2019/11/26

Notícias do dia

NOS e NOWO continuam a esconder velocidade dos uploads nos tarifários; Ford desafia Tesla a repetir teste de Cybertruck vs F-150 de forma justa; Edge afasta-se do Chrome com reforço do anti-tracking; Google Photos já deixa desenhar sobre as fotos; Google mostra Ambient Mode do Android; e os endereços IPv4 chegaram (mesmo) ao fim.

Antes de passarmos às notícias de hoje, está a começar novo passatempo do gadget da semana, dedicado a uns earphones Bluedio Hi TWS - participa. E não se esqueçam que o nosso meeting mensal é já este sábado.

Netflix vai manter cinema aberto em Nova Iorque para as suas produções



Evitando os problemas que tem enfrentado com algumas cadeias de cinema, a Netflix vai manter aberta uma sala de cinema histórica em Nova Iorque, onde terá a liberdade para apresentar algumas das suas produções originais e fazer estreias - e assim cumprir os requisitos de ter um filme durante um mínimo de 7 dias nos "cinemas" para que possam ser considerados para os galardões dos festivais de cinema.

Muitos cinemas têm-se recusado a passar filmes da Netflix por esta privilegiar o lançamento dos filmes na sua plataforma de streaming no menor espaço de tempo possível. Tendo um cinema por sua conta... fica o problema resolvido.


Sony resolve volume dos earphones WF-1000XM3 via actualização



A Sony resolveu uma das principais críticas dos seus earphones Bluetooth WF-1000XM3 lançando uma actualização de firmware que permite fazer o ajuste do volume directamente nos earphones, sem ter que recorrer à app ou pedidos de voz à Siri ou Google Assistant.

Esta actualização permite também optar pela Alexa em vez do Google Assistant, para quem preferir a assistente da Amazon, e também chega com a prática melhoria de permitir ver o nível de bateria da caixa dos auriculares na app Sony Headphones Connect (que é também a app através da qual poderão instalar a actualização).


Amazon baixa requisitos para Alexa em IoT



A Amazon quer que a Alexa esteja presente em todos os dispositivos, e para isso fez uma redução substancial nos requisitos mínimos de hardware, para garantir que até mesmo os dispositivos IoT de mais baixo custo possam ter acesso à sua assistente. Até aqui, os dispositivos IoT tinham que ter um mínimo de 100MB de RAM para conseguirem implementar a Alexa, mas a partir de agora a Alexa poderá ser implementado em dispositivos que tenham apenas 1MB de RAM.

O "truque" para o conseguir consiste em transferir ainda mais partes do processamento para a cloud da Amazon, fazendo com que o dispositivo local praticamente se torne num "microfone" que direcciona os comandos para a Amazon, e seja capaz de reagir aos comandos respectivos (que, inteligentemente, são enviados via MQTT). Com a redução de custos, a Amazon diz que será possível implementar a Alexa em "tudo" sem um aumento de custos.


Disney+ ganha secção "continuar a ver"



O serviço Disney+ estreou sem algumas funcionalidades que os clientes dos serviços de streaming considerariam básicas, mas tem-se apressado a adicioná-las, como agora foi o caso da secção "continuar a ver".

Quem deixasse um filme ou episódio a meio teria que se lembrar de onde estava quando regressasse ao Disney+, mas agora a Disney resolveu o assunto com uma nova secção "continue watching" que mostra exactamente o que se estava a ver e em que ponto se estava - e que fica sincronizado em todos os dispositivos em que acedermos ao serviço.

... Só falta mesmo que o Disney+ seja disponibilizado oficialmente em Portugal.


Curtas do dia


Resumo da madrugada

1 comentário:

  1. Os earphones da Sony já eram muito bons, mas com estas "pequenas"/grandes melhorias ficaram ainda melhores. Já não passo sem eles!

    ResponderEliminar

[pub]