2019/06/27

Análise ao Samsung Galaxy A70



Para além dos topos de gama, as grandes marcas de smartphones também apresentam opções mais em conta, como é o caso da Samsung e do seu recente Galaxy A70. Mas que tal se comportam estes modelos de gama média-alta?


O Samsung Galaxy A70


Este é um smartphone que se posiciona na gama média-alta, com características de fazer inveja aos "topos de gama" de alguns fabricantes mais modestos. O Galaxy A70 vem equipado com um processador octa-core Qualcomm Snapdragon 675 (2x cores @2 GHz e 6x cores @1.7 GHz) e processador gráfico Adreno 612. O ecrã é um Super AMOLED "Infinity-U" de 6,7", com resolução 1080 x 2400 (FHD+) e formato 20:9 (com notch em forma de gota) e sensor de impressões digitais (sob a parte inferior do ecrã). Quanto a memória, o A70 vem equipado com 6GB de RAM e 128GB de armazenamento interno (expansível por cartão microSD até 512GB).


O A70 permite a utilização em simultâneo de dois cartões nano-SIM e ainda de um microSD, conta com um conector USB-C e também mantém a ficha de 3.5mm para headphones - algo que começa a ser raro nos dias que correm. Ao nível da conectividade, o A70 suporta as normas WiFi 802.11 a/b/g/n/ac, WiFi direct, Bluetooth 5.0, NFC e, para além da habitual ligação GPS, suporta ainda o novo sistema Galileo. O A70 pesa 183 gramas, mede 164,3 x 76,7 x 7,9 mm e inclui uma generosa bateria de 4500mAh.

Na caixa encontramos um carregador USB-C "fast-charging" de 25W, cabo USB-C e earphones com ficha de 3.5mm. De referir que o Galaxy a70 vem convenientemente protegido dentro da embalagem, uma vez que a Samsung optou por colocar por cima do seu ecrã uma pequena caixa com toda a documentação sobre o equipamento.

O Samsung Galaxy A70 está disponível em quatro cores (Coral, Azul, Preto e Branco), apresentando um efeito prisma que revela um degradê de cores de acordo com a direcção da luz e reflexos.


Em funcionamento


O Galaxy A70 vem com Android Pie 9.0, que utiliza a versão 1.1 do One UI, o novo interface da marca coreana, que veio substituir o TouchWiz. Apesar de estar concebido para ser utilizado apenas com uma mão, torna-se complicado fazê-lo quando usamos o Galaxy A70, devido ao seu enorme ecrã de 6,7". De qualquer forma, o One UI revela-se um interface a que nos conseguimos adaptar com relativa facilidade, sendo bastante intuitivo e rápido - graças também aos seus 6GB de RAM.


O desbloqueio do A70 pode ser feito de várias formas, desde os tradicionais pin ou padrão de desbloqueio, até ao reconhecimento facial e impressão digital. Tendo configurado o reconhecimento facial e as impressões digitais, foram estas duas opções que testei durante o tempo de utilização do A70 e confesso que fiquei um pouco desiludido com o funcionamento de ambas as funcionalidades. Vamos por partes.

O reconhecimento facial funciona de forma irregular, ou seja, nem sempre funciona à primeira (às vezes nem à segunda ou terceira!); umas vezes funciona bastando apenas apontar a câmara frontal à nossa cara, mas noutras ocasiões é necessário carregar no botão power para o reconhecimento facial funcionar. Há ainda outras ocasiões em que, pura e simplesmente, não é capaz de fazer o reconhecimento.

Quanto ao leitor de impressões digitais sob o ecrã, também nem sempre funciona; umas vezes basta um ligeiro toque ecrã para o reconhecimento funcionar de imediato, enquanto outras vezes não faz o reconhecimento de nenhum dos três dedos que estão definidos.

