2017/10/16

Análise ao Huawei P10 Lite

A gama "lite" da Huawei tem obtido bons resultados junto do público que procura um smartphone atractivo a preço mais em conta que os seus topo de gama, e desta vez é tempo de vermos que tal se comporta o P10 Lite.


Corria o ano de 2015 quando a Huawei apresentou o seu P8 que veio dar origem a uma versão para a gama média, o P8 Lite, smartphone que rapidamente se tornou num caso de sucesso no nosso país. Este equipamento garantiu uma imagem realmente forte junto dos utilizadores, razão que terá levado a marca chinesa a apostar num renovado P8 Lite 2017, que já tivemos oportunidade de testar. Em 2017 a coisa repete-se, desta vez em relação ao Huawei P10, também acompanhado por este P10 Lite.

O Huawei P10 Lite



A caixa apresenta cores vibrantes, por certo bem ao gostos das gerações mais jovens, público que é o principal alvo deste smartphone. O terminal aparece encaixado entre os acessórios, onde encontramos o clip para remover o adaptador para os cartões SIM e microSD, cabo micro USB, carregador e auriculares. Este modelo que testámos, não se fazia acompanhar por uma capa de protecção, havendo no entanto local para a mesma na caixa, pelo que a versão comercial poderá apresentar este acessório.


O vidro e o metal dominam este P10 Lite, com o corpo a ser marcado por um anel maquinado a toda a volta e a traseira em vidro, a dar um toque de requinte. O resultado conseguido é agradável à vista, mas não é tão confortável quanto os modelos que optem por uma traseira com curvatura, para melhor encaixe na mão.

A reduzida espessura do smartphone acaba por colmatar a ausência da referida curvatura e o corpo em metal transmite uma sensação de robustez quando na mão do utilizador. Pese embora transmita esta solidez, é altamente aconselhável a utilização de uma capa, pois a traseira em vidro não deverá resistir a um impacto com o solo. A utilização da mesma terá outras vantagens, pois as dedadas no vidro traseiro, não ficam nada bonitas e assim evita-se que escorregue.

A frente apresenta a câmara frontal, grelha para coluna de som e o led de notificações. Em baixo, apenas o logótipo da marca. Na traseira em cima, câmara e flash, um pouco mais a baixo o sensor de impressão digital e mais uma vez na zona inferior, o nome da marca.

Qualidade de construção e acabamentos é algo que faz parte da imagem da Huawei. Este pode ser um equipamento de gama média, mas a qualidade do produto continua a ser elevada, com o vidro 2,5D frontal e traseiro a combinarem com o anel maquinado do corpo, de forma harmoniosa.

Do lado direito encontramos os botões de volume e power, sendo que este último apresenta uma superfície com uma rugosidade, que permite facilmente a sua identificação. No lado oposto, o adaptador para os cartões SIM e microSD, sendo que no caso de utilizarem o segundo sim, terão de prescindir do cartão microSD. Em cima temos o jack de 3,5mm e um microfone, em baixo outro microfone, grelha para saída de som e um dos pontos mais criticáveis neste smartphone, uma entrada microUSB, isto numa altura em que o USB C já é norma, mesmo nos equipamentos de gama de entrada. Tendo em conta a data de lançamento do P10 Lite, é uma opção que dificilmente se compreende.

Em termos de hardware, este Huawei P10 Lite está bem apetrechado para um equipamento de gama média. Tem um processador Kirin 658, um Octa-core com GPU e 4 núcleos Cortex-A53 a 2.1 GHz, mais 4, igualmente Cortex-A53 a 1.7 GHz, ao que se junta um co-processor i5. Em termos de memória, apresenta 4GB e tem 32GB para armazenamento. O ecrã de 5,2" tem uma resolução FullHD com 424ppp e uma relação ecrã/corpo de 70,7%. Tem uma bateria de 3000mAh, corre Android 7.0 com a interface EMUI versão 5.1.

A câmara traseira tem um sensor de 12MP com 1/2.8" e pixels com , abertura f/2.2, focagem automática por detecção de fase e led flash. A câmara frontal tem 8MP e uma abertura f/2.0. Ambas têm a capacidade de filmar a 1080p.


Em funcionamento





Huawei é sinónimo de EMUI, neste caso a versão 5.1, que neste momento ainda é a mais actualizada, mas poderá ficar a conhecer já hoje uma nova versão, com a apresentação do Mate 10 (Pro). Não me irei alongar na apresentação da interface, que a Huawei disponibiliza nos seus equipamentos, pois é a mesma que mereceu uma análise detalhada para a versão 5.0, tendo depois sido complementada com a versão 5.1.

