2018/06/19

Marinho e Pinto pode ser o responsável pela "morte" da Internet (como a conhecemos)


O futuro da internet está em risco caso a actual proposta da reforma dos direitos de autor europeia seja aprovada, e infelizmente o voto decisivo poderá estar nas mãos do nosso deputado Marinho e Pinto - que é a favor das propostas actuais.

Em entrevista à Exame Informática Marinho e Pinto não deixa dúvidas quanto à sua posição, chamando de "parasitas" os gigantes tecnológicos e vitimizando os autores e jornalistas - repetindo chavões feitos que parecem ignorar o facto de já existirem leis que protegem os direitos de autor que invalidam muitos dos seus exemplos, como o "Publico opiniões num jornal… acha que pode fazer um livro com esses artigos e vendê-los? Não pode..." - pois não pode, e não é preciso uma nova lei para o impedir.

Mas temos melhores exemplos, como a sua própria incongruência a favor da "taxa dos links", que pretende cobrar pelos links para sites noticiosos. Diz Marinho e Pinto: "O que sucede hoje é que vamos acedendo à notícias, através do Google e de outras plataformas (...) Essas empresas disponibilizam um acesso gratuito aos jornais e faturam com isso milhões e milhões em publicidade. Não se trata de pôr os leitores a pagar… mas sim (obrigar que o pagamento seja feito por) aqueles que não intervêm no processo produtivo da notícia nem do jornal estão a ter um lucro imenso com o trabalho dos jornalistas e com o investimento das empresas." Para logo de seguida rematar: "É justo que essas plataformas paguem aos jornais os acessos que facilitam a milhões de pessoas."

Ora, penso que esta última frase resume tudo que há a dizer sobre o assunto, e só é pena que o sr. Marinho e Pinto pareça não se ouvir. Diz que ele que é justo que uma plataforma que direccione milhões de pessoas para os sites dos jornais, contribuindo para o seu volume de visualizações, receitas publicitárias, e potencialmente subscrições pagas... ainda por cima pague por isso?

[deixem-me aproveitar enquanto posso usar esta imagem;
daqui por uns meses poderá não ser possível fazer o seu upload]

Será que ele está informado das situações que se passaram em Espanha e na Alemanha, quando também começaram a exigir pagamentos pelos links? Resultando na simples remoção dos links para esses sites, que registaram quebras brutais nas visitas e chegaram à conclusão que tinham mais a ganhar se deixassem que os links para as suas notícias fossem partilhados e usados como eram?

Custará assim muito perceber que a ameaça aos jornais não são as plataformas como o Google, Facebook e outros, mas sim o facto de existir uma infinidade de fontes noticiosas gratuitas (de qualidade variável, não está isso em causa) e que, se algo não estiver acessível, é mais fácil simplesmente procurar outra fonte? Vejo isso diariamente, quando tento chegar a um artigo que me apresenta um popup a dizer que tenho que pagar para ler a notícia, simplesmente fecho a janela e procuro outro site... Se a taxa dos links for aprovada, apenas nos irá poupar trabalho, ao eliminar desde logo os links para muitos dos sites... que mesmo disponibilizando artigos gratuitos, irão perder as receitas da publicidade.


[via]

O panorama face aos filtros nos uploads não é melhor, sendo que previsivelmente nem sequer aborda a impraticabilidade técnica de o fazer nem o aspecto de isto consistir literalmente em censura digital. Em vez disso opta por ridicularizar o "fair use" que permite o uso legítimo de obras protegidas por direitos de autor para determinados fins (fins educativos, por exemplo).

O mais triste é que a votação está renhida e poderá ser aprovada por um só voto... e sendo esse o caso, poderá dizer-se que caso esta proposta seja aprovada, poderemos "agradecer" ao senhor Marinho e Pinto o seu contributo para o fim da internet como a conhecemos. E ao estilo do que se tem passado nos EUA com Trump, apenas podemos dizer que a verdadeira responsabilidade é de quem lá o meteu - e que convém não esquecer isso nas próximas eleições.


Actualização: embora tenha sido aprovada, a razão prevaleceu (por enquanto) com a proposta a regressar às origens.

14 comentários:

  1. Não é de agora, este espécimen sempre foi assim... parvo e demagogo até à 5ª casa.
    Como deputado, a sua opinião não interessa nada, deveria era representar e acatar a opinião da maioria dos eleitores (mesmo dos que não votaram nele).
    Mas é mais um que está agarrado aos €€€...

    ResponderEliminar
  2. Bota pôr o governo a pagar uma taxa ao comércio local porque cria estradas que facilitam o acesso a estes.

