2021/06/01

Covid-19 ganha variantes com letras gregas

Para evitar o estigma de ter vírus atribuídos a países e regiões, a OMS vai passar a adoptar letras gregas para as diversas variantes do coronavirus.

Embora haja uma longa tradição de se associarem vírus a locais (Gripe espanhola, vírus Ebola, etc.) a Organização Mundial de Saúde (OMS) quer tentar evitar a proliferação das variantes do coronavirus que têm sido designados de forma geográfica, como as variantes indiana, inglesa, brasileira, sul-africana, etc. Por isso, as variantes do virus SARS-CoV-2 que provoca a Covid-19 passarão a ter designação seguindo as letras do alfabeto grego, como alfa, beta, gama, delta, etc.

Esta nova designação pública não afectará a designação científica, que continuará a ter o formato habitual e pouco significativo para o público em geral.

Só me interrogo se, ao ritmo que as coisas têm avançado, se não teria sido uma boa ideia contemplar desde já a possibilidade do alfabeto grego, por si só, poder não chegar para todas as variantes a médio/longo prazo, como aconteceu com as tempestades tropicais, que cujo plano para usar letras gregas acabou por ser abandonado.

3 comentários:

  1. Só pra não falarem:
    Variante Indiana do vírus chinês.

    ResponderEliminar
  2. Se eu fosse grego, iria muito provavelmente contestar esta estigmatização... 🤔

    ResponderEliminar
  3. Não paciência para a censura pós-moderna!

    ResponderEliminar

[pub]