2021/01/01

Primeira bateria recarregável Zinco-Ar abre novas perspectivas para o futuro

Para começar bem este novo ano de 2021, boas notícias do campo das baterias, com a criação da primeira bateria de Zinco-Ar recarregável.

Temos visto quase todas as notícias de baterias serem dominadas pelas evoluções feitas às baterias de lítio, mas desta vez temos algo completamente diferente. Investigadores conseguiram usar os componentes que normalmente são usados nas pilhas normais não recarregáveis, mas aplicar uma dose de inovação que lhes permite serem recarregadas. O truque consistiu em se livrarem dos compostos alcalinos que são responsáveis por dar o nome (pilhas alcalinas) a este tipo de baterias, e embora ainda haja desafios pela frente, as perspectivas são animadoras.

Antes de mais, importa referir que por agora este tipo de bateria não deverá ser adequado para substituir o uso em aparelhos como smartphones, já que os tempos de carregamento e descarregamento não são os mais adequados para esse tipo de utilização. No entanto, há enorme interesse no facto de se poderem utilizar estas baterias para armazenamento de larga escala nas redes de distribuição eléctrica, onde o baixo custo do zinco face ao lítio se poderia tornar num ponto crítico a seu favor - e simultaneamente, evitar gastar lítio em aplicações onde estas novas baterias poderiam assentar de forma perfeita.

Esperemos que não seja uma das prometidas melhorias nas baterias que apenas fica reservada aos jornais científicos, e que efectivamente possa vir a promover mudanças reais nos próximos anos.

3 comentários:

  1. Mais treta que nunca vai sair do papel... Todos os meses temos notícias de baterias revolucionárias e depois nunca saem do papel...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso já depende do papel das baterias :P
      https://expresso.pt/multimedia/expressotv/como-e-fabricada-uma-bateria-de-papel=f627227

      Eliminar
    2. A única "treta" aqui, é ler artigos de novidades nos campos do armazenamento de energia e deixar-se ficar frustrado por não ter uma bateria milagrosa anunciada para o próximo smartphone a comprar.
      Como está explicado no final do artigo as baterias têm aplicações distintas. Os smartphones e carros eléctricos são apenas uma das aplicações destas baterias, que têm objectivos e restrições semelhantes: o menor tempo de carregamentos, relação peso/capacidade e capacidade de serem produzidas em alta escala.
      Será dificílimo ter qualquer salto tecnológico revolucionário num smartphone, face à exigência e competitividade do setor. Como com os ecrãs, processamento, sensores, comunicações sem fios, etc... as baterias continuarão a evoluir a um ritmo "seguro".

      Eliminar

[pub]