2013/11/19

Qual o melhor ecrã? (Nexus 7, iPad mini Retina, Kindle Fire HDX)

Como é costume, sempre que temos uma nova geração de equipamentos, há que colocá-los lado a lado para vermos que tal se comparam. No caso da mais recente geração de mini tablets, temos o novo Nexus 7, o Kindle Fire HDX e o iPad mini Retina. Será que o iPad mini Retina, agora que conseguiu recuperar a resolução que lhe permite acompanhar os seus rivais, conseguirá manter a tradição do iPad maior ter um ecrã de qualidade superior aos seus concorrentes?

O iPad mini nasceu num formato que era pedido pelos utilizadores (mesmo se a Apple inicialmente tinha dito que não fazia sentido tablets mais pequenos que o iPad) mas que desde logo tinha uma resolução ultrapassada. Este ano a Apple tratou do assunto recorrendo a um LCD que tem a mesma resolução do iPad "grande": são 2048x1536 pixeis num ecrã de 7.9". No iPad mini sem ecrã retina, a Apple estranhamente recorreu a um ecrã com uma gama de cores bastante limitada (63%) - para a nova geração, esperava-se que o caso tivesse sido resolvido... mas infelizmente não é o caso. A nível de reprodução de cores, o iPad mini Retina fica bastante atrás quer do ecrã LCD do Nexus 7 - que recorre à mesma tecnologia LTPS que permite criar ecrãs de alta qualidade (que a própria Apple usa nos ecrãs dos iPhone 4 e iPhone 5) - quer do Kindle Fire HDX, que a par de um LCD LTPS recorre também aos quantum dots.

O Kindle Fire HDX é o primeiro tablet com um ecrã que utiliza os quantum dots, uma tecnologia que permite que o ecrã consiga reproduzir cores num espectro mais alargado do que seria possível usando a iluminação convencional num LCD. (Podemos compará-los aos compostos fluorescentes usados nas lâmpadas fluorescentes para converter luz ultra-violeta em luz branca visível, mas aqui afinados para converter luz azul nas cores primárias desejadas - e conseguindo fazê-lo de forma bastante mais eficiente que as técnicas convencionais.)


O resultado prático é que um LCD com quantum dots pode criar imagens com as cores mais saturadas, ao estilo das que se conseguem criar com um ecrã OLED... e neste comparativo de ecrãs isso foi suficiente para garantir a vitória ao Kindle Fire HDX, seguido do ecrã do Nexus 7 (2013) - e onde nem a calibração cuidada de cada iPad mini Retina é capaz de disfarçar a sua gama de cores reduzida..

Depois de ter estado no topo da tabela no que dizia respeito à qualidade dos seus ecrãs, a Apple não só é apanhada pelos seus rivais... como fica para trás. Por outro lado, o ecrã do Kindle Fire HDX parece demonstrar sem margem para dúvidas as vantagens dos quantum dots; pelo que não deverá demorar muito para que muitos outros fabricantes se apressem a procurar ecrãs com esta tecnologia para os seus produtos.

10 comentários:

  1. Pois é, os outros ecrãs são melhores, mas toda a gente continua a querer Apple porque fica mais "chique". A maioria que compra não percebe nada do assunto e querem é parecer "montes de bem" a quem olha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adorei a expressão "montes de bem".

      Eliminar
    2. Ora cá está. .. tb acho que quem compra apple é só mesmo porque é como dizes " montes de bem" e porque como não percebem nada de tecnologia aquilo faz tudo sozinho sem problemas... não interessa que não se possa "espremer" muito...

      Eliminar
    3. Ora cá está. .. tb acho que quem compra apple é só mesmo porque é como dizes " montes de bem" e porque como não percebem nada de tecnologia aquilo faz tudo sozinho sem problemas... não interessa que não se possa "espremer" muito...

