2020/11/18

Como passar as fotos do Google Photos para um NAS (Synology)


Com o fim do armazenamento gratuito no Google Photos há quem procure alternativas, e o recurso a uma NAS própria para evitar dependência na cloud de serviços externos é uma das propostas mais consensuais.

Durante anos, os consumidores acomodaram-se às vantagens deste serviço da Google, com as suas fotos a ficarem armazenadas online sem que fosse necessário pagar. As fotos eram armazenadas com compressão acrescida e limita de resolução que, face à gratuitidade do serviço, acabava por ser um constrangimento aceitável.

A análise ao Huawei P40 veio por a nu a dependência dos serviços da Google, com o GMail, YouTube, Google Maps e Google Photos a serem ausências que, com maior ou menor impacto, se fizeram notar. Desde então que comecei a procurar alternativas para alguns dests serviços, com o NAS da Synology a ser a primeira opção.


Assim sendo, comecei a estudar o assunto, tendo a nossa mailing list e o grupo do Slack fornecido boas dicas, com o Google Takeout a ser a primeira acção a realizar. Seleccionadas as fotografias, foi tempo de esperar que a Google disponibilizasse os links para download, algo que aconteceu em menos de 24h.



Efectuado o download dos ficheiros e feita a sua descompactação, deparei-me com inúmeras pastas, organizada por datas e álbuns. A questão agora era descobrir como é que iria passar as fotografias para o NAS.



A Synology tem no Photo Station a sua solução de referência para a gestão de fotos, mas nos tempos mais recentes a marca tem vindo a desenvolver o Moments, uma aplicação que à imagem do Google Photos, organiza as fotografias por álbuns, data, local e assunto.



Aproveitando o facto de ainda ter cerca de 3 anos de fotografias no smartphone, optei por instalar a app Android e desta forma as fotos e vídeos passaram de forma automática para o NAS. Ficavam agora a faltar as que estavam no Google Photos.



O Moments tem na barra de atalhos, uma opção para adicionar novos conteúdos (ou criar álbuns). Esta opção acabou por não se revelar prática, pois só permite adicionar ficheiros e não pastas. Tendo em conta que a extração do Google Photos estava organizada por pastas, houve que procurar outra opção.



Como por norma acontece quando se procura uma solução para fazer algo de novo num NAS da Synology, a resposta surge de forma expedita. A DSM veio mais uma vez a mostrar-se extremamente prática, com o Moments a aceitar o arrastar das pastas, importando automaticamente as fotografias e vídeos para o armazenamento do NAS. Simples, prático e eficaz, como de resto se espera de um produto de qualidade.



As fotografias ficam automaticamente organizadas por data, sendo que nem temos o trabalho de excluir os ficheiros *.json que são exportados do Google Photos.



De referir que os dados relativos a cada imagem continuam a estar disponíveis, podendo ser consultados através do ícone na barra de atalhos.



Os mais curiosos, por certo que se questionam onde é que as fotografias e vídeos do Moments ficam armazenados. Todos os dados são guardados numa pasta criada dentro da home/drive do utilizador do NAS. Para cada smartphone a correr a app Moments, será criada automaticamente uma pasta, onde ficam guardadas as fotos e vídeos desse equipamento. As fotos importadas manualmente ficam guardadas na pasta Web, também organizadas por pastas/data. Apesar desta divisão, e independentemente da fonte, na app Moments todas as fotografias surgem organizadas por data, não havendo divisão pelo smartphone.



Caso pretendam esta diferenciação, basta escolher a ordenação por pastas, ficando apresentado como no Drive.


Tal como acontece no Moments, também é possível arrastar pastas para o Drive, ficando estas com o mesmo nome que tinham originalmente.


Após finalizada a sincronização, as fotografias e vídeos passam a ser igualmente apresentadas no Moments (porque foram copiadas para uma sub-pasta do armazenamento deste último).


Devem ter em atenção que todos os ficheiros passaram para o armazenamento do NAS. No caso em questão, os *.json também foram copiados, pelo que ou os apagam manualmente antes de copiar para o NAS, ou posteriormente - isto claro, se não os pretenderem manter.

