2022/09/16

Notícias do dia

Atacante entrou na rede interna da Uber e teve acesso total; YouTube testa 10 anúncios seguidos por intervalo; Google Messages prepara transcrição e reacções expandidas; iOS 16.1 com percentagem de bateria para todos os iPhones; e fotógrado recria as suas fotos via Dall-E com resultados impressionantes.

Antes de passarmos às notícias, não deixes de participar no nosso habitual passatempo semanal, que desta vez te pode valer um carregador Anker Power Port PD 2.

MS Teams guarda tokens em plaintext

Uma empresa de segurança está a acusar a Microsoft de não levar a segurança a sério, por guardar os tokens de autenticação do MS Teams em plaintext sem qualquer tipo de protecção.

Estes tokens permitem que um atacante se possa fazer passar pelo utilizador a quem forem roubados, e fazer alterações em ficheiros SharePoint, emails e calendários do Outlook, etc. No entanto, a MS desvaloriza as acusações, dizendo que para ter acesso a isso o atacante já teria que ter comprometido o sistema e, como tal, teria acesso a muita outra informação, não considerando isto um caso de segurança grave. Mesmo tendo razão, não significa que não se deva dificultar ao máxima a vida de um potencial hacker, como visto no caso da Uber.


iPhone 14 chega com bug na activação

Quem comprar um iPhone 14 arrisca-se a não ter a melhor experiência de entrada numa plataforma. Existe um bug que pode impedir a activação do equipamento.

A Apple já lançou o iOS 16.0.1 para corrigir este problema, mas isso implica ligar o iPhone a um Mac ou PC com iTunes para proceder à sua actualização antes de poderem prosseguir com o processo de configuração inicial.


Starlink chega à Antárctica

A SpaceX está a gabar-se do seu serviço Starlink chegar aos sete continentes com a disponibilização do serviço na remota estação de McMurdo na Antárctica.

A estação de investigação chega a ter mais de mil investigadores durante a época de Verão, mas tinha uma ligação de satélite de apenas 17 Mbps. Com o recurso ao Starlink a ligação poderá atingir 200 Mbps, tornando-se possível graças ao sistema de comunicação laser entre satélites, que dispensa a necessidade de estações terrestres. Ainda assim, ainda deverá faltar algum tempo até que os investigadores no pólo sul possam passar o seu tempo livre a ver séries e filme na Netflix, com a prioridade das comunicações a ser dedicada à actividade científica.


Alexa vai responder a perguntas com publicidade

A Amazon parece ser a primeira a perder a vergonha, e vai começar a inserir publicidade nas respostas da Alexa.

Da próxima vez que perguntarem à Alexa como remover uma nódoa da roupa, ou uma mancha de vinho da carpete, poderão ser confrontados com uma resposta promocional a produtos específicos, tornando realidade aqueles cenários satíricos que vemos representados em filmes e séries sobre o futuro. É algo que começará timidamente, mas não me parece difícil antever que, depois da Alexa, será apenas uma questão de tempo até que a Google, e Apple comecem a seguir pelo mesmo caminho - e da próxima vez que perguntarem o estado do tempo para amanhã, não se admirem se levarem com um anúncio a dizer que há guarda-chuvas em saldo que poderão comprar respondendo com um simples "atchim", que automaticamente levará a outro anúncio a falar das promoções na clínica privada mais próxima.


Curtas do dia


Resumo da madrugada



Curiosidade do dia: A assistente virtual Alexa da Amazon foi lançada em 2014, mas foi baseada num sintetizador de voz chamado Ivona, que a Amazon comprou em 2013.

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]