2020/12/18

Facebook apresenta notificações na app a queixar-se da Apple

Tal como se fazia prever, o Facebook já começou a usar notificações na sua app para mobilizar os utilizadores contra as medidas de privacidade da Apple.

Depois do primeiro anúncio nos jornais a "defender os pequenos negócios", seguido de outro anúncio a ameaçar com o "fim dos serviços gratuitos", já era de esperar que esses fossem apenas os primeiros passos de uma ofensiva planeada bastante mais vasta. O recurso aos jornais impressos era uma das opções mais estrandas, considerando o alcance que o FB tem online, e desde logo referi que deveria ser apenas uma questão de tempo até que também começasse a usar essa vertente para disseminar as suas queixas.

Pois bem, é o que já começou a fazer: com alguns utilizadores / clientes a verem na app do Facebook uma notificação que volta a referir a "ameaça" da nova opção que dará aos utilizadores iOS 14 a escolha sobre se querem ser seguidos ou não.

Por agora esta queixa parece estar a ser direccionada apenas os gestores de páginas que potencialmente poderão estar mais interessados em recorrer aos anúncios do Facebook, mas não será de estranhar que na fase seguinte comece a ser direccionada também para o público em geral - ao estilo dos avisos que tem feito referentes a funcionalidades limitadas no Messenger por conta da regulamentação europeia.

Continuo sem perceber como é que o Facebook esperará contar com a solidariedade do seu público, recorrendo a todo o tipo de desculpas esfarrapadas para tentar garantir que o seu negócio de espiar detalhadamente os seus utilizadores e lucrar com esses dados continue como sempre, quando nesta fase tudo o que a Apple está a fazer é dar aos utilizadores a opção de permitirem que isso seja feito... ou não, conforme cada um decidir.

Infelizmente, já se pode ir prevendo também como as coisas serão mais para a frente, podendo chegar ao ponto do Facebook dizer que o seu serviço só está disponível para quem aceitar ser espiado a tempo inteiro. Veremos como as coisas correm, já que me parece que esta guerra irá prolongar-se por 2021 dentro.

1 comentário:

  1. O público é composto por pessoas que têm produtos e serviços para vender - e precisam de os anunciar a quem possa estar interessados neles, e pessoas que vão ver anúncios na mesma nos seus equipamentos - a diferença é entre ver publicidade aleatória e publicidade dirigida.
    Na versão anterior da Apple (tal como no Android) aceitava-se (ou não) o seguimento para anunciantes, que permite a publicidade dirigida.
    Na nova versão faz-se isso e, em cada app volta-se a fazer - salta um pop-up, em que tendencialmente os utilizadores vão dizer que não permitem, sem saber ao certo o quê.
    Contada a história como no post parece que é só a Facebook (“Sabem como ela é ...”) que está contra, mas não é verdade. Anda por cá um post em que são entidades públicas francesa a por a Apple em tribunal por lixar uns (as empresas) sem ganho para os utilizadores.
    Isto não é bem a história de “O lobo e o capuchinho vermelho”.

    ResponderEliminar

[pub]