2019/01/02

O estado do Android em 2018

O início de um novo ano chega repleto de expectativas sobre o que há-de vir, mas é também o momento ideal para olhar para os últimos doze meses e fazer um breve levantamento dos acontecimentos, neste caso dedicado ao panorama do que se passou na plataforma Android.


As actualizações

O Android tem sido atormentado pela questão da ausência e demora das actualizações, e infelizmente o ano de 2018 não foi diferente - o que acaba por se tornar ainda mais preocupante devido às elevadas expectativas que eram prometidas pelo Project Treble. Em termos hardware, salvo honrosas excepções, as diferentes marcas não conseguiram apresentar produtos verdadeiramente inovadores, contribuindo para um ano morno em termos tecnológicos.

Toda ilusão à volta das actualizações acabou por se ir esfumando ao longo do ano, com os fabricantes a ficarem muito longe daquilo que se esperava e se exige neste campo. A Essential (com apenas um smartphone no mercado) conseguiu bater a própria Google, mas o seu portefólio não tem representatividade no mercado mobile. A OnePlus tem tido melhores prestações, sendo que até os seus modelos mais antigos tiveram direito a prenda do Android 9 Pie perto do final do ano. A Sony e Nokia (HMD) surgem também em primeiro plano, com vários smartphones já a correr Android 9 Pie. Quanto à Samsung e Huawei, já começaram a "abrir a torneira", mas as actualizações estão a chegar a conta gotas e era conveniente que chegassem de forma mais célere. A Asus também já fez chegar esta actualização ao ZenFone 5Z, ficando a faltar a restante armada de smartphones.

O facto de tudo isto não representar sequer 0.1% da plataforma Android demonstra que estamos perante um panorama desolador, não havendo razões para festejar. A Google e os diferentes parceiros têm ainda muito trabalho pela frente.

Samsung

Passemos à analise da prestação das diferentes marcas que operam em Portugal, começando pela número um, a Samsung. A marca sul-coreana manteve a tradição e o Galaxy S9(+) acabou por ser apenas uma edição revista do S8, melhor mas sem deslumbrar ou apaixonar. O Galaxy Note 9, com a sua S Pen, continua a centrar-se ao seu nicho de mercado, tendo respondido ao que se pretende de um equipamento deste tipo: design premium, autonomia prolongada, desempenho de topo e câmaras que permitam obter imagens de grande qualidade.

Huawei

A Huawei ocupa actualmente o segundo lugar nas vendas mobile. O seu P20 Pro surpreendeu com uma câmara tripla, que foi capaz de apanhar toda a concorrência de surpresa. Uma aposta que foi reforçada no último trimestre de 2018, com o lançamento do Mate 20 Pro. Um novo processador e um novo trio de câmaras (caiu o sensor monocromático, dando lugar a uma grande angular) foram os pontos em destaque no Mate 20 Pro.

OnePlus, Nokia, Asus e BQ

Como o terceiro lugar continua ocupada pela Apple, passemos para o grosso do pelotão, sem contudo seguir a ordenação no mercado mobile. Destaques pela positiva, para a OnePlus, Nokia e Asus. A OnePlus vai conseguindo manter-se competitiva e os OnePlus 6 e 6T são prova disso mesmo. Mesmo com o preço a situar-se acima dos 500 euros, continua a ser uma aposta segura e que conta com muitos fãs (e para isso contribuirá também a manutenção das actualizações regulares, assim como o encarecimento dos topo de gama das restantes marcas, que eleva os seus preços para os 800, 900 e até mais de 1000 euros).

A Nokia teve um ano interessante com a renovação do portefólio de smartphones. O Nokia 8 foi aposta para a gama alta (se bem que com um Snapdragon 835 de 2017...) mas acabou por ser na gama média que a HMD conseguiu brilhar com o Nokia 7 Plus, um equipamento completo, a preço super competitivo.

A Asus foi a surpresa do ano. Esteve pela primeira vez no MWC de Barcelona para apresentar novos smartphones e acabou por fazê-lo de uma forma totalmente inesperada, ao anunciar o preço do ZenFone 5Z. Fazer chegar o seu topo de gama ao mercado por 499 euros foi suficiente para colocar em sentido toda a concorrência, inclusivamente as marcas que se posicionavam nesta gama de preços  como a OnePlus.

Há ainda que referir a ex-espanhola BQ, que continuou a apostar na gama média, com os renovados BQ X2 e X2 Pro, smartphones que mostraram ser uma boa aposta para quem procura um equipamento de qualidade.

