2017/01/04

Novo CPU Intel Core i7-7700K "Kaby Lake" mostra que a evolução dos CPUs parou


Depois de décadas a ter avanços significativos com cada lançamento de uma nova geração de CPUs, a evolução tem sido bem mais modesta nos últimos anos, e o mais recente Core i7 7700K "Kaby Lake" da Intel é a infeliz confirmação disso mesmo.

Com o fim da lei de Moore a Intel abandonou o seu habitual ciclo de desenvolvimento "tick-tock", optando por um ritmo evolutivo mais pausado - possível também por a AMD ser incapaz de lançar CPUs que lhe façam concorrência no segmento superior. Isto faz com que esta geração Kaby Lake seja, para todos os efeitos uma mera optimização dos anteriores Skylake, e onde os benefícios serão praticamente nulos para a maioria dos utilizadores.


Na verdade, as principais melhorias (para além do ligeiro aumento da velocidade de clock, que é o que permite a estes chips obterem valores ligeiramente melhores que a geração anterior) são coisas referentes à descodificação de vídeo com DRM, o que permitirá finalmente ver Netflix com qualidade 4K num PC (sendo que o mais eficiente seria simplesmente abolir-se todas as formas de DRM, e estava o assunto automaticamente resolvido).

O resultado prático é que o novo Intel Core i7 7700K acaba por ter um desempenho idêntico ao anterior 6700K, o que será uma desilusão para todos os que gostariam de ver novo salto no desempenho dos seus computadores. A única consolação é a de que, aparentemente, estes i7 7700K (4.2/4.5GHz) poderão ser levados até aos 5GHz em overclock com mais facilidade que os chips da geração anterior. Mas mesmo isso acaba por ser uma melhoria que "sabe a pouco".

Vamos lá ver se a próxima geração Cannonlake, que passará finalmente a utilizar um processo de fabrico de 10nm, trará as melhorias que se esperam... ou idealmente, que a AMD regresse aos seus tempos áureos, e lance CPUs que sejam capazes de fazer frente aos da Intel, e assim manter uma saudável concorrência no sector, que promova a inovação e não a estagnação.

2 comentários:

  1. Estagnou porque a Intel nos últimos anos não teve qualquer espécie de concorrência vendendo o que quer ao preço que lhes apetece, coisa que felizmente pode vir a mudar com a chega dos Zen.

    Eu sabia que os Kaby Lake estavam para chegar, mas mesmo assim fiz o upgrade do desktop há 4 meses com base num 6600K. Pelo que tenho visto, fiz bem em não esperar, pois os ganhos são ainda menores do que estava a espera.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

[pub]