2020/06/22

Apple anuncia Macs com os seus CPUs ARM


Tal como se esperava, a Apple aproveitou o WWDC 2020 para revelar a transição dos macs para os seus próprios CPUs ARM, seguindo a táctica já utilizada nos iPhones, iPads, Apple Watches, e até nos AirPods.

A Apple revelou finalmente aquilo que já era esperado há um par de anos. Depois do sucesso que teve ao criar os seus próprios chips para os iPhones e iPads, com desempenho a dar saltos significativos de ano para ano, era apenas uma questão de tempo até que se começasse a pensar: porque não fazer o mesmo para os Macs? E aqui está a resposta.


Com a experiência acumulada no desenvolvimento de chips ao longo da última década, a Apple está extremamente bem posicionada para criar um chip que seja de alto-desempenho e com níveis de eficiência que envergonharão os CPUs desktop tradicionais.

Claro que a Apple também irá tirar partido da sua capacidade de fazer uma simbiose perfeita entre o software e hardware, incluindo módulos de hardware que beneficiam as necessidades do software e vice-versa; tal como já tem sido feito no iOS e iPadOS.


Infelizmente, por agora a Apple guarda os seus chips Mac em segredo, optando por usar apenas um sistema de demonstração que adopta um chip A12Z, o mesmo utilizado nos iPad Pro mais recentes; mas que foi capaz de lidar com todo o tipo de tarefas associadas ao processamento desktop, incluindo Photoshop a manipular uma foto de 5GB, ou o Final Cut Pro a aplicar efeitos e títulos em tempo real a vídeo 4K. E para assegurar que os utilizadores não sofrerão durante o processo de transição, também foi demonstrado como apps não compiladas para os ARM, como apps exigentes e jogos,  conseguem funcionar sem lentidão perceptível mesmo ao correr em modo "convertido". E tudo isto no mesmo chip actualmente utilizado num iPad, com todos os constrangimentos de consumos e dissipação... Agora, imagine-se o que será possível num chip onde esses constrangimentos sejam removidos, podendo contar com ventoinhas e sem necessidade de se preocupar com os consumos.

A Apple aponta um período de dois anos para proceder à transição de toda a sua linha Mac para os seus próprios chips ARM... e vai ser interessante ver o impacto que isto irá ter na Intel e AMD. Eventualmente, poderá ser o início do fim da era x86.

6 comentários:

  1. o princípio do fim da arquitetura x86 no espaço doméstico. A Intel e AMD nunca otimizaram os seus chips verdadeiramente até muito recentemente, e só agora que a Apple disse basta e a MS inclusive já faz personalizados com a Qualcomm, é que vemos grandes saltos no GPU (até agora 99% dos chips traziam variantes das HD 6xx que por sua vez eram apenas uns mini updates das HD 5xx.

    Um ipad pro de 800€ dá 20-0 em edição de fotos e vídeo a um PC do mesmo preço. já nem falo que a maioria dos cpu de 10a geração da Intel são de 14nm com uma UHD 630 ...

    boa viagem Intel (talvez a AMD tenta mais sucesso ou comece com ARM)

    ResponderEliminar
  2. Não me parece que seja assim tão linear essa análise. A Intel sim tem tido enormes constrangimentos na passagem da litografia. Nem estou a defender a empresa, tanto que uso AMD agora. Mas dizer que será o fim de x86 parece-me exagerado! Tanto que são arquiteturas bem distintas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também achava que a Nokia nunca ia perder o seu posto, mas foi o que aconteceu num par de anos...

      Pondo as coisas em perspectiva:

      1) A Microsoft tem um Windows a correr em ARM.
      2) Todo o software que seja JAVA, Python ou outra qualquer linguagem que interpretada, irá correr. Ou seja, das 10 linguagens mais usadas, apenas terás de trabalhar em cima de apps que basicamente sejam C ou C++. Mesmo C# correrá em Windows sem problema.
      3) Em 2018, 1 em cada 10 laptops era um Macbook (por esta altura deverá ser superior). Isto significa que 10% do mercado, será ARM num futuro próximo.
      4) Linux já corre em ARM há muitos anos, logo aqui não será problema.
      5) Das 3 grandes consolas a Switch já usa ARM. As outras duas usam AMD (aqui a Intel fica à rasca).
      6) Apesar da Qualcomm aparentemente ter perdido o interesse em lançar soluções ARM para servidor, isso não impede um gigante como a Amazon de começar suportar vários serviços com o AWS Graviton (ARM).

      Com isto quero dizer que não defendo uma arquitectura em detrimento da outra. Mas parece-me estranho nem a Intel nem a AMD serem uma referência em tudo o que seja mobile. E a menos que tirem algo da cartola, até a AMD se arrisca a perder as consolas para a nVidia.

      A ver vamos.

      Eliminar
  3. A sinergia que a Apple tem entre hardware e software, não tem paralelo! Contudo não, nos podemos esquecer que a Intel é um gigante adormecido. A AMD, neste momento estará melhor preparada para o futuro(com a ajuda de um ex eng de cpu da Apple), mas não podemos descartar a Intel, nem que seja pelas jogadas sujas do passado.

    ResponderEliminar
  4. Grande coisa.. Bando de hipocritas ! Colocam preços absurdos e surreais.. só o Rico pode comprar ! O povo é tirado pra otário como sempre !😠😠

    ResponderEliminar
  5. Temos uma pequena amostra no Raspberry Pi, que é suportado por uma pequena fundação e mostra que é possível usar arm, como PC ainda que devagar. Vamos ver.

    ResponderEliminar

[pub]