2020/09/22

Facebook ameaça abandonar Europa


Parece estar iminente mais uma batalha pelos direitos e privacidade dos dados dos utilizadores Europeus, e que preocupa o Facebook a tal ponto que já vai ameaçando com a potencial saída do mercado europeu.

São cada vez mais as pressões para que a Irlanda, onde a maioria das empresas tecnológicas norte-americanas estão sediadas na Europa, aplique as directivas do RGPD e faça valer as leis europeias sobre a recolha e uso de dados dos seus cidadãos. Neste caso em concreto, está em causa uma ordem europeia para que o Facebook deixe de enviar dados dos cidadãos europeus para os EUA - e isso é algo que o Facebook responde com a "ameaça" de que isso poderá obrigá-lo a deixar de operar na Europa.

Os argumentos de defesa do Facebook não são muito convincentes, por um lado dizendo que este processo resulta de apenas uma pessoa (a comissária de protecção de dados, Helen Dixon), e de que está a ser tratado injustamente, havendo muitas outras empresas que continuam a enviar dados dos seus utilizadores para os EUA (e a Google também enfrenta acusações de recolha ilegal de dados). E neste momento, não sei como se poderá compatibilizar a exigiência das autoridades europeias com a forma de funcionamento do próprio Facebook.

Seja como for, é uma batalha que é extremamente importante e cujas consequências terão implicações bastante vastas. Será que estamos prestes a entrar numa era em que teremos os serviços na internet fragmentados por regiões? Com serviços para a internet dos EUA, para a internet da Europa, para a internet da China, internet da Rússia, e demais países? Passaremos de uma rede global que nos poderia unir a todos, para uma rede que passará a dividir-nos ainda mais? Será difícil prever, mas por agora podemos ir contemplando como seriam as coisas se, de um dia para o outro, os europeus deixassem de poder usar o Facebook, Instagram, e WhatsApp.


Actualização: Um responsável do Facebook diz que não irá sair da Europa, que queria apenas alertar para o impacto que teria se fossem forçados a sair.

11 comentários:

  1. Adeuzinho a esse cancro que só serve para espalhar desinformação!
    E já agora, se os europeus pudessem deixar de usar o Whatsapp talvez dessem atenção ao Signal que esse assim respeita a privacidade por completo.

    ResponderEliminar
  2. Vá, toma lá 10$ para a viagem! cumps ao Trump!

    ResponderEliminar
  3. Em vez do tom negativo que o autor coloca no artigo, devia era de celebrar, desamparem a loja, é uma plataforma que descrimina pessoas conforme a sua ideologia, onde se incentiva a cultura da denúncia de forma a calar x opinião.

    Melhor notícia do dia :)
    Será a da década se se concretizar :p

    ResponderEliminar
  4. Eu já não uso o Facebook, Instagram e o WhatsApp e passo bem sem eles!

    ResponderEliminar
  5. As únicas coisas que me têm vindo a fazer visitar o Facebook nos últimos tempos têm sido alguns grupos para trocas e vendas de artigos em segunda mão e grupos de partilha de ideias de bricolage / melhoramentos e reparações caseiras / automóvel. (tudo coisas que os antiguinhos fóruns poderiam muito bem continuar a fazer.)

    De resto, aquilo acaba por ser uma espécie de espremedor de sumo de laranjas... podres!

    ResponderEliminar
  6. ainda cá está?
    deviam era banir da europa todas as aplicacoes que nao respeitam a privacidade dos cidadaos europeus. estou farto de americanos... cambada de arrogantes

    ResponderEliminar
  7. A velha Europa vai no caminho certo para a sua quase total irrelevância.

    ResponderEliminar
  8. E para onde podiam migrar os grupos todos? Não gosto do facebook, mas não vejo alternativa.

    ResponderEliminar

[pub]