2022/01/27

Análise ao Xiaomi Pad 5


Com o Xiaomi Pad 5 a marca chinesa regressa ao mercado de tablets, apostando nos seus argumentos habituais para tentar manter o sucesso dos modelos anteriores.

Este regresso ao mercado, tem a particularidade de ser efectuado após um interregno de quase oito anos, sendo que desta vez os tablets estão disponíveis no nosso mercado de forma oficial, não tendo o consumidor de recorrer a métodos alternativos para a sua aquisição.


O Xiaomi Pad 5


Numa orientação em modo paisagem, a porta USB-C fica à direita, do lado oposto, o botão de power. De cada lado, duas saídas de som e um microfone.


Em cima, botões de volume e zona para carregamento da smart pen. Em baixo, área para ligação de uma capa teclado.


A frente apresenta margens relativamente reduzidas, suficientes para que se segure no tablet sem estar a efectuar toques involuntários no ecrã. Na zona da moldura superior, a câmara frontal e sensores.


Na traseira, apenas o bloco de câmaras e o logótipo da marca. O efeito da luz oferece resultados muito interessantes, com o design limpo e elegante a facilmente captar a atenção.

Especificações Técnicas



Processador
  • Qualcomm Snapdragon 860
    • Kryo 485
    • Octa-core até 2.96 GHz
    • GPU Adreno 640
    • Tecnologia de fabrico de 7nm
    • IA Qualcomm de 4ª Geração
Memória e armazenamento
  • 6GB+128GB
Ecrã
  • WQHD + 120 Hz
    • 11" polegadas com resolução de 2560x1600
    • Mais de 1 milhar de milhão de cores, suporta DCI-P3 e Dolby Vision
    • True Display
    • Hardware de baixas luzes azuis integrado, software de redução de luzes azuis
Câmaras
  • Traseira de 13MP, frontal de 8MP
Bateria
  • 8720mAh
  • Carregamento rápido de 22.5W
  • Carregador de 22.5W incluído
Audio
  • Quad speakers com suporte Dolby Atmos e Hi-Res Audio
Dimensões
  • 254.69mmx166.25mmx6.85mm
Cores
  • Cosmic Gray, Pearl White

Em funcionamento


O software, sem surpresas é dominado pela MIUI, versão 12.5, mas não se deixem enganar pelos números, pois trata-se de uma versão a correr ainda sobre Android 11, com um patch de segurança por norma 2 ou 3 meses atrasado. Em abono da verdade, esta sempre foi a estratégia da marca chinesa, muitas actualizações da MIUI, já o Android base, é gerido de outra forma, caindo muitas vezes o update nos modelos com mais de 1 ano de mercado.




A MIUI, embora surja com algumas alterações para tirar melhor partido da dimensão do ecrã (menu de definições com duas secções, notificações e atalhos rápidos separados e um gestor de aplicações em segundo plano e uma barra de atalhos claramente - e bem, diga-se - inspirados no iOS) está ainda longe de permitir o incremento de produtividade que se pode esperar de um equipamento deste género.


Curiosamente, a divisão entre as notificações e o menu de atalhos rápidos apresenta uma solução pouco prática, ficando o acesso à definições do lado das notificações e não dos atalhos, algo pouco prático e que vai obrigar a uma alteração de procedimentos por parte do utilizador. Assim, já sabem que durante os primeiros dias, vão sempre bater na porta errada.

No que ao desempenho diz respeito, a Xiaomi fez uma aposta interessante e que curiosamente tem vindo a ser adoptada por outros fabricantes. Ao invés de apostar no state of the art, a opção da marca chinesa recaiu em opções mais comedidas, sem contudo prejudicar o desempenho de forma significativa.


O ecrã apresenta cores vivas e fortes, mas não é AMOLED, pelo que o preto não terá o mesmo nível de intensidade, facto que contudo até poderá passar despercebido, pois os tons são efectivamente bastante intensos e os 120Hz de taxa de actualização são um deleite para a vista do utilizador.


O processador Snapdragon 860 é uma versão melhorada do 855 que equipou os equipamentos de topo lançados em 2019. Feitas as contas, os núcleos Kyro 485 já viram chegar os Kyro 585 e 680 (Snapdragon 865 e 888, respectivamente), sendo que os topo de gama de 2022 deverão vir equipados com o mais recente Snapdragon 8 Gen 1, em que os núcleos passam a ser unicamente designados por Kyro. Número à parte, sendo inegável que existe uma diferença de desempenho puro para os processadores mais recentes, o Snapdragon 860 cumpre a tarefa sem se envergonhar, não comprometendo qualquer actividade, estando sempre à altura dos acontecimentos.
Os 6GB de RAM já começam a parecer curtos face ao que actualmente é praticado nos equipamentos de topo. As aplicações a correr em segundo plano podem sofrer com este aspecto, havendo também que contar com a agressiva gestão aplicada pela Xiaomi ao fechar as aplicações a correr em segundo plano, algo que poderá ser minimizado, desactivando esta opção para as aplicações que se pretendam manter em funcionamento.


Os 128GB para armazenamento, não sendo uma fartura, acabam por ser suficientes para garantir a instalação de jogos e aplicações e o download de séries para ver offline. A velocidade de leitura é muito superior à de escrita, sendo que ambos os valores estão em linha com o que é esperado de um equipamento de topo.


A autonomia não é um problema, com a bateria de 8720mAh a permitir várias horas de visualização de conteúdos.


