2019/05/09

Notícias do dia

Bancos querem cobrar pelos levantamentos Multibanco; o que é o código CVP para a portabilidade; Pixel 3a não é um Nexus mas fica lá perto; como navegar na rede Tor no iPhone; Samsung apresenta sensor ISOCELL de 64MP para smartphones; OnePlus testa opção de limpeza que envia dados para a Tencent; e dados de cidade inteligente chinesa estavam expostos na net revelando tudo o que está a ser recolhido sobre os cidadãos.

Antes de passarmos às notícias de hoje, já temos livro FCA escolhido para oferecer esta semana: Android Profissional - Desenvolvimento Moderno de Aplicações. Não deixem de participar.

Google vai dar mais valor às avaliações mais recentes na Play Store



A Google prepara-se para mudar a fórmula de cálculo da pontuação das apps na Play Store, para lidar com os desvios que podem ser causados por apps com anos de avaliações mas que nas suas versões mais recentes sofreram grandes alterações (para melhor ou para pior). Não faz sentido que uma app que agora se tenha tornado "má", continue a desfrutar de uma pontuação de 5 estrelas conseguida à custa do seu historial, e por isso, embora não fique posta de parte essa componente das avaliações antigas, passará a ser dado mais valor às avaliações feitas recentemente.

O novo cálculo da avaliação das apps começará a ser apresentado aos utilizadores em Agosto. Até lá, os developers ficam com uns meses para tentarem puxar as avaliações para cima (preparem-se para enfrentar um aumento no número de pedidos para avaliarem as apps!)


Project Athena da Intel quer ultrabooks com 9h de autonomia real



Depois de ter impulsionado os ultrabooks, a Intel quer incentivar a criação de uma nova geração de portáteis mais funcionais e com maior garantia de que poderão funcionar todo o dia sem que se tenha que levar o carregador atrás. O Project Athena coloca como objectivo criar ultra-portáteis que tenham uma autonomia de 9 horas.

Autonomia que, ao contrário da que continua a ser indicada por muitos fabricantes, seja atingida em circunstâncias mais próximas das reais - leia-se: a aceder à internet, com o ecrã num nível de brilho aceitável, etc. - em vez das autonomias exacerbadas conseguidas em condições irrealistas (WiFi desligado, ