2020/12/30

Carregamento adaptativo nos Pixel só com alarme das 5 às 10h da manhã

Depois de muitos anos a Google lá se dignou a adicionar um modo de carregamento adaptativo para poupar a bateria nos Pixel, mas que só funciona em condições bastante específicas.

Manter uma bateria carregada a 100% contribui para a sua degradação, e isso torna-se num problema ainda maior com a tendência para se usarem carregadores e sistemas de carregamento de maior potência que podem recarregar o smartphone a 100% em menos de 1 hora - fazendo com que quem deixa o smartphone ligado ao carregador durante a noite, fique com a bateria desnecessariamente a 100% durante a maior parte da noite. Vários fabricantes já adoptaram sistemas adaptativos, que mantêm a bateria a um nível mais reduzido (por exemplo, 80%) durante a noite, e só recarregam o remanescente quando consideram que estão prestes a ser desligados do carregador; mas no caso do Adaptive Charging que a Google implementou nos Pixel 4 e 5, existem algumas restrições que será preciso ter em conta.

Enquanto que empresas como a Apple analisam o padrão de utilização de cada utilizador para determinarem o padrão de carregamentos e quando será provável que o iPhone irá ser retirado do carregador, a Google optou por pendurar o seu sistema adaptativo na definição dos alarmes para acordar.

Não deixa de ser uma solução que parece demasiado "simplista", para uma empresa que tanto investe em inteligência artificial e tanta informação acumula sobre os utilizadores, e que sofre desde logo de uma grande falha: de não permitir o uso do modo de carregamento adaptativo por quem não usar o despertador no seu Pixel. Mas, como se isso não fosse já suficiente para justificar que a Google revisse a sua posição, temos ainda outras restrições adicionais, como o facto do sistema só funcionar no caso de se definir o alarme para um período entre as 5 e as 10 da manhã, e se ligar o smartphone ao carregador a partir das 21 horas.

Quem por qualquer motivo tiver que acordar antes das 5 da manhã, ficará impedido de usar o sistema, assim como todos aqueles que tiverem a possibilidade de ficar na cama até mais tarde, para além das 10h. Se a Google optou pela solução fácil de usar o alarme para fazer o cálculo do carregamento adaptativo, porque motivo terá achado que faria sentido restringir isso a este intervalo temporal? Porque não deixar que o sistema funcionasse também para quem quiser colocar o alarme para as 12h, ou 14h ou qualquer outra hora?

Ou então, se queriam mesmo poupar o esforço, podiam ter optado por algo ainda mais simples, e disponibilizado uma opção para limitar o nível de carga máxima da bateria, e já ficava o assunto arrumado independentemente dos alarmes.

12 comentários:

  1. Parece um trabalho deixado a meio!! Mais valia terem estudado melhor a coisa e e só depois disponibilizar a "ferramenta"!! Assim até o nosso João do fantástico "TASKER" é capaz de arranjar uma solução bem melhor!!

    ResponderEliminar
  2. Esta funcionalidade já devia existir há anos.. desde que se começaram a usar baterias internas que é de extremo interesse do dono do smartphone conseguir o máximo desempenho da bateria prolongando o tempo de vida útil do smartphone - que na maior parte das vezes é ditado pela degradação da bateria...
    Parece impossível que um aparelho chamado de "smart"-phone (que faz tudo e um par de botas) não possa estar ligado a um carregador sem estar a carregar a bateria ao máximo de potencia que o carregador permita.. tendo em conta que na maior parte das vezes vai ter 8 horas de tempo para carregar..
    Os smartphones de gama alta tipicamente vêm com carregadores rápidos mas contam-se pelos dedos as vezes que os usei, pois prefiro usar um carregador lento (geralmente uso um COPPLA do IKEA) precisamente para tentar não "stressar" a bateria sem necessidade no dia a dia.
    Há uns smartphones que já permitem uma gestão da carga por ex o Asus Rogue (e alguns Xiaomi tb já tem) que dá para ter o smartphone ligado ao carregador ao mesmo tempo que se está a usar sem que este esteja a carregar a bateria, usando um modo que apenas usa a energia do carregador para alimentar o funcuinamento do smartphone. Isto é mais importante em gaming que aquece masi o interior e o facto de estar a carregar a bateria tb provoca mais aquecimento...
    Tb há umas apps que conseguem gerir um pouco a carga da bateria mas infeliemente precisam de root... talvez isso venha a mudar se o Google implementar um API - agora que estes pixel começaram a suportar de forma oficial no Android..
    Quem quiser uma funcionalidade semelhante em qualquer smartphone diferente pode recorrer a uma pequena peça de hardware (que parece uma PEN USB) e fica intercalada no cabo que liga o carregador ao smartphone (USB-A Macho - USB-A Femea) e comunica com Bluetooth com uma app que corre no smartphone e faz a gestão da carga. Chama-se Chargie e pode-se encomendar online fabricado na Romenia (acho que ainda usa uma impressora 3D pra a caixa:) na casa dos 25€:
    https://chargie.org/
    Que tb tem a respetiva app.... já mandei vir um que deve estar quase a chegar para testar no meu pixel 2 que infelizmente já não vai apanhar esta nova funcionalidade (por já ter 3 anos) - apesar de ser uma coisa básica que podia ser fáclimente implementada.. e acredito que em breve deva começar a aparecer em ROM's alternativas não oficiais, assim como nos fabricantes chineses...
    Seria melhor ter a bateria amovível, mas infelizmente a Apple encarregou-se de riscar essa opção aos consumidores para praticamente todas as marcas... :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso aqui há coisa de 1 ano fiz uma sugestão ao Google para implementar algumas funcionalidades de melhor controle de carga da bateria, até porque tenho usado o meu Pixel 2 com uma capa que inclui o Powerbank e dava jeito poder usar o smartphone recorrendo à energia do powerbank mantendo a bateria interna num níel ideal de 50% de carga.. mas isso já entra no campo das especificidades de nichos e acredito que só com um API de controle de carga da bateria é que um fabricante de powerbanks podia fazer uma integração ideal...
      PS: O carregador "normal" do IKEA que queria dizer é Koppla (e não Coppla) que tem 3 portas USB com 5V 2A e dizem que é bem construindo (com os devidos cuidados de segurança e isolamento no circuito).