    ResponderEliminar
  3. Eu até consigo perceber a filtragem dos uploads devido ao material protegido por direitos de autor (percebo mas não aceito). Agora não consigo perceber porque acham que, estando a ter publicidade gratuita dos gigantes ainda querem receber dinheiro. Os sites de noticias tem mais publicidade do que certos sites duvidosos que já visitei. É incompreensivel que esta gente não pense que quem vai ficar a perder são os jornais e outros. "Não queres estar aqui de borla, tudo bem. Deixas de existir nas nossas pesquisas e partilhas..." . Essa gente é que vai perder muitas visitas e consequentemente receitas.

    ResponderEliminar
  4. A internet cresceu como cresceu dada a sua interface simples e liberdade à implementação. No dia em que começarem com filtragens absurdas a tentar quebrar este princípio começa-se a cifrar informação por defeito de forma a contornar estes controlos e acaba-se a mama. Este deve ser mais um que tem tachos ou na área jornalística ou editorial e que tem interesses por trás

    ResponderEliminar
  5. Perde-se mais tempo a tentar controlar a pirataria do que a fornecer plataformas de qualidade que levam os utilizadores a acabar por comprar tal a qualidade. O spotify é um exemplo, e todos ganham inclusive editoras. A netflix outro exemplo..
    Querem algo assim na área jornalística? Façam algo com qualidade, mas qualidade séria e não algo com base em fofocas e difamações sem provas.

    ResponderEliminar
  6. Eu concordo com o Marinho e Pinto, desde que.... Sempre que um advogado faça uma referência a uma lei publicada no Diário da República, ou mencione uma jurisprudência qualquer tenha que pagar uma taxa proporcional aos seus rendimentos! Afinal de contas, também estará a estabelecer uma ligação (link) a uma publicação, gerando no processo lucro à custa do trabalho dos juristas que escreveram e publicaram a lei/jurisprudência!

    ResponderEliminar
  7. Cambada de energúmenos, então este Marinho e Pinho que se queixa dos 10.000 € que ganha e até acha pouco, de facto quem votou nele agora deveria lhe escrever, estas pessoas são uns tecnocratas que não percebem nada da bolota e esse é que é o problema , agora se tem interesses escondidos isso não sei , mas que é B ... É .

    ResponderEliminar
  8. "Marinho Pinto pode ser responsável pela morte da internet (como a conhecemos)"

    Bem, deve ter que ver com a questão da neutralidade na internet, pensei eu.

    Afinal é por causa de obrigar a Google e o Facebook (que fogem massissamente aos impostos) a a pagar uns tostões aos jornais.

    Claro que: "É justo que essas plataformas paguem aos jornais os acessos que facilitam a milhões de pessoas."

    Já praticamente não há jornais em papel, mas há jornais com jornalistas profissionais - que fazem toda a diferença em relação a "uma infinidade de fontes noticiosas gratuitas (de qualidade variável)", incluindo fake news.

    Suportar o jornalismo independente é essencial para a democracia. Google e Facebook lucram com os jornais, é justo que paguem qualquer coisa. .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aires vai ver o que aconteceu em Espanha e Alemanha. O google deixou de ter links para os Jornais, e depois foi o descalabro nas receitas publicitárias desses sites. Tiverem que voltar a trás.

      https://www.zdnet.com/article/the-google-news-effect-spain-reveals-the-winners-and-losers-from-a-link-tax/

      Eliminar
    2. Não sei o que aconteceu na Espanha e na Alemanha. Mas na França pagou "alegremente" 60 milhões https://www.jn.pt/inovacao/interior/google-paga-60-milhoes-de-euros-para-usar-conteudos-de-jornais-franceses-3030507.html

      Mas o que está em causa é o princípio - deve a Google e o Facebook pagar aos produtores de conteúdos, em especial os jornais, que lhes dão muito dinheiro a ganhar?

      E a seguir o meio de os obrigar a pagar - e aqui, cada país individualmente, talvez não consiga, mas a UE, no seu conjunto consegue, podes crer que consegue.

      E foi para isso que Marinho Pinto (e os restantes) foram eleitos deputados ao Parlamento Europeu.

      Eliminar
    3. E devo eu pagar ao jornal por escrever no meu blog a minha opinião sobre determinado assunto e "linkar" o conteúdo sobre o qual estou a dar opinião?!

      Eliminar
    4. Só se te chamares Google ou Faceboook :)

      http://expresso.sapo.pt/economia/2018-06-20-Deputados-europeus-dao-mais-um-passo-para-controlar-plataformas-como-Google-ou-Facebook#gs.Vuv2GRA

      Eliminar
  9. Alguém sabe quanto é que o "aberto até de madrugada" vai passar a facturar? eheheh

    ResponderEliminar

[pub]