Sony, LG, HTC e Motorola

Longe do sucesso de outros tempos, temos as históricas Sony, LG e HTC, com a não aposta desta última em Portugal a ser quase igual aos seus resultados a nível mundial. A LG andou para trás e para a frente, tendo o LG G7 ThinQ chegado até nós a meio do ano, com um preço demasiado alto para a actual posição da marca no mercado mobile. A Sony, continua igualmente meio perdida, tendo renovado o design dos seus topo de gama, aquando do lançamento do Xperia XZ2. Surpreendentemente, apresentou na IFA 2018 o Xperia XZ3, corrigindo algumas das falhas do modelo anterior.

A Motorola está oficialmente de regresso ao nosso país, se bem que de uma forma discreta, longe do impacto que conseguiu há alguns anos atrás com o lançamento do Moto G. Já a Alcatel, optou por cerrar fileira e reorganizar-se, voltando a investir na gama de entrada e média baixa, segmentos onde a Wiko também aposta forte.

Xiaomi

Para último, fica a Xiaomi, que já está oficialmente presente em Portugal, se bem que ainda a dar os primeiros passos. Os preços inflacionados, quando comparados com os disponíveis na Amazon Espanha, não têm ajudado nesta implantação no nosso mercado. O mercado online, se bem que "sem garantia", acaba por ser uma opção a ter em conta por quem pretenda adquirir um dos muitos (e bons) smartphones Xiaomi actualmente no mercado.

Nota: A Google fica fora deste breve resumo devido ao facto de os seus smartphones continuarem a não estar disponíveis oficialmente em Portugal. Os Pixel têm o seu encanto, mas estão longe de conseguir o mesmo impacto dos Nexus...


Vamos ver que tal corre este ano de 2019, e se daqui por um ano teremos novidades significativas... ou se voltaremos a ter apenas "mais do mesmo".

11 comentários:

  1. O estado do mercado dos smartphones no 3º trimestre de 2018.
    O que está a dar é o segmento premium (mais de 400 dólares) - sobretudo à Apple.

    https://wccftech.com/apple-iphone-counterpoint-premium-smartphone-market-share/

    ResponderEliminar
  2. Carlos, o que é que queres dizer com "Xiaomi[...] O mercado online, se bem que "sem garantia"?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Penso que o Luis se estará a referir a comprar os Xiaomi nas lojas chinesas online, a preços mais convidativos, mas onde o processo de garantia será mais complicado caso se tenha algum azar.

      Eliminar
  3. Só de pendar que o Nokia 7 Plus esteve a 200€ na amazon...

    Os xiaomis podem ser comprados na PcDiga a preços muito bons mesmo.

    Quanto à minha analise, pessoalmente acho que:
    - Android One marcou a diferença, por um sistema atualizado, funcional, sem lixos adicionais que ninguém gosto

    - Nokia simplesmente brilhou em velocidade de updates, ser android one e preço muito competitivo para qualidade que oferece, por exemplo Nokia 7 plus compete pelo snapdragon 660 com o xiaomi A2, mas oferece:
    - VoLTE
    - Widevine L1 codec para netflix hd
    - Updates mais rápidos
    - Melhores acabamentos
    - Camera2API ligado de raiz

    Quanto ao Android em si, para mim, amante de um equipamento completo para mim acima de tudo este ano foi o o ano da média gama que:

    - Finalmente tenho updates certinhos com o Android One
    - Tenho a incrivel Google Cam e o seu night sight que dá uma coça a telefones de alta gama
    - Tenho um sistema extremamente rápido e sem lags

    Isto normalmente só com gamas muito muito altas ou iPhones. Agora, pelo menos para mim, não é preciso mais dar o preço de um equipamento de alta gama. (ou fica dificil de justificar essa necessidade) - algo que não acontecia antigamente

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A gama média tem cada vez melhores opções e há várias marcas a saber tirar partido deste segmento de mercado. E sim, tal como referido no texto, a estrela foi o 7 Plus.

      Quanto aos preços dos Xiaomi por cá, há que fazer contas. Se na gama média a diferença de preço pode não compensar o risco, na gama alta, dá que pensar, pois chega a ser mais de 1/3.

      Eliminar
  4. Xiaomi ... qualquer update a evitar a todo o custo ... normalmente servem para estragar (vide Xiaomi MiBox 3 - O terror!).

    ResponderEliminar
  5. Comprei um Nokia 7 Plus na Vodafone (por 137,5€), no dia 31 de Outubro de 2018, mas o Android que está instalado é o 9 ( sem Pie...). Já não era tempo de ser actualizado?

    obrigado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estava em promoção, para compras on-line e através do Clube Viva(pontos acumulados na conta Vodafone). E nunca tinha ouvido falar dele... só depois da compra é que me apercebi que é um smartphone bem conceituado...Tive sorte...

      Eliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

[pub]