2020/09/27

Google celebra 22º aniversário

O tempo passa para todos, e nem a Google escapa. Desta vez, celebra o seu 22º aniversário sem se esquecer das circunstâncias actuais, com um Doodle comemorativo a festejar em video-conferência com os amigos.


Hoje em dia a Google toda a sua enorme variedade de serviços está tão enraizada na sociedade que até nos custa a acreditar como seria possível viver sem ela, mas é mesmo verdade, e há 22 anos atrás ninguém perceberia o que seria "googlar" alguma coisa, acreditaria em ter gigabytes de espaço para o email, poder ver vídeos em 4K (ou até 8K) num site chamado YouTube, ou que a grande maioria dos smartphones utilizaria um sistema chamado Android.

No entanto, também sabemos que nada dura para sempre, e no caso da Google têm sido cada vez mais frequentes as opções que começam a desgastar a sua relação com os utilizadores. Desde a remoção do "don't be evil" do seu lema, em 2018, que as coisas se têm complicado. Hoje em dia são cada vez mais as pessoas a acharem completamente abusivo que um salto ao YouTube as possa obrigar a ver dois vídeos publicitários seguidos antes de poderem ver o vídeo que queriam ver; e que dizer da insistente pergunta sobre se queremos aderir ao YouTube Premium de todas as vezes que se abre a app, sem que nos seja dada qualquer opção para que "não me voltes a perguntar isto"?

A par disso temos também as exigências semelhantes à Apple na Play Store, e a preocupação crescente com o tratamento dado a todos os dados que recolhem a uma escala global sobre todos os utilizadores - e isto para não referir outras pequenas coisas que escapam à maioria das pessoas mas que são profundamente frustrantes para quem depositou a sua confiança nos serviços da Google, como é o caso do que tem estado a acontecer com a plataforma Blogger (onde o AadM está alojado).

É uma evolução que começa a levantar sérias preocupações, e que vai fazendo com que cada vez mais pessoas comecem a pensar em algo que provavelmente não esperariam começar a pensar: de que talvez já não falte assim tanto tempo para que se sintam obrigadas a procurar serviços alternativos aos da Google.

1 comentário:

  1. Acredito que nada dura para sempre. No entanto tenho sérias duvidas que nunca espaço curto de tempo as coisas mudem muito. Criou se uma dependência muito grande dos serviços da google.

    ResponderEliminar

[pub]