas que mandam são mais sensatas e não ligam o complicometro.

      Eliminar
  9. O título da notícia está completamente errado. Aquilo a que se está a referir é ao ensino á distância , não á tele-escola.

    ResponderEliminar
  10. Bem, já estou a ver que a escola do meu filho é a pior já que aulas à distãncia ninguém falou nelas, ou seja, não vão fazer nada!

    ResponderEliminar
  11. Bem e o que fazer quem nao tem possibilidades de ter um computador . As crianças ficaram sem aulas nenhumas

    ResponderEliminar

[pub]