2020/08/14

Análise ao Huawei MateBook D 14


O MateBook D 14 é um portátil de gama média que se apresenta com um conjunto de hardware equilibrado e um design inspirado nos modelos premium, mas será isso suficiente para o diferenciar dos seus concorrentes e torná-lo na escolha dos consumidores? É o que vamos descobrir.


O MateBook D 14



Este portátil segue as linhas dos modelos premium, se bem que com ligeiras alterações no ecrã, como moldura e na base, a qual apresenta mais alguns milímetros, que no entanto acabam por ter uma utilização prática. O corpo em metal apresenta uma boa qualidade de acabamentos, mas as arestas da base, demasiado vivas, poderão não ser do agrado de todos. Em termos de dimensões, o MateBook D 14 conta com uma largura de 322,5 mm, 214,8 mm de profundidade e uma altura máxima de 15,9 mm, na zona intermédia da base. Com 1,38Kg de peso, é um portátil que fica a meio caminho entre os transportáveis e os ultrabooks.


O ecrã apresenta uma moldura a toda a volta com margens reduzidas nas laterais esquerda e direita (6mm) e também na superior, com a Huawei a tirar partido de um posicionamento alternativo para a câmara. A margem inferior é bastante mais larga com 21mm.

A grande maioria das teclas apresenta-se com 1,65mm de lado, existindo um intervalo de 3mm entre cada tecla. O teclado não ocupa a totalidade da largura da base, ficando com uma margem de 23mm de cada lado, sendo que no lado direito conta ainda com a presença de um sensor de impressão digital.



A primeira linha de teclas de função apresenta metade da dimensão da tecla padrão, é partilhada com várias acções de controlo, acessíveis através da tecla Fn.



O touchpad aparece centrado na zona inferior da base, ocupando um pouco mais de um terço da largura do equipamento.



Em termos de portas, na lateral esquerda conta com uma porta USB tipo C, uma porta USB 3.0 tipo A e uma saída HDMI. Temos ainda um LED de estado para o carregamento.



Do lado direito, temos mais uma porta USB tipo A, mas apenas USB 2.0 e uma ficha áudio de 3,5mm.



Na zona inferior encontramos dois pés e uma barra de borracha para a estabilização do equipamento. A grelha para ventilação com cerca de dois centímetros de lado, ocupa a quase totalidade da largura do portátil. Nas extremidades laterais, de cada lado, existe ainda grelha para saída de som.



O MateBook D 14 apresenta-se com um processador AMD Ryzen 5 3500U, 8GB de RAM, SSD PCIe de 512GB, ecrã IPS Full HD com 14" e uma bateria de 56 Wh.



A câmara com 1 MP (720P HD) está embutida no teclado, na zona das teclas de função.


Em utilização



O ecrã de 14 polegadas apresenta uma resolução Full HD com um ângulo de visão lateral que permite a visualização de conteúdos a quem esteja ao lado do utilizador. O acabamento mate do ecrã em conjunto com os 250nits de brilho permitem uma visualização confortável, mesmo em ambientes com luz solar directa, onde apenas destoa a margem inferior, com uma dimensão muito superior às restantes. O ecrã roda 180º, algo que poderá ser interessante para alguns cenários de utilização, nomeadamente para apresentações, que poderão ser acompanhadas de som, visto este Matebook D 14 apresentar umas colunas verdadeiramente potentes. O nível de som atingido fica muito acima do que é habitual nestes equipamentos, sendo que neste caso até peca por excesso em caso de algum descuido acidental. Além da potência, uma nota de destaque também para a qualidade de som, muito acima da média, tendo o portátil surpreendido bastante pela positiva neste campo.

O processador AMD Ryzen 5 3500U, produzido com uma tecnologia de fabrico com 12nm, apresenta quatro núcleos a 2,1Ghz, consegue uma velocidade máxima de 3,7Ghz para apenas um dos núcleos. Tem uma gráfica Radeon RX Vega 8 integrada, com 8 núcleos (512 Shaders) a 1200 MHz.



Este processador de gama média, não consegue acompanhar o nível de desempenho das unidades de nova geração (Ryzen 4000), mas é suficiente para garantir uma boa experiência de utilização na grande maioria das tarefas, com a vantagem de o sistema de refrigeração não ser demasiado ruidoso, passando normalmente despercebido. Quando em elevada carga durante um período alargado de tempo, a velocidade máxima diminui para a casa dos 2,8-2,9Ghz, o que não sendo o desejável, acaba por ser não ser tão penalizador como em algumas soluções da Intel.

O SSD PCIe com 512GB acaba por saber a pouco, ficando-se por uns curtos ainda que simpáticos 1785MB/s em leitura e 1653MB/s em escrita. Não é uma unidade ultra rápida, mas acaba por cumprir, apenas não deslumbra com velocidades estonteantes.


O botão de power incorpora um sensor de impressões digitais, facto que se revela extremamente útil para desbloquear o portátil sem recorrer à câmara frontal ou à introdução de uma password. A leitura da impressão digital é feita aquando da pressão do botão para ligar o equipamento, não sendo por isso necessário efectuar um segundo toque para ler a impressão digital.



O teclado ocupa a quase totalidade da largura das 14" deste MateBook D 14. A dimensão e curso das teclas permite uma excelente cadência de escrita, em tudo semelhante à que os modelos premium da marca disponibilizam, havendo apenas uma diferença em termos sonoros com este modelo a apresentar um ruído mais acentuado ao teclar.




No canto inferior direito, quatro teclas de cursor que embora não apresentem essa referência, dão igualmente acesso às funções Home/End/PageUp/PageDown quando combinadas com a tecla Fn.



A retro-iluminação do teclado apresenta apenas dois níveis de brilho e é activada através da pressão da tecla de função F3. O primeiro nível é demasiado fraco e o segundo nível pouco acrescenta em termos de intensidade. Um terceiro nível, com maior brilho e um reajustamento dos outros dois, disponibilizaria um leque de opções bem mais interessante para o utilizador.

O touchpad apresenta uma largura considerável, com a profundidade a ser um pouco mais curta que o desejável, o que poderá dificultar a execução de alguns movimentos. Apresenta um bom nível de sensibilidade ao toque, conseguindo detectar os movimentos com 3 ou quatros dedos, necessários para executar alguns dos gestos que o Windows 10 disponibiliza.


A bateria de 56W é carregada pela porta USB-C através do carregador com 65W de potência.



É igualmente possível efectuar o carregamento com carregadores de menor potência ou até mesmo um powerbank, sendo que nestes casos o carregamento será efectuado de forma mais lenta.


Com 1,38Kg, este portátil fica próximo do peso de um ultrabook, com os 400g a não serem demasiado penalizadores para quem tiver de andar com o computador diariamente às costas. Além do peso, outro aspecto a considerar na portabilidade é a autonomia, com o MateBook D 14 a conseguir com facilidade um pouco mais de 6 horas (brilho a 60%), podendo ultrapassar as 7 horas com uma redução do brilho do ecrã.



Em termos de software, a Huawei tem mantido a mesmo política minimalista, sem lugar ao altamente dispensável bloatware, facto que naturalmente se saúda. O PC Manager é a única excepção, sendo esta ferramenta o elo de ligação para quem tenha um smartphone da marca chinesa. A interacção é excepcional, permitindo controlar o smartphone ("Multi Screen Collaboration" ) através de uma janela, a qual reproduz o conteúdo apresentado no ecrã do terminal móvel.


Além de controlar o smartphone, é ainda possível enviar e receber ficheiros com toda a facilidade, bastando um simples seleccionar e arrastar do ficheiro, entre a janela do "Multi Screen Collaboration" e o ambiente trabalho/pastas, ou vice-versa, o que facilita em muito a vida a quem tenha de editar no portátil, documentos que estejam no smartphone.


Apreciação final



A Huawei tem vindo a reforçar a sua posição no segmento dos portáteis. A qualidade dos seus equipamentos premium tem-se também alastrado até à gama média, com os equipamentos como este MateBook D 14 a apresentarem-se com fortes argumentos perante as propostas da concorrência. A unidade de testes que a marca nos fez chegar já apresenta algum tempo de mercado, sendo que até já foram anunciados os novos modelos desta série, com mais apetecíveis processadores Ryzen 4000 que irão contribuir para melhorar o desempenho global das máquinas. Mas, mesmo assim, este MateBook D 14 continua a ser merecedor de um distinto QUENTE.

Se estão à procura de um portátil de gama média, este MateBook D 14 é uma das boas opções de deverão ter em conta, estando disponível no mercado com um preço a começar nos 650€ (ou até menos). Contudo, caso não tenham pressa, poderá ser interessante esperar mais alguns meses, pela chegada dos novos modelos.




MateBook D 14
Quente

Prós
  • Qualidade de construção
  • Desempenho equilibrado

Contras
  • SSD poderia ser mais rápido
  • CPU "limitado" aos Ryzen 3000



Huawei MateBook D 14

Quente (4/5)

3 comentários:

[pub]