      Eliminar
    2. Chargie, boa! Vou mandar vir e testar ;) Obrigado pela dica

      Eliminar
    3. Eu também tinha essa preocupação, principalmente depois de ter substituído várias baterias em portáteis antigos, até perceber que a baterias dos telemóveis me chegavam perfeitamente para a vida útil deles. Os últimos troquei entre 3 a 4 anos e nenhum foi por ter a bateria degradada.
      Em 4 anos, as câmaras, a velocidade de utilização e novas features fazem com que o telemóvel se "degrade" aos olhos do dono, antes da bateria.
      Por outro lado, nenhum dos últimos (Galaxy Nexus, Nexus 5 e OnePlus 5) tinha uma grande bateria de fábrica e sempre os carreguei à noite, por isso duvido seriamente que esses desgastes que se falam, apareçam a curto médio prazo.
      Como disse noutro comentário, o meu OnePlus 5, com fastcharge de primeira geração, a carregar despreocupadamente foi substituído ao fim de mais de 3 anos e o AccuBattery indicava 75% estimados da capacidade máxima teórica. Continuava a dar para 1 dia, com a minha utilização.
      Como o novo já se aguenta mais do que um dia e agora com o tempo passado em casa, vou carregado de manhã, se precisar é às vezes até desligo antes dos 100%.

      Sinceramente, acho que quem tem a preocupação com baterias deve é arranjar um telemóvel de gama média com a maior bateria possível e evitar fast chargers.
      De resto, nunca compreendi a malta dos xda e afins, que gastam mais tempo e mV de estímulos elétricos nos neurónios a estudar e arranjar maneira de maximizar o SoT do que depois recuperam no tlm com as apps, optimizações no kernel e dispositivos extra para controlar o carregamento do telemóvel.

      Eliminar
    4. Vou-te dar 2 exemplos que aceleram a degradação da bateria: e comprares um smartphone com a melhor câmara possível e fores para a praia no verão fazer videos 4k com o brilho do ecrã ao máximo e o sol a bater a bateria baixa uns 10% para cada 10minutos de vídeo, e depois ligas um powerbank a carregar a bateria ao mesmo tempo e atinge temperaturas muito altas e a bateria degrada-se muito mais rapidamente.
      Outro exemplo é se usares o tel no carro a fazer de GPS fim o tel ligado a carregar e com o ecrã tb brilho no máximo com o sol a bater vai dar uma situação parecida..

      Em relação aos chargie acho que estão com atraso na entrega porwue não conseguem produzir ao ritmo das encomendas, mas o meu demorou uns 2 meses..

      Eliminar
    5. Sim, já passei por situações dessas - GPS, ao sol, a carregar, até entrava em "thermal protection"! Só ficou resolvido ao trocar por um dos carregadores que fica em frente à saída da ventilação, e assim leva ar fresco do AC e mantém tudo em temperaturas normais.

      Eliminar
  3. É o que dá não darem valor à funcionalidade e meterem um estagiário a implementar, que não deve de ter gostado da tarefa, que a fez a "apontar para o 10". :D

    ResponderEliminar
  4. Enfim, funcionalidades/apps feitas a martelo e super incompletas.
    Modus operandi típico da Google.

    ResponderEliminar
  5. Com uma tomada intelegente não se resolve esta questão?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A tomada só por si não resultava bem porque o nível de carga inicial nunca é o mesmo por isso pode demorar mais ou mebos a atingir os 100% mas se a tomada inteligente fosse controlada por uma app no smartphone que medisse o estado da bateria até dava para fazer o que faz o chargie, mas era sempre mais limpo ser o próprio smartphone a fazer esta gestão..

      Eliminar
    2. Eu sei que não é a solução perfeita, mas sempre será melhor deixar o tlm a carregar cerca de 2h do que ficar uma noite inteira.

      Eliminar

[pub]