A câmara traseira com 13MP cumpre os serviços mínimos em ambientes bem iluminados. Se gostam de utilizar um tablet para tirar fotografias, já sabem com o que contar.


A interface da câmara não apresenta novidades face ao que a MIUI disponibiliza. No modo horizontal, fila de atalhos em cima, botão de disparo, atalho para fotos e alternar a câmara à direita.


O Xiaomi Pad 5 conta com dois acessórios que permitem potenciar a sua utilização, passando o tablet a poder igualmente ser utilizado de forma mais flexível, com uma sempre útil capa, permitindo igualmente uma interação mais profissional com a Smart Pen.

Apreciação final


Este regresso da Xiaomi ao mercado dos tablets, terá de ser visto com entusiasmo, se bem que em níveis inferiores ao que a marca já conseguiu granjear neste segmento de mercado.


As especificações de hardware foram alvo de uma criteriosa escolha (faltou incluir um sensor de impressão digital...), por forma a permitir um preço de combate face a outras opções no mercado, com os iPad a surgirem (ainda com toda a justiça) em primeiro plano. A MIUI recebeu alguns upgrades para melhorar a experiência de utilização, mas há ainda uma distância face ao iPadOS e à biblioteca de software que a Apple continua a disponibilizar.

Os acessórios completam a utilização do tablet de forma eficiente, mas haverá que contar com o seu custo de aquisição, com a capa a ficar próximo dos 50€ e a Smart Pen a tocar nos 100€, valores que poderão ser difíceis de encaixar nos 430€ recomendados para a aquisição do tablet (embora de momento seja possível encontrá-lo por €350 na Amazon Espanha).




Xiaomi Pad 5
Escaldante
Prós
  • Qualidade de construção
  • Colunas dos dois lados
Contras
  • Sem sensor de impressões digitais
  • Ecrã não é AMOLED

Xiaomi Pad 5

Escaldante (5/5)

12 comentários:

  1. Faltou a meu ver uma das grandas vantagens desta ROM, após a instalação da APP 'Xiaomi PC mode By Xiaomi Inc.' fica com um modo PC disponível na barra de atalhos rápidos que é feito para usar com rato, ficando com menu iniciar, botão de maximizar Apps, Apps abertas na barra inferior, etc.

    https://www.xda-developers.com/files/2021/05/1620633497047.jpg

    https://www.xda-developers.com/files/2021/05/1620633438917.jpg

    ResponderEliminar
  2. Fica a dúvida sobre as actualizações do Android, maximo de 2 anos e com sorte!
    Por esse preço (430€) e com mais uns trocos, talvez compense um iPad e com garantia de updates por muito mais anos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje, encontra a 353,01 euros na Amazon de Espanha.

      Eliminar
  3. Sem cartão de memória e sem GPS, está na minha opinião caro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Yep, concordo. Comprei q recentemente e fiquei estupefacto pela falta do GPS... Aceder ao Google maps para encontrar 1 restaurante é neste tablet uma pequena aventura. E neste preço, não ter leitor de impressões digitais também é estranho. O cartão de memória seria um nice to have.

      Eliminar
  4. Comprei o meu no lançamento por 299€ se não me falha a memória, e só posso dizer bem. Podia de facto ter 8gb de RAM, e o chip 870 como na versão chinesa isso seria o ideal!

    Eu estou é ainda a procurar uma capa porque não encontro nada que goste... sugestões?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. https://www.amazon.es/Kepuch-Custer-Carcasa-Protectora-PU-Cuero/dp/B09CPYCGHT/ref=mp_s_a_1_3?crid=2LEQ9N9GYDMIE&keywords=Kepuch%2BCuster%2BCapa%2Bpara%2BXiaomi%2BPad%2B5%2F5%2BPro%2F5%2BPro%2B5G%2C%2BSlim%2BSmart%2BCover%2Bcapas%2Bcapa%2BCase%2Bprotetora%2Bde%2Bcouro%2BPU%2Bpara%2BXiaomi%2BPad%2B5%2F5%2BPro%2F5%2BPro%2B5G%2B-&qid=1643388301&sprefix=kepuch%2Bcuster%2Bcapa%2Bpara%2Bxiaomi%2Bpad%2B5%2F5%2Bpro%2F5%2Bpro%2B5g%2Bslim%2Bsmart%2Bcover%2Bcapas%2Bcapa%2Bcase%2Bprotetora%2Bde%2Bcouro%2Bpu%2Bpara%2Bxiaomi%2Bpad%2B5%2F5%2Bpro%2F5%2Bpro%2B5g%2B-%2Caps%2C131&sr=8-3&th=1&psc=1

      Eliminar
  5. Tb comprei um por 299€ no lançamento e gostava de ter a caneta, mas custa-me dar mais 1/3 do que me custou por uma caneta... era interessante encontrar uma caneta compatível de marca alternativa mas com características idênticas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. https://www.amazon.es/dp/B09N6WC8MJ/ref=mp_s_a_1_3?crid=2PK8EHJPVWMWV&keywords=pad+5+xiaomi+pen+pad+5&qid=1643461279&sprefix=pad+5+xiaomi+caneta%2Caps%2C158&sr=8-3

      Eliminar
  6. Também tenho o pad5. O que me chateia é as alterações da MIUI que nem consigo receber notificações de algumas apps tipo reddit mesmo desativando as Optimizacoes de bateria

    ResponderEliminar
  7. Por esse preço e nem tem GPS ? Não muito obrigado!

    ResponderEliminar

[pub]