2018/03/27

Retrospectiva Huawei: do IDEOS X5 ao P20 (2011-2018)


A Huawei vai apresentar hoje em Paris a nova série P20. Teremos um smartphone que irá estrear uma câmara tripla, e outras novidades - motivos que justificam olhar para trás e fazer uma curta retrospectiva do caminho que nos trouxe até aqui.

2011


Corria o ano de 2011, quando chegou até nós o IDEOS X5, um smartphone que veio bater-se com um dos mais bem sucedidos terminais da altura, o Sapo A5! Nada como olhar para trás para nos relembrar como os anos passam a voar! O IDEOS X5 acabou por ser um smartphone bastante popular, muito devido ao suporte da comunidade de developers, que lhe permitiu correr CyanogenMod 12.1, baseado no Android Lollipop.

2012



No ano seguinte, a Huawei lançou uma nova série de equipamentos, que tem evoluído até aos dias de hoje. O Huawei Ascend P1 foi o primeiro smartphone da série P, não tendo contudo sido uma opção para a marca em Portugal.

2013


Teríamos ainda de esperar mais um ano, para ver os primeiros série P a serem apresentados no nosso país. A Huawei optou por lançar dois smartphones, o Ascend P2 e o Ascend P6, ambos com o K3V2, o primeiro processador da HiSilicon a chegar ao mercado. Estes smartphones chegaram ao mercado a correr Android 4.2.2 (Jelly Bean) tendo posteriormente recebido o Android KitKat.


Em 2013 a Huawei fez uma incursão no Windows mobile, com os W1 e W2, tendo esta sido uma aventura bastante curta... tal com o sucesso desta plataforma.


Foi ainda em 2013 que ficámos a conhecer o primeiro dos Huawei Mate, que deu início aos smartphones com ecrãs de grandes dimensões na marca, 6.1" na altura, que pecava pelo facto de ter apenas uma resolução HD 1280x720. Seguiu-se o Mate 2, que a marca não fez chegar oficialmente a terras lusas.

2014


Em 2014 teve lugar o primeiro grande evento internacional, com a Huawei a apresentar o Ascend P7 (curiosamente também em Paris). O Ascend P7, que foi uma evolução do design Ascend P6, estreou o primeiro processador Kirin, o HiSilicon Kirin 910T, um CPU quad-core Cortex-A9 a 1.8GHz, com GPU Mali-450MP4, 2GB RAM, 16/32GB armazenamento, câmara 8/13MP, e um ecrã LCD IPS Full HD de 5".


No final deste ano, a Huawei lançou o Mate 7, uma evolução do Mate 2, já com o Kirin 925, passando o phablet a estrear o novo processador da HiSilicon. A EMUI andava nesta altura por uma versão 3.0, ainda muito pensada para o público oriental.

2015


Um ano mais tarde, em 2015 e desta vez em Londres, a Huawei apresentou o P8, deixando cair a designação Ascend. Este smartphone foi o primeiro da marca a chegar com um corpo único em metal, uma evolução face ao "anel" metálico do P7 e ao plástico frequentemente associado às marcas orientais. O processador evoluía para o Kirin 930, tendo a Huawei prescindido dos núcleos A57 (mais potentes) optando por 4 dos A53. A aposta era na autonomia em detrimento do desempenho puro.


Com o Huawei P8, surgiu também um segundo smartphone, o P8 Lite, pensado para a gama média, na altura dominada pelo Moto G da Motorola. A Huawei fez um bom trabalho e este P8 Lite conseguiu um sucesso assinalável que deu mesmo origem a uma nova versão em 2017.


A gama média alta foi também alvo da atenção da Huawei, numa primeira incursão com o Mate S, um smartphone que tinha no design um dos seus mais fortes argumentos, e que ainda hoje seria considerado um smartphone bem atraente.

2016


Em 2016 o ano começou com o Mate 8 que, inesperadamente, não surgiu na IFA (tendo a Huawei apostado antes no Mate S). O processador era nesta altura o Kirin 950, com quatro núcleos Cortex A53 @ 1.8GHz e outros quatro Cortex A72 @ 2.3GHz, ao que se juntava um GPU Mali-T880MP4 @ 900MHz.


Alguns meses mais tarde surge o Huawei P9 com câmara dupla, que inicia uma parceria com da Huawei com a Leica e serve como o reconhecimento que a área da fotografia assumia importância crescente. O processador Kirin apresenta uma evolução, para o Kirin 955, com núcleos A72, um pouco mais rápidos que os apresentados no Kirin 950 do Mate 8.


A gama média, foi brindada com o Huawei P9 Lite, natural sucessor do P8 Lite lançado no ano anterior.


No final de 2016, a Huawei volta a não apresentar um novo Mate na IFA, preferindo dar destaque a um novo smartphone para a gama média, o Huawei Nova que, curiosamente, tinha algumas parecenças, com o Nexus 6P, também fabricado pela marca chinesa.


O Mate 9 haveria de chegar um pouco mais tarde, com um processador Kirin 960 e uma renovada interface EMUI, agora na versão 5.0


2017


Em 2017 foi o ano do Huawei P10, com a Huawei a surpreender ao manter o processador Kirin 960 com 4 núcleos Cortex A73 a 2.4 GHz + 4 núcleos Cortex A53 a 1.8 GHz, que apresentou no Mate 9. A EMUI 5.1 apresentou algumas melhorias, mas o destaque foi para as câmaras, com uma dupla traseira de 20 MP Monocromática + 12 MP RGB, F2.2, com OIS (estabilizador óptico de imagem), flash de duas tonalidades, PDAF + CAF + Laser +auto focus de profundidade, zoom híbrido 2x e gravação de vídeo 4K.


Não faltou um modelo Lite, com o Huawei P10 lite, mais uma vez para lutar por uma lugar de destaque na cada vez mais concorrida gama média.


O ano terminou com o Mate 10 (Pro), que se destacou pela presença do primeiro CPU com uma unidade de processamento neural. A câmara foi um dos destaques, com detecção automática do cenário a fotografar, com a NPU a fazer este processamento no smartphone, sem necessidade de gastar dados para ter assistência dos serviços na cloud.


2018


O ano de 2018 ainda vai no início, mas da Huawei já nos chegou a sua nova aposta na gama média, desta vez com o público mais jovem com alvo preferencial. O P smart ocupará o segmento da gama média baixa, deixando a gama média alta para o P20 Lite que será oficialmente apresentado ainda hoje.

... Quanto ao Huawei P20 Pro que será o centro das atenções destes novos modelos P20... falaremos mais daqui a pouco. :)

3 comentários:

  1. Ainda tenho um IDEOS X5 funcional com jogos para as crianças.

    ResponderEliminar
  2. tive o sapo a5 e o ideos x5, o primeiro tem uns pins do leitor de cartao sim partidos mas ainda liga e funciona bem, o ideos tem o ecrâ partido mas também liga. na altura (infelizmente) ainda não havia a moda das importações e comprava-se tudo nas lojas das operadoras, estes dois eram de longe os melhores em custo/beneficio até 100/150€.

    ResponderEliminar
  3. Faltou aí pelo meio uma menção honrosa ao popular Huawei Ascend G300.

    Tive um que foi espremido ao máximo e, dentro das suas limitações, correspondia na íntegra e nunca me deixou ficar mal.

    Passei por outras marcas no entretanto, mas o G300 deixou-me com uma excelente impressão da Huawei, que me fez voltar à marca com a chegada do P10.

    ResponderEliminar

[pub]