2021/05/09

Chevy Bolt continua a incendiar-se apesar da correcção por software

Apesar de uma actualização por software para tentar evitar incêndios, a preocupação continua, com mais um caso de um incêndio num Chevy Bolt já actualizado.

O problema dos incêndios espontâneos nas baterias nos automóveis eléctricos, apesar de não dever ser descontextualizado (diariamente há milhares de carros a combustão que se incendeiam) continua a ser motivo para preocupação. Ainda recentemente falamos da Hyundai abandonar o Kona / Kauai na Coreia por achar que já não consegue recuperar a credibilidade desse modelo; e apesar da GM já ter feito uma recolha de 68 mil Bolts para efectuar uma actualização, fica agora posta em causa se a actualização será suficiente.

A GM tem feito todos os possíveis por evitar uma dispendiosa substituição das baterias nos Bolt, em vez disso dizendo que resolveu o problema através de software - algo que na prática acabou por ser a aplicação de um limite máximo de 95% no nível da carga. Só que há um novo caso de incêndio que parece demonstrar que o problema da bateria não tem a ver apenas com o nível de carga máxima, ocorrendo até em baterias com nível de carga muito inferior, e até quando se tem o carro desligado do carregador.
Esta pessoa raramente carregava o carro a 100%, normalmente limitando-se a fazê-lo até um nível de 70-80% precisamente para evitar a degradação das baterias, e até desligava o carro do carregador em casa quando atingia esse nível. No entanto, há outro aspecto que parece ser comum a outros casos de incêndio nos Bolt, que é o facto de esperar para atingir um nível de bateria baixa antes de o carregar. Algo ao estilo das pessoas que esperam que o seu smartphone chegue a um nível de bateria reduzido antes de os recarregarem, para minimizarem os "ciclos de carregamento", apesar das baterias sofrerem menos ao serem recarregadas parcialmente mesmo que estejam com um nível ainda elevado (por exemplo, a 40-50%).

Independentemente de tudo isto, a GM pode estar com um grande sarilho entre mãos, e que - como ficou demonstrado neste caso - não poderá ser resolvido apenas com uma limitação do nível de carregamento máximo.

Por agora, para quem tiver um carro eléctrico, será recomendável considerar a instalação de um detector de fumo na garagem, se ainda não tiver um. E de preferência com capacidade para alertar o dono imediamente no smartphone.

1 comentário:

  1. Os fabricantes automóveis tradicionais estão a ter muitas dificuldades em adaptar-se aos elétricos. A Tesla nisso leva anos de vantagem.

    ResponderEliminar

[pub]