A EMUI apresenta nesta fase um nível de maturidade que lhe permite fornecer uma experiência de utilização fluída e cheia de funcionalidades que acrescentam valor ao Android da Google. Há no entanto alguns aspectos que ainda podem ser melhorados.




O histórico das notificações e das apps, apresenta um ícone na zona inferior para limpar o que estiver a ser apresentado no ecrã ou a correr. Acontece que no caso da EMUI, caso a zona inferior do ecrã apresente uma notificação nessa área, o fundo dos blocos de notificações não deixa perceber onde está o ícone para remover as notificações.


Por certo que o feedback dos utilizadores chegou junto da Huawei, pois umas das actualizações que o P10 Lite recebeu acabou por resolver este problema, com o ícone apresentar um círculo em fundo, o que lhe permite ser facilmente identificável, ao contrário do que acontecia anteriormente.



O desempenho do Kirin 658 está ao nível do que se exige a um equipamento de gama média, não deslumbra como os topo de gama, mas também não é esse o seu propósito. Permite uma experiência de utilização sem compromissos, não havendo lugar a atrasos ou hesitações.

Este processador está próximo do desempenho dos Snapdragon 62X, superando os mesmos em alguns parâmetros, mas acaba por perder na parte gráfica, com o GPU Mali-T830 a não conseguir bater o Adreno 506 ,que a Qualcomm utiliza nesta gama de processadores. Pese embora exista esta diferença, em termos globais, a mesma acaba por não ter influência decisiva na prestação do equipamento.

A câmara



A Huawei apostou apenas num sensor de 12MP com abertura f/2.2 para a câmara traseira, isto numa altura em que a grande maioria dos smartphones já chegam com duas câmaras. Há no entanto que ter em conta que este P10 Lite já está há algum tempo no mercado e o facto de ter duas câmaras não implicar obrigatoriamente qualidade. Aliás, a Google com o Pixel 2 optou por apenas uma, tendo deixado as funções da segunda câmara a cargo do software, com os resultados que se conhecem.



A interface disponibilizada pela aplicação da câmara, é a habitualmente utilizada pela Huawei nos seus equipamentos de gama média. É semelhante à utilizada nos topo de gama, apenas diferindo nos ícones que são apresentados.

Do lado esquerdo, através de um gesto de deslizar da esquerda para a direita, os modos de fotografia, havendo opções variadas, com natural destaque para o modo Pro, que permite aos mestres da fotografia explorar os limites da câmara. O ícone "filtros" dá acesso a nove opções (imagem em cima à direita), que estão acessíveis através do ícone com três pontos que aparece no canto inferior direito. Por cima deste, encontra-se o nível do filtro a ser aplicado.

Um gesto de swype no sentido inverso, apresenta as definições, sendo que estas são referentes ao modo de fotografia ou vídeo que estiver seleccionado.



Em termos de qualidade de imagem, o P10 Lite permite obter boas fotografias, mesmo em ambientes com pouca luz, sendo que neste caso, a qualidade final da imagem acaba por descer quando comparada com um cenário bem iluminado. A câmara frontal foi pensada para as selfies e continua a disponibilizar o modo de "embelezamento", que poderá ser do agrado do sector feminino (e não só).


Apreciação final



Nem todos os utilizadores necessitam de um smartphone premium, nem tão pouco terão interesse em despender largas centenas de euros neste tipo de equipamento. A gama média surge assim como a alternativa ideal para quem pretende um equipamento equilibrado, com bons acabamento e câmaras que permitam obter qualidade nas fotografias.

É precisamente aqui que este P10 Lite se insere, apresentado uma elevada qualidade de construção, onde o corpo metálico e a traseira em vidro aparecem em grande destaque. Há contudo que contar com o facto de este vidro ter tendência para escorregar, pelo que se recomenda a utilização de uma capa, para prever possíveis acidentes.

Em termos de desempenho, o P10 Lite permite uma utilização sem preocupações, fruto do hardware que apresenta, onde 4GB de RAM e os 32GB de armazenamento dão suporte ao processador Kirin 658. As câmaras estão ao nível do exigido a uma gama média, permitindo obter boas fotografias, especialmente em ambientes bem iluminados.

A série P Lite da Huawei já conquistou o seu espaço no nosso mercado, tendo aproveitado o balanço que os seus modelos topo de gama lhe garantiram. Este P10 Lite é um legítimo herdeiro do estatuto que os modelos anteriores conseguiram, sendo por isso merecedor de um distinto:



Huawei P10 Lite
Quente

Prós
  • Desempenho equilibrado
  • Qualidade de construção


Contras
  • GPU poderia ter melhores prestações
  • Traseira escorregadia

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]