2021/02/16

AT&T instala fibra a nonagenário após reclamação de 10 mil dólares em jornal

Um cliente de longa data da AT&T ficou tão desesperado com a lentidão da sua ligação, que pagou por um anúncio de 10 mil dólares no Wall Street Journal para desabafar a sua situação.

Quem tem o privilégio de viver com ligações de alta-velocidade por cabo e fibra à internet provavelmente já nem se recordará do que será tentar fazer tudo aquilo que assume por garantido numa ligação à internet "à moda antiga". No entanto, para quem permanece nessa realidade, a situação é mesmo de desespero, como demonstra este episódio.

Aaron Epstein é um norte-americano com 90 anos, cliente da AT&T há mais de 60 (desde 1960!) e que tem passado as últimas décadas a desesperar com a velocidade de acesso à internet que lhe é disponibilizada: uma ultrapassada ligação DSL de apenas 3 Mbps, que na prática resulta em 1.5 Mbps na maior parte do tempo. Um desespero que aumentava sempre que passava por um qualquer anúncio publicitário da AT&T a prometer as mais rápidas velocidades de acesso à internet, e que resultou na publicação de um anúncio de quarto de página no Wall Street Journal, que custou a módica quantia de 10 mil dólares, a expressar o seu profundo desagrado com a situação.


A sua reclamação pública acabou por atingir proporções virais, e qual não foi o seu espanto (e de muitos outros) quando viu a AT&T e instalar-lhe uma ligação por fibra de 300Mbps no prazo de uma semana após a publicação.

Embora tenha tido um final feliz, é um caso que infelizmente demonstra a atitude habitual dos operadores de telecomunicações face aos cliente, podendo passar anos - ou décadas - a ignorar todos os seus pedidos ou apelos e mais preocupadas em reescrever a realidade (leia-se: mentir), e só se mexendo (rapidamente) quando um caso se transforma num assunto mediático que possa prejudicar a sua imagem. Quantos de nós não conhecemos pessoas que passam anos a desesperar por uma ligação por cabo ou fibra, morando a poucas dezenas de metros de residências que têm esses acessos, mesmo que digam estar dispostos a suportar os custos de "puxar a linha"? Infelizmente, para a maioria não será opção pagar milhares de euros para ocupar uma página num jornal, mas isso nem sequer seria necessário se os operadores se dignassem a tratar os seus clientes com um pouco mais de respeito.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Partilho a minha experiência: no ano passado de Abril a Outubro, tentei junto da Vodafone a instalação do serviço de fibra óptica (em Lisboa), contactei a linha de apoio a 1a vez e disseram-me aquilo que verificava no site - a disponibilidade acabava 2 números acima do meu. Tirei fotografias ao PDO (a menos de 30 metros da minha casa) fotos do mesmo para a minha casa, indiquei o número do PDO no email, mas sempre sem resposta. Liguei novamente para a linha, e indicaram que ia ser enviada uma equipa para validação no prazo de 1 semana, passou um mês e nada. Voltei a ligar, fazia sempre de conta que não sabiam do telefonema anterior, a história nem vale a pena contar, foi igual ao ponto anterior. Chegados a este impasse, fiz o mesmo indicando que fizessem um orçamento para saber eventuais custos mas nada. O mais caricato era poder ver vizinhos usar o poder de influência junto de contactos na empresa, e facilmente o problema era resolvido, e sim podia ter usado o mesmo método, mas não é correcto. Senti-me como estando num processo infinito, sem grande preocupação por parte do operador, algo que nunca será revisto ou porque não há interesse ou quem entenda que criar fluxogramas sem uma análise técnica é suficiente.

    ResponderEliminar
  3. A minha aldeia tem um PDO fantasma que ninguém pode usar ao qual a MEO não responde. Gastaram dinheiro a meter lá uma fibra que não serve ninguém!

    ResponderEliminar
  4. Na minha rua, a minha casa era a única que não tinha acesso a fibra tanto MEO como Vodafone. A única casa, no meio da rua para a qual não havia possibilidade de instalar fibra. Disseram que o problema era da camara, era disto daquilo e que tinha de se abrir uma vala na estrada e nós pagavamos (dissemos que estávamos dispostos a faze-lo mas o processo não dava andamento). Um dia de tarde apareceu aqui uma equipa sem licenças sem nada meteram um poste, passaram fibra aérea ligaram e ficou resolvido. Cagaram nas burocracias e meteram a funcionar. No mesmo local a NOS continua com coaxial com vel. max. de 5 mbps (a menos que usem o speedtest deles, que aí diz logo que a velocidade é mais do que suficiente) e a dizer que a velocidade é mais do que admissivel

    ResponderEliminar

[pub]