2022/03/13

Ford vai vender automóveis sem chips - a instalar mais tarde

A falta de chips está a levar a Ford a optar por uma solução radical, vender os carros incompletos, prometendo a instalação dos chips quando ficarem disponíveis.

O desespero dos fabricantes automóveis perante o cenário de falta de chips começa a atingir níveis inimaginados. Em vez de suspender as vendas ou produção, a Ford vai começar a vender os seus automóveis sem chips - incompletos - com a promessa de que os mesmos serão instalados posteriormente, no prazo máximo de um ano.

Os automóveis continuarão a poder ser conduzidos normalmente, com os chips em falta a afectaram apenas sistemas secundários que não afectam os sistemas de segurança. A Ford inicialmente tinha chegado a equacionar o envio de automóveis não funcionais para os concessionários, para manter a cadeia de distribuição em funcionamento, e que teriam que aguardar a instalação de chips críticos para poderem ser vendidos e ficarem em condições de poder circular.

É uma medida inédita mas que acaba por ser também uma resposta às necessidades do mercado. Embora para muitos esta proposta seja "inaceitável", poderá haver pessoas para quem a compra de um carro neste momento é essencial, e preferirão ter o carro agora mesmo que algumas funcionalidades só fiquem disponíveis posteriormente. De resto, há que relembrar que quem não concordar poderá sempre tentar a sorte noutro fabricante.

5 comentários:

  1. Depois de entregar o carro incompleto ao cliente qual vai ser o motivo da Ford em entregar os chips em falta? O carro esta pago e o cliente ja o tem, a Ford não terá pressa nenhuma em entregar os componentes em falta, fa-lo-a na base do "best-effor" ou seja, quando lhe apetecer.
    Não caiam nessa, não comprem o carro nessas condições.

    ResponderEliminar
  2. Isto está mesmo inacreditável... conheço quem esteja na área da fabricação de equipamentos eletrónicos e que realizaram há um mês atrás uma encomenda de componentes simples (neste caso conectores "Molex") tendo entrega "garantida" para junho... de 2023!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fornecedor chinês, muito provavelmente?

      Decididamente, a Europa tem de conseguir garantir fabricantes com presença física em solo europeu.

      Eliminar
    2. Sim, a Europa e outros países têm que começar a fabricar muita coisa que vinha da China. A questão é o preço. Vai subir e bem.

      Eliminar
  3. Vamos com calma, é bom que os europeus abram os olhos e deixem-se de tretas e constante busca do lucro fácil. A indústria nunca devia ter saído do mundo ocidental, desinvestimos e agora estamos na mão de uns crápulas que andam a brincar connosco...

    ResponderEliminar

[pub]