      Eliminar
    4. Essa teoria estaria certa se apenas totós e betos comprassem iCoisas, mas quando vemos pessoas como o Carlos Martins, moderadores de sites como o Gizmodo, Peopleware e muitos pessoas ligadas à áreas de tecnologia utilizando equipamentos Apple, já podemos questionar a validade desse postulado.
      Tenho um amigo que é sócio de uma empresa de desenvolvimento de software para a tv digital no Brasil. Trabalhou (e utilizou) por anos Linux e Android, mas quando o vi pela última vez utilizava um iPhone, um iPad é um MacBook. Espantado por aquela mudança, ao meu ver tão radical, indaguei-lhe a razão. A resposta foi: "Depois de anos a lutar para ter dispositivos e sistemas que funcionassem, hoje prefiro um que funciona, sem perdas de tempo, sem ROMs, roots ou configurações complicadas." Ele sabe muito de tecnologia, mas prefere a simplicidade das coisas que funcionam. Então não sejamos tão arrogantes e pensarmos que apenas um "noob" ou um ostentador opta por produtos Apple. Pode ser alguém que simplesmente procure algo descomplicado e funcional.

      Eliminar
    5. Concordo plenamente Gaius, no ultimo ano tive 3 colegas a mudar para macbooks e estão totalmente satisfeitos.
      Este fim de semana era para aproveitar a promo da fnac (10%) no novo macbook pro, mas quando vi que tinha de me endividar por 1 ano para ter um portatil, não tive coragem.
      Se for para trabalhar, tudo bem, a apple vale bem a pena, agora para uso normal, não se justifica o exagero de preço.
      E se tiverem a ideia de que os portateis normais não têm a fiabilidade dos mac's, o meu toshiba de 2009 de 700€ ainda corre o DIRT3 e aguenta bem com o VS2013 e o Eclipse...

      Eliminar
  2. bom ou eu não sei ler bem gráficos ou fiquei com a ideia um pouco diferente. o ecran do kindle é bem superior. o do nexus 7 na maioria do gráfico esta ligeiramente acima do ipad e nalguns wavelengths fica abaixo do ipad mini. portanto dizer que o nexus vem a seguir ao kindle e que o ipad mini tem cores reduzidas, é esticar um pouco a corda... alias perto dos 600, o do kindle fica bem abaixo do nexus e do ipad... devem ser os quantum dots a cairem... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquilo é a resposta espectral, não se traduz directamente para as cores que depois podem ser reproduzidas pelo painel. Daí o Nexus 7 conseguir apresentar 100% da gama de cores de referência e o iPad mini retina se limitar a 63% dessa gama.

      Eliminar
  3. "Instead of moving up to the higher performance (and cost) Low Temperature Poly Silicon LCDs, Apple chose to continue gambling on IGZO, which has resulted in both production shortages and inferior products."

    Lembra-me de já ter lido sobre isto. A questão tinha que ver com o número de ecrãs de que a Amazon precisava (poucos, por isso podia usar o LTPS) e a Apple (muitos, não havia LTPS que chegassem, para o caso de querer usar esse tipo de ecrã).

    Lêem-se os artigos científicos e parece que tudo se resume ao problema do "estalinho com os dedos" :)

    Estalam-se os dedos e aparece tudo feito, tudo do melhor e mais barato, quando qualquer produto é um compromisso: CPU/GPU, ecrã, duração da bateria, disponibilidade das componentes, prazo, custo e vendas (quantidade e preço), etc.

    ResponderEliminar
  4. Curiosamente ainda li hoje um artigo interessante em relação a este assunto. Existe uma outra análise sobre estes ecrãs e a conclusão foi que apesar de o mini retina "ter uma menor gama de cores" este é claramente o que reproduz mais fielmente as cores (cor que diz apresentar em relação à cor que realmente apresenta). Tirem as vossas conclusões. A minha é que isto vale o que vale... Porque são diferenças imperceptíveis e porque essas gamas elevadas de cores só servem para reproduzir cores mais "vibrantes". Não se preocupem que não vão ficar a ver a preto e branco lol

    ResponderEliminar

[pub]