2021/10/22

NTSB iliba Autopilot em caso de acidente mortal

O fatídico acidente com um Model S em Abril, que estava a ser atribuído ao Autopilot, afinal terá sido da inteira responsabilidade do condutor.

A NTSB (National Transportation Safety Board) norte-americana já revelou o relatório preliminar da sua investigação, que contraria os relatos que circularam na altura, de que o carro estaria sem ninguém no lugar do condutor e que o acidente teria sido causado pelo dono querer demonstrar o Autopilot a um amigo. A investigação confirmou o que a Tesla tinha dito pouco depois do acidente, de que o carro nem sequer tinha a opção FSD, e que a tentativa de forçar o modo Autopilot convencional naquela estrada apenas activaria o controlo de velocidade e não o controlo do volante.

Adicionalmente, todas as provas indicam que havia de facto um condutor ao volante no momento do impacto, tanto pela utilização dos cintos, como pela posição do pedal do acelerador, como pelas imagens de câmaras que mostram o dono a entrar para o lugar do condutor poucos segundos antes do acidente. Esses dados também revelam que o condutor acelerou para mais de 100 km/h instantes antes da colisão.

É natural que a suspeita e desconfiança nos sistemas automatizados leve a situações como esta, motivo pelo qual também será importante que se garanta o acesso aos dados gravados pelos automóveis - sem que seja necessário recorrer a hacking ou ficar dependente da boa vontade de uma qualquer marca automóvel, que pode ter conflito de interesses em fornecer todos os dados disponíveis.

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]