Em resumo

Fica assim resolvida a questão do armazenamento das fotos e vídeos, sendo possível aceder às fotos a qualquer momento e em qualquer lugar através dos serviços que a Synology disponibiliza. De referir que um NAS não oferece o mesmo nível de disponibilidade que o Google Photos, pois basta os discos avariarem para o seu conteúdo se perder, pelo que deverão ter backups das fotografias e vídeo para precaver qualquer incidente inesperado.

Nota: Este processo foi realizado num NAS Synology, visto ser o que temos disponível para teste. Há outras opções/marcas no mercado, que muito provavelmente também disponibilizarão uma alternativa ao Google Photos.

19 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Seria interessante partilharem quando é que fica um "bicho" desses e o custo do consumo energético anual.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. DS220j, 175€ mais discos.
      Consumo, 5W em standby, 13 a 15W em operação. O custo do consumo vai sempre depender da utilização do NAS.

      Eliminar
  3. Não é caro e não gasta muito. Mas posso ver o meu e dar valores

    ResponderEliminar
  4. Convenhamos que todo o processo é medonho...
    Não é para qualquer um.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Longe disso. Para quem tenha um NAS, o processo de passagem das fotos não é mais do que utilizar uma das várias opções disponíveis.
      O artigo não aborda a sincronização automática das fotos e vídeos, tudo o que estiver no smartphone, pode passar automáticamente para o NAS, inclusíve as imagens (no armazenamento do telefone) que tenham passado para Google Photos.

      Eliminar
  5. Não existe nada parecido para quem tem um NAS com base windows 10?

    ResponderEliminar
  6. 175€ + 15€ = 190€
    15€ disco de 100gb
    Google 20€/ano
    9,5 anos.
    No entanto bom artigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, mas não esquecer que não vais meter um disco de 100GB, metes um de 4TB (80 euros +/-) ou mais; para 10TB na Google pagas €50 por mês, o que ao final de um ano já pagou o NAS e um disco de 10TB e ainda sobra. (E ter em conta que um NAS em casa dá para muito mais que só para fazer backups das fotos. :)

      Eliminar
    2. É preciso ter em conta que os discos podem avariar. Na cloud o único risco é ter a conta bloqueada.

      Eliminar
    3. Daí ser referido no artigo "deverão ter backups das fotografias e vídeo para precaver qualquer incidente inesperado."

      Eliminar
    4. E o risco de mudarem as condições a qualquer momento... que deu origem a este post. (Mas não impede que continue a ser uma opção perfeitamente válida. )

      Eliminar
  7. router com ddwrt... e ativar o SAMBA...

    ResponderEliminar
  8. Excelente artigo.
    Também me decidi pelo NAS da Synology, no meu caso um 918+ que utilizo para vários fins. Correr alguns continers Docker (Minecraft por exemplo), Drive (tipo google drive), Moments (tipo google photos), Video Station (Filmes), Note Station (Blocos de notas partilhadas, PC e telemóvel).

    o Software da Synology é muito intuitivo, criei contas para todos cá em casa e o sincronismo das fotos dos telemóveis funciona na perfeição (Moments)

    Recomendo, sem dúvida. Tem um investimento inicial mas a experiência é muito boa.

    ResponderEliminar
  9. Eu tinha a esperança que daqui a 20 anos o Google Photos ainda nos iria surpreender com uns videos de recordações gerados de forma automatica com base nos nossos gostos e pessoas mais proximas, um pouco à semelhança com o que já costuma fazer mas com muito mais inteligencia nos momentos escolhidos e musicas escolhidas, mas se agora deixamos de o alimentar com novo material apenas vai ter uns anos da nossa vida... mas também sempre estranhei como era possivel continuarem a oferecer espaço ilimitado a tanta gente que usa smartphone (1 ou 2 bilioes) tendo em conta que cada vez se tiram mais fotos e videos com o smartohone...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na realidade eu acho que estamos a precisar de um salto tecnologico no armazenamento que nos permita continuar a fazer conteudos cada vez com mais resolução (video 8k, etc) sem pensar que nos vai pesar na carteira. É o armazenamento e as baterias que não têm conseguido acompanhar a evolução das outras coisas.

      Eliminar
  10. Quem tem Amazon Prime pode beneficiar de espaço ilimitado de fotos com qualidade original e 5 Gb para vídeos (+5 Gb se tiver um tablet Fire).

    ResponderEliminar

[pub]