2020/09/19

App StopCovid em França é fiasco


Em França - tal como em Portugal e noutros países - assiste-se a uma segunda vaga de Covid-19, e a sua app StopCovid de nada tem servido.

As perguntas feitas à eficácia das apps de contact tracing mostram ter razões para existir, com o caso francês a demonstrar que a app de pouco ou nada serve. A app foi descarregada por 2.4 milhões de pessoas (de uma população de 67 milhões), sendo preciso descontar 700 mil pessoas que desinstalaram a app, e ainda um número relevante mas não especificado de pessoas que a descarregaram mas nunca activaram.

O que é certo é que até à data foram enviadas menos de 200 notificações para estes utilizadores.


Em França o número de novos casos nesta segunda vaga já supera o pico da primeira vaga, e não havendo ainda qualquer sinal de abrandamento. Um fenómeno que infelizmente será provável ver replicado também em Portugal, já que o efeito da abertura das escolas só se irá começar a fazer sentir daqui por mais um par de semanas.

Ficamos também a aguardar com curiosidade pelos números referentes à Stayaway Covid usada em Portugal, que já conta com mais de 500 mil downloads da app na versão Android. Seria interessante divulgar esses dados diariamente, tal como os números dos novos infectados e morte, para saber quantos utilizadores válidos da app existem, quantas notificações foram enviadas, etc.

4 comentários:


  1. A app francesa arrancou e recebeu 200 notificações.
    A app portuguesa foi lançada no início de setembro, já recebeu 46 notificações (46 pessoas inseriram os códigos de teste positivo) e 50 pessoas contactaram o SNS24 (Fonte citada "Expresso").
    É pouco? É alguma coisa. Tudo o que servir para quebrar cadeias de contágio é importante.

    Mas já que foi citada a app francesa convém notar que não se baseia na API da Google e da Apple. No iOS exige o iPhone desbloqueado, com a app a correr em primeiro plano, com elevado consumo de bateria e com problemas de segurança. As apps com a API da Apple nem preciso de estar a correr em segundo plano, o iPhone está bloqueado e o consumo de bateria é reduzido.
    Entre a app francesa e as apps com a API Google/Apple há diferenças que também podem explicar a falta de aceitação em França.

    Agora, uma coisa é certa - quanto mais posts houver a por em dúvida menos a usam e menor será a sua eficácia. Nunca mais me vou esquecer dos maduros que acusavam a app por usar a API da Google e da Apple, que não é de código aberto e com isso podiam ser usadas para essas empresas afinar o target para localizar pessoas crédulas e que acreditam em soluções milagrosas - para lhes dirigirem publicidade de médicos e clínicas ;-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou completamente de acordo. Post's a por em duvida uma aplicação que poderá salvar vidas (nem que seja apenas 1), são contraproducentes e só vêem criar confusão e "barulho". Como se já não nos faltassem teorias de conspiração suficientes.
      Mesmo que a sua utilidade se venha a demonstrar inexpressiva, não perdemos nada em a ter instalada.
      Por favor, não venham com a "historia" da duvida sobre a privacidade da mesma, e depois utilizam as varias aplicações da google, facebook, etc...
      Por favor, instalem a aplicação, não perdem nada.

      Eliminar
    2. E há sempre o "DN":
      - Em Espanha, uma análise após alguns testes com a sua app Radar Covid, demonstrava em agosto que se 20% da população aderir e participar, as infeções podem ser reduzidas até 30% face ao que aconteceria sem a app.
      - Há duas semanas, um estudo da Universidade de Oxford e da Google, no Reino Unido, indica que se 15% da população aderir à app (e ela funcionar bem), as infeções podem ser reduzidas em 15% (com uma redução prevista de 11% das mortes por covid-19).
      - Portugal parece no bom caminho para se aproximar de alguns países com melhores taxas de utilização como a Irlanda (25%) ou a Alemanha (20%) - bem acima da França, com cerca de 3% e onde a app foi um flop até por usar uma tecnologia diferente do resto da Europa.

      Eliminar
  2. Por acaso a minha maior crítica à APP é mais sobre a equipa que a fez e a arrogância que quem esteve a falar em nome da equipa nos issues abertos no Github. Parece mesmo que não estão habituados a colaborar com outras equipas. E o facto de o código produzido pelo projecto não ser Open source , mais pela vertente que vejo que software criado com dinheiro público e de serviço para o público deve ser Open source. Porque na realidade a filosofia de open source e estar aberto a colaboração de terceiros foi o que fez muitos projectos evoluir

    ResponderEliminar

[pub]