2012/06/26

Winamp - Uma história com Final Infeliz?


Ainda me recordo como se fosse ontem da primeira vez em que o usei, mas a verdade é que o Winamp conta já com 15 anos de existência e, infelizmente, tornou-se num exemplo de como nem sempre tudo tem final feliz.


Nascido em 1997 (e criado por Justin Frankel e Dmitry Boldyrev), em plena época de ouro do Windows 95, e quando aos Megabytes ainda eram um bem preciosos, que faziam com que a perspectiva de manter os 600MB de música de um CD fosse algo impraticável, o Wimamp rapidamente se tornou no melhor amigo de todos os que se convertiam à magia dos MP3.


Relembre-se que estávamos numa época onde o conceito de "leitor portátil de MP3" era ainda inexistente (por muito difícil que isso hoje possa parecer). O primeiro iPod só seria apresentado ao mundo em finais de 2001, e demoraria mais dois anos para a Apple criar o iTunes para vender música digital.

Estes MP3 permitiram comprimir a música de um CD, de forma virtualmente indetectável para o ouvido, para tamanhos bastante mais reduzidos, assim possibilitando que as pessoas começassem a ter o arquivo das suas colecções musicais nos seus computadores. Para quem tivesse um gravador de CD então, esses 600MB eram suficiente para arquivar muitas centenas de músicas! E para desgraça das editoras e das empresas anti-pirataria, o tamanho reduzido dos MP3 fez também com que começasse a ser praticável considerar a ideia de serem partilhados através da internet.

Mas estamos a falar do Winamp, pelo que voltemos ao assunto. O Winamp era uma das formas mais simples de ouvir MP3. Um programa ultra-leve, compacto, e simples de utilizar, e que a cada versão ia oferecendo novas funcionalidades. Graças ao seu conceito com skins e plugins, o Winamp era uma ferramenta altamente versátil. Era possível mudar completamente o seu aspecto, adicionar fantásticas formas de visualização das músicas, adicionar filtros e efeitos especiais, etc. etc.

A minha relação com o Winamp ficou pela versão 2.x. ... a transição para o Winamp3 foi bastante complicada, com o programa ocupar demasiados recursos, e ter vários bugs que angustiaram muitos dos seus utilizadores. E por essa altura (2002-2003) começava também a ser muitas mais numerosas as alternativas para quem quisesse ouvir MP3... para não falar de um suporte melhorado pelos próprios sistemas operativos.

Mas a equipa por trás do Winamp, agora parte da AOL, rapidamente descobriu o que era trabalhar numa corporação gigante, em competição com outras empresas adquiridas na mesma altura. Situações que fizeram com que, numa época em que a Apple ia crescendo à custa da música digital, o Winamp, na altura com 60 milhões de utilizadores por todo o mundo, tenha sido incapaz de criar um verdadeiro negócio em torno desta legião de fãs e utilizadores. (Para por as coisas em perspectiva... a AOL actualmente conta com meros 3.3 milhões de utilizadores!)

Como diz um dos seus criadores, o Winamp tinha tudo para se tornar no "Spotify" dos nosso dias, mas infelizmente... foi o que se viu.

19 comentários:

  1. é o player/biblioteca que uso diariamente. porque apesar de tudo é o que menos me pesa no pc.

    estarei enganado?

    sugerem outro melhor (ou, pelo menos, mais leve)?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando o winamp começou a "engordar", penso que muitas pessoas se voltaram para o foobar como alternativa ultralight.

      Eliminar
    2. Pois, eu fui um desses...

      Eliminar
    3. Usei até à versão 3 inclusive, pois na altura, as primeiras releases continuavam a ser leves, mas acabava sempre por ir bater na antiga 2.95 (que ainda uso num PC cá de casa).
      Desde que apostaram "forte" na opção de vídeo estragaram tudo. Começou a ser um glutão de recursos para não falar que o skin "classic" não era bem a mesma coisa.

