2021/08/15

Tesla anuncia degradação de bateria de 10% em 320 mil km

Com o tema da degradação das baterias a ser ainda um dos motivos de preocupação para alguns consumidores que equacionam a compra de um carro eléctrico, a Tesla anuncia que as suas baterias apenas perdem 10% de capacidade ao fim de 320 mil quilómetros.

Um pouco ao estilo do que acontecia com as preocupações com os problemas de burn-in nas primeiras gerações de ecrãs OLED, e que agora se tornaram irrelevantes (a não ser em casos bastante especiais), também a longevidade das baterias dos carros eléctricos parece estar destinada a tornar-se numa memória do passado. A Tesla divulgou os dados referentes à perda de capacidade das baterias dos seus Model X e Model Y, que demonstram que as suas baterias só perdem cerca de 10% da capacidade, em média, ao fim de 320 mil quilómetros percorridos.
Embora estes dados sejam referentes aos Model X e Model Y, que estão em circulação há mais tempo; a Tesla diz que as baterias usadas nos Model 3 e Model Y foram concebidas para durarem pelo menos 800 mil km - ou seja, toda a vida útil do veículo - e isto enquanto vai trabalhando em baterias que sejam capazes de manter a sua funcionalidade durante 1.6 milhões de quilómetros, o que seria o patamar em que garantidamente poderíamos dizer que as preocupações com a longevidade das baterias deixaria de ser um tópico para preocupação.

Talvez mais importante que esta longevidade, para certas marcas, seja garantir que as baterias sejam verdadeiramente de confiança e seguras, para não se passar pela inadmissível situação de recear que o carro se possa incendiar espontâneamente enquanto está a recarregar.

4 comentários:

  1. Correcção no artigo: "Embora estes dados sejam referentes aos Model X e Model Y". Em vez de Model Y, é Model S. No parágrafo anterior também tem o mesmo erro.

    ResponderEliminar
  2. A notícia é uma boa notícia, mas agora aguarde-se o mesmo tipo de teste e avaliação por parte de entidades externas para verificar se haverá necessidade de contraditório.

    ResponderEliminar
  3. Falta saber qual a degradação ao fim de algum tempo mesmo não fazendo km quase nenhuns... tenho um Nissan Leaf com 10 anos e apenas 40mil km (e sempre carregou a 80% para não degradar tanto a bateria) e atualmente tem cerca de metade da autonomia que tinha em novo.. tb sei que estes de 1a geração (LEAF 2011-2013) as baterias sofriam de um ritmo de degradação maior que os que saíram depois em 2013 e os seguintes ainda melhoraram e penso que agora já estão a usar baterias de outra marca..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os leaf não se podem comparam sejam os antigos ou os novos. A nissan não coloca um sistema de refrigeração nos leaf o que faz com que as baterias sobreaqueçam e se degradem a um ritmo muitas vezes superior por causa disso.

      Eliminar

[pub]