2019/10/26

Google vai criar vários estúdios de jogos para o Stadia


A Google diz que a sua aposta no serviço de streaming de jogos Stadia vai ser mesmo a sério, e ao ponto de criar vários estúdios de jogos para desenvolverem exclusivos para a plataforma.

Parece que a fórmula nos serviços de streaming acaba por resultar quase sempre no mesmo, e no caso do Stadia a Google nem sequer vai esperar para saltar logo para o "fim" - ou seja, a criação de conteúdos próprios, que neste caso se traduz no investimento nos seus próprios estúdios de jogos para criarem jogos exclusivos para o Stadia.

A Netflix demonstrou o processo, de forma bastante mais vagarosa, começando por fazer streaming de conteúdos de terceiros, e depois começando a apostar com cada vez mais força na produção de conteúdos próprios. Algo que actualmente tem sido replicado por praticamente todas as outras plataformas. Tanto a Amazon como a Hulu têm também investido cada vez mais nas suas séries e filmes, e a Apple também já anunciou que puxar da carteira para produzir algumas das mais dispendiosas séries até à data (e nem vamos falar do serviço da Disney, onde implicitamente já se trata de conteúdos próprios).

O sector dos jogos também é um dos que mais vai lutando por exclusivos, e a Google espera que o Stadia se venha intrometer no meio dos campos Xbox / PlayStation, com uma importante diferença a longo prazo: com os jogos exclusivos do Stadia chegará também o fim da pirataria. Ao contrário dos jogos em streaming que continuam a ser jogos que podem ser jogados e pirateados nas diversas plataformas, a existência de jogos exclusivos em streaming fazem com que não haja nada do lado dos jogadores que seja possível piratear. No máximo, poderemos começar a ver mais situações de partilha de contas para dar o acesso ao serviço, mas sendo algo que a Google também conseguirá controlar se se vier a tornar demasiado abusivo. Por outro lado, esta aposta irá desincentivar que outros estúdios queiram ceder conteúdos para uma plataforma mais interessada em promover os seus exclusivos (contribuindo ainda mais para que cada editor queira lançar o seu próprio serviço).

Mas, antes de isso e mais importante que tudo, será demonstrar que o Stadia é um serviço funcional - e mais rápido do que jogar em PCs ou consolas locais. Se assim não for, as suas aspirações poderão ser frustradas logo à partida, e daqui por uns anos o Stadia ser apenas mais projecto a ir parar ao cemitério de falhanços ou desistências da Google.

2 comentários:

  1. Mais um produto da Google que não chega a todos os mercados...Como é que se explica isto? Não vejo mais nenhuma gigante tecnológica a fazer isto

    ResponderEliminar

[pub]