2019/02/18

Análise ao monitor portátil USB-C AOC I1601FWUX

Utilizar dois monitores num computador permite melhorar significativamente a produtividade, e quem o quiser fazer em mobilidade também o poderá fazer, recorrendo a monitores portáteis como este AOC de que vos vamos falar hoje.


Os portáteis, fruto da capacidade de processamento que oferecem, são cada vez mais vistos como uma estação móvel de trabalho que dispensa o recurso a um computador de secretária. A sua maior limitação está no tamanho do ecrã, acaba por ter ainda mais impacto nos ultra-portáteis, mesmo se estes têm vindo a aumentar a área de ecrã à custa da redução das margens.

Quem pretender melhorar a experiência de utilização do seu portátil, opta normalmente por um segundo ecrã para aumentar a área de visualização disponível. O monitor Philips Brilliance 4K de que recentemente falámos, é uma excelente opção para utilizar com o computador portátil, onde a porta USB oferece versatilidade à utilização do conjunto. Mas, quem o quiser fazer sem ficar preso a uma secretária, tem também uma solução.

O AOC I1601FWUX



O monitor portátil AOC I1601FWUX é disso exemplo, pesando apenas 820g, com as medidas a serem também elas compactas, de apenas 235,2 x 376,1 x 8,3 mm. Este monitor não tem uma bateria interna, mas não será necessário andar com mais um transformador na mala. A alimentação é feita através do cabo USB, pelo que bastará ligar o monitor ao portátil e já está.

Além do cabo USB-C, dentro da caixa do produto vão também encontrar um guia rápido, um CD com drivers e aplicações e ainda uma capa de protecção para o ecrã, a qual tem a particularidade de também servir de suporte para o monitor, graças às bandas magnéticas que possui.


Esta acaba por ser uma solução inteligente, com a capa a oferecer uma protecção para o ecrã, ao mesmo tempo que lhe serve de berço, quando em utilização.


Quando instalado, o ecrã fica inclinado a 5º, sendo esta a posição recomendada para a sua utilização. A capa permite também colocar o monitor a 25º mas a AOC não recomenda este cenário, facto que tive oportunidade de comprovar, uma vez que deixa o ecrã bastante instável.



O monitor pode ser instalado em modo retrato ou paisagem, com a capa a oferecer igual estabilidade nos dois modos de funcionamento. De referir que ao rodar o ecrã, a imagem se ajusta automaticamente, algo que acaba por ser bastante conveniente e simpático para o utilizador. Há no entanto que ter em conta o comprimento do cabo que acompanha o monitor, que se pode revelar demasiado curto, especialmente se o portátil só tiver portas USB-C do lado oposto ao local onde o querem colocar.


O cabo apresenta um nível de rigidez assinalável, o que lhe confere uma maior resistência mas, por outro lado, dificulta a instalação do monitor. Quando montado em modo retrato, este facto torna-se ainda mais evidente, com o cabo a fazer umas deselegantes voltas por cima do ecrã. Uma ficha a 90º poderia ajudar a limitar esta situação e encaminharia o cabo para o local pretendido. O facto de se tratar de uma ligação USB-C permitiria ainda dirigir o cabo tanto para a direita, como para a esquerda. Uma sugestão que esperamos que a AOC tenha em consideração para o futuro.


Em termos de controlos, temos um modelo ultra económico, com apenas um botão para ligar/desligar o equipamento, nada mais que isso. É com este botão que vão controlar o sistema on-screen display - OSD - que é apresentado na zona inferior do ecrã.


Ao tocarem uma vez neste botão, aparece um menu com seis opções: brilho, contraste, modo overdrive, baixo nível de azuis, idioma e sair. Para escolher uma destas opções, basta ir clicando no botão, até chegar a posição desejada, devendo posteriormente esperar 3 segundos para a opção ser seleccionada.

Para ajustar o brilho ou contraste, terão de carregar até atingir o nível desejado, sendo que o controlo é sequencial, indo de 0 a 100, regressando a 0. Este sistema é funcional, mas acaba por ser pouco prático, devido à ausência de um segundo botão, que facilitaria o controlo das diferentes opções.


Face a esta limitação, o controlo via software, com as diferentes opções a serem apresentadas no ecrã, acaba por ser bem mais prático de utilizar. Para esse efeito, terão de instalar as aplicações incluídas no CD que acompanha o equipamento.


O i-Menu é a alternativa ao sistema OSD, se bem que o software em si é algo lento a responder.


O e-Saver, tal como o próprio nome indica, serve para configurar as opções de poupança de energia, algo que também poderão fazer nas definições do windows, pelo que esta app poderá ser redundante.


O Screen+ é uma aplicação bastante curiosa. Particiona o ecrã criando áreas de trabalho pré-definidas, o que permite às janelas ajustarem-se automaticamente. De referir que o particionamento também pode ser efectuado nos outros monitores que tiverem ligados ao computador, sendo a configuração independente, ou seja, definida para cada individualmente para cada ecrã.


Quando arrastam uma janela, a aplicação apresenta um grafismo com as áreas que foram seleccionadas.


Quando se solta a janela, esta vai-se adaptar à dimensão da área onde se encontra. Na imagem em cima, podem ver no monitor AOC, o resultado de três secções verticais.


Este ecrã IPS de 15,6" apresenta uma resolução Full HD, com os 160º anunciados como ângulo de visão a serem claramente exagerados face ao tipo de utilização que o produto por norma terá. Os 220nits de brilho serão suficientes para garantir uma boa experiência de utilização, mas o mesmo já não se pode dizer do contraste, que surge algo limitado nas imagens mais escuras, com este facto a ser ainda mais notório na visualização de vídeos, particularmente nas margens laterais do ecrã. Caso detectem algum arrastamento na imagem, podem activar o modo overdrive, o qual vem desactivado de origem.

EMUI Desktop do Huawei Mate 10 Pro a correr no monitor AOC

Numa altura em que os smartphones apresentam uma capacidade de processamento já muito próxima dos PCs, ligar este ecrã a um telemóvel, poderá transformar este último numa estação de trabalho, dispensando o transporte do portátil. É uma opção interessante, mas ainda com um longo caminho pela frente, com o futuro a passar por aqui. A ver vamos para onde a evolução da tecnologia nos levará.


Apreciação final

Quem trabalha em mobilidade e tem por hábito utilizar um segundo monitor, tem neste AOC I1601FWUX uma proposta a ter em conta. Graças ao sistema de suporte que a capa possibilita, torna-se muito prático de utilizar. A versatilidade que o conjunto oferece, é a ideal para quem anda com o computador "às costas", pois o monitor só acrescenta cerca de 800g ao peso a transportar. Caso o portátil possa ser carregado com um powerbank, poderão inclusivamente dispensar o carregador, passado a trabalhar em mobilidade total.

Apesar de todas estas vantagens, há aspectos a melhorar, como é o caso do controlo do OSD, ou a limitação das posições oferecidas pelo sistema de suporte. O facto de não trabalhar com um cabo USB tipo A, é um aspecto restritivo, limitando a utilização aos equipamentos mais recentes, com portas USB-C.

O peso e versatilidade de utilização, são os dois principais argumentos, que fazem deste monitor AOC I1601FWUX uma opção interessante para quem pretende um segundo monitor, fácil de transportar. Com um preço na casa dos 200 euros, é merecedor de um distinto QUENTE.



AOC I1601FWUX
Quente


Prós

  • Portabilidade
  • Capa serve de suporte

Contras

  • Apenas um botão
  • Limitado a cabos USB-C



Monitor USB-C AOC I1601FWUX

Quente (4/5)

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]