      Nessa altura, como muitos e com o boom da Internet e fazer-se sentir por cá, comecei a ler voltei forças para o foobar2000 (que uso actualmente de forma diária), que tinha uma integração impecável com o Samurize (muitos de vós hão-de saber o que é).

      Agora a notícia, é com alguma tristeza que vejo isso assim, mas não foi por falta de aviso que eles nada fizeram. Não souberam aproveitar o boom da internet e o que de melhor sabiam fazer. Conclusão, pagaram por isso...

      Eliminar
    4. Já há muito tempo que me converti ao Aimp, é o que uso em todos os meus equipamentos.

      http://www.aimp.ru/index.php

      Eliminar
  2. Que nostalgia e só tenho 24 anos!!

    ResponderEliminar
  3. Concordo com o metRo e só tenho 25. :P

    ResponderEliminar
  4. É a aplicação que mais faz falta no mac, o winamp com o seu look classic.
    Desde que engordou (tentando a meu ver igualar-se ao também clássico Musimatch Jukebox) perdeu qualidades.

    ResponderEliminar
  5. Eu ainda uso o winamp.
    Atencao ue durante a instalacao podes escolher o tipo de skin / player.
    Escolhe o classico e a experiencia e similar ao que tinhas nos anos 90 (e nao e assim tao pesado quanto isso)!

    ResponderEliminar
  6. "Winamp, it really whips the llama's ass" :)
    Ainda uso v2.80

    ResponderEliminar
  7. Desde os primórdios que usava o Winamp.
    Era uma loucura na altura aquilo era uma coisa do "outro" mundo.. cheguei até a fazer skins para o Winamp.
    Mas como o Carlos disse desde a Saída do winamp3 que muitos utilizadores deixaram de gostar tanto do Winamp e começaram a procurar alternativas, eu fui um deles.
    Actualmente uso o AIMp#, bastante parecido com o Winamp3.
    http://www.aimp.ru/index.php?do=lang&lng=en

    ResponderEliminar
  8. Como comecei a usar linux, nunca mais me lembrei dele.

    ResponderEliminar
  9. E para as massas então...o WinAmp deixou de ser importante. Até porque hoje em dia os recursos de um PC são outros e até o Windows serve razoavelmente bem com o seu Windows Media Player... :P

    Dispensam-se ataques informáticos :) Refiro-me ao povo em geral e não há malta informática...

    ResponderEliminar
  10. ainda uso winamp.

    uso a versão 5.56, mas concordo que é grande o consumo de cpu

    ResponderEliminar
  11. Continuo a usar e continua a ser o que mais gosto, a questão de pesar no sistema pôs-se no inicio, não acredito que seja uma questão agora, tal como mudar de sistema operativo, é a evolução. O facto é que as alternativas nunca polarizaram as pessoas como o winamp conseguiu polarizar.

    ResponderEliminar
  12. Eu uso o winamp....
    Logo durante a instalação retiro o que não interessa, como o laucher que fica no "tray" e assim que arranca passa pra o look mais compacto, não o classico, só com a lista de musiscas por baixo.
    É super leve e uso-o em todos os meus computadores. Alias, não sei se há estatisticas, mas acho que continua a ser dos "players" mais usados a nivel mundial.

    ResponderEliminar
  13. Ainda hoje é o meu player de eleição!

    ResponderEliminar
  14. Muito antes do iPod, em 1998, houve o Diamond Rio. Creio que foi mesmo o primeiro leitor de MP3 portátil, tendo sido até alvo de um processo em tribunal por parte da RIAA, aquela associação sempre disposta a receber de braços abertos todas as inovações tecnológicas. Felizmente a RIAA perdeu, abrindo caminho à Creative e à Apple.
    http://en.wikipedia.org/wiki/Rio_PMP300

    Acho que não chegou a ser comercializado em Portugal, apesar de outros produtos da marca como placas gráficas se encontrarem por cá. Eu tive uma Voodoo2 da Diamond.

    ResponderEliminar
  15. Eu uso o winamp só mesmo para sincronizar as musicas com o telemovel

    ResponderEliminar

[pub]