2022/10/05

Tesla vai abandonar sensores ultra-sónicos nos carros

A Tesla não só se tem oposto à utilização de sensores LIDAR nos carros, como agora chega ao ponto de retirar os sensores ultra-sónicos de proximidade.

Elon Musk tem sido intransigente a nível dos dispositivos necessários para a condução autónoma nos carros, dizendo que se uma pessoa o pode fazer apenas com os olhos, também a Tesla o conseguirá fazer apenas com as câmaras. E agora dá mais um passo que demonstra levar isso mesmo a sério: deixando de utilizar sensores ultra-sónicos em toda a sua gama, do Model 3 e Model Y aos Model S e Model X.

Os sensores ultra-sónicos permitem detectar a proximidade de veículos, pessoas ou obstáculos em redor do veículo, mas também aqui a Tesla acredita que bastará utilizar as câmaras para o mesmo efeito. No entanto, e ao estilo de outras transições tecnológicas nos Tesla, esta mudança vai penalizar os compradores numa fase inicial, já que a perda destes sensores será acompanhada pela perda de algumas funcionalidades relacionadas com o estacionamento: o Park Assist, o Autopark, o Summon e o Smart Summon.

Será criticável que a Tesla não tenha dado prioridade a implementar estas funcionalidades primeiro, e só depois retirar os sensores. É que, desta forma, teremos pessoas a comprar carros de mais de 50 mil euros que nem sequer irão fazer a assistência nas manobras de estacionamento que actualmente se esperaria ter. Também há quem duvide muito desta alteração, dizendo que o posicionamento das câmaras não permite ver obstáculos próximos do carro em certas posições que eram detectáveis com os sensores.

Veremos que tal este processo corre, e se não será um erro que acabe por custar muito mais à Tesla, a longo prazo, do que a poupança conseguida com a remoção dos sensores.

2 comentários:

  1. Sem meter mais câmaras nos carro isso vai ser muito má ideia...

    Apesar das várias câmaras que eles já têm, o carro tem vários ângulos mortos, principalmente tendo em conta que o objetivo é que andem sozinhos e no entanto nem câmaras nos "cantos" do carro tem para verificar cruzamentos com pouca visibilidade, o que faz com que o carro avance para o meio da faixa nessa situações, coisa que se vê eles fazerem várias vezes.
    Mesmo nos casos falados aqui, como estacionamento e assim, as câmaras não vêm várias partes do carro que são importantes ter perceção durante essas manobras.

    ResponderEliminar
  2. O argumento dos humanos conseguirem conduzir só com os olhos é falacioso, os humanos também têm ouvidos, e muitos ainda têm uma intuição que quando está a funcionar ainda permite evitar muitos acidentes.
    Parece mais provável que ou não estejam a conseguir obter os sensores ou outro material relacionado, ou que estejam só numa de aumentar os lucros a qualquer custo.
    Pelo menos é uma boa forma de reduzir ainda mais a já não muito boa fama da marca junto dos consumidores com tantos problemas em tão pouco tempo.

    ResponderEliminar

[pub]