2021/01/17

Apple Watch pode detectar Covid-19 uma semana antes de surgirem sintomas

Investigadores comprovaram que o Apple Watch e outros smartwatches têm capacidade para detectar infecções de Covid-19 mesmo antes de surgirem sintomas ou do mesmo ser detectável através dos testes mais comuns.

Os smartwatches vão tendo um papel cada vez mais importante na vida das pessoas, e um dos factores que está a contribuir para isso é a sua capacidade para monitorizar a nossa actividade e saúde. Smartwatches como o Apple Watch já podem fazer coisas como detectar potenciais irregularidades cardíacas e alertar o utilizador, ou até alertar familiares no caso de detectar uma queda em que o utilizador fique inconsciente ou imóvel. Agora, tirando partido dos seus sensores, investigadores do Mount Sinai Health System de New York e da Stanford University da Califórnia dizem que as suas capacidades vão mais além, e podem até servir para detectar pessoas infectadas com Covid-19 até sete dias antes de terem sintomas ou darem positivo nos testes.

Os investigadores dizem que o seu objectivo era tentar detectar a infecção praticamente no momento em que ocorre, para alertarem os utilizadores o mais depressa possível, evitando dias em que continuariam a fazer a sua vida normal e a espalharem a infecção, até finalmente surgirem sintomas ou darem positivo nos testes. Para isso, recorreram ao sensor de frequência cardíaca para medirem, não o ritmo cardíaco como é habitual, mas a variabilidade do ritmo cardíaco - pequenas variações que acontecem naturalmente entre cada batida do coração. As pessoas infectadas com Covid-19 têm uma variabilidade reduzida face às pessoas não infectadas, e através dessa medição seria possível alertar os utilizadores.

Seria mais uma excelente forma de promover a utilização de smartwatches como monitores pessoais de saúde, mas relembra também a importância de garantir desde logo a privacidade destes dados. Ninguém gostaria de descobrir que uma qualquer app estava a espiar o estado de saúde de uma pessoa e a enviar secretamente a informação para seguradoras, que automaticamente aumentariam o valor do seguro de saúde.

1 comentário:

  1. Boa notícia.
    Para covid-19 e outros problemas, uma vez que identifica infecções e não infecção específica por covid-19.
    Pena o estudo ter durado tanto tempo mas ter tido uma amostra tão pequena. 297, em que 68 já teriam estado infectado (logo muito improvável de reinfetarem), dos que sobraram, apenas 13 ficaram infectados. O que pode significar que os números não sejam totalmente de confiança.

    ResponderEliminar

[pub]