Os problemas das falhas do reconhecimento facial e impressões digitais verificaram-se tanto em situações de fraca luminosidade, como com boa luminosidade. Para tirar a dúvida acerca da possível má configuração inicial do reconhecimento facial e das impressões digitais (e dar o benefício da dúvida ao equipamento), repeti o processo por duas vezes, mas o comportamento manteve-se.

Pouco tempo depois de começar a usar o A70 a Samsung lançou uma actualização (no dia 10 de Junho) que instalou as actualizações de segurança de Maio e que, entre outros, referia a melhoria no reconhecimento das impressões digitais ("performance of fingerprint recognition has been improved"). No entanto, não verifiquei qualquer melhoria nesta funcionalidade. Esperemos que seja algo que possa de facto ficar corrigido numa futura actualização.


Quanto a resultados de benchmark, aqui ficam os resultados obtidos no Geekbench 4, em duas ocasiões distintas, com resultados ligeiramente diferentes.


A bateria de 4500mAh do A70 garante que, em utilização normal, conseguimos utilizar o smartphone durante dois dias, sem problemas de maior, mesmo com o modo "always on display" activado.


O tamanho e posicionamento do speaker do A70 são um factor que a marca deveria reconsiderar, pois durante as chamadas apenas se consegue ouvir o outro interveniente se o equipamento estiver colocado numa posição muito limitada; houve ocasiões em que deixava de ouvir a outra pessoa apenas por mover o smartphone alguns milímetros.

De referir um último ponto relativamente ao ecrã, uma vez que devido às suas dimensões e muito provavelmente por falta de adaptação da minha parte, por vezes dei por mim a tocar no ecrã com a parte interior da mão esquerda, enquanto apenas o queria segurar com essa mão - algumas batalhas do Clash Royale sofreram por causa desta falta de adaptação. ;-)


As câmaras



A utilização de câmara tripla nos smartphones já não é uma novidade, e o A70 é mais um dos equipamentos que recorre a esta técnica para melhorar a qualidade das suas fotos e vídeos. O conjunto traseiro é composto por câmaras com resolução de 32.0 MP (f/1.7), 5.0 MP (f/2.2 - sensor de profundidade) e 8.0 MP (f/2.2, 12mm ultrawide), e zoom digital de 8x. À frente temos uma câmara com resolução 32 MP (f/2.0).



Seguem-se um exemplo de fotos tiradas no mesmo local com o modo ultrawide, normal, zoom e zoom 8x.



Como dá para perceber, o zoom de 8x não faz milagres, uma vez que é apenas digital e não óptico, mas serve para desenrascar.

Já em relação à opção ultrawide, esta revela-se bastante prática, especialmente em situações em que estamos praticamente em cima dos objectos a captar e em que pensamos que não vai ser possível conseguir apanhar tudo na foto, como se consegue ver no exemplo abaixo.


Quanto a fotos em ambientes com pouca luminosidade ou à noite, o A70 consegue superar o desafio, obtendo imagens com qualidade suficiente para dar aos seus utilizadores a garantia de que podem utilizar este smartphone para tirar fotos em qualquer situação.



Em relação ao vídeo, as câmaras traseiras têm a capacidade de gravar com uma resolução 4K a 30fps ou em Full HD a 30fps ou em super slow motion a 240 fps, enquanto a câmara frontal consegue gravar em Full HD a 30fps.




Apreciação final


Apresentado em Março deste ano, o Samsung Galaxy A70 é um smartphone a considerar por quem pretende um equipamento com bom desempenho, uma câmara acima da média e bateria para dois dias de utilização normal, mas que não queira gastar uma fortuna a comprar um topo de gama (o A70 já se encontra à venda por cerca de €340).


Samsung Galaxy A70
Quente

Prós
  • Ecrã Infinity-U de 6.7"
  • Facilidade de utilização do One UI
  • Câmara

Contras
  • Falhas ocasionais no reconhecimento facial
  • Falhas ocasionais na leitura das impressões digitais




Samsung Galaxy A70

Quente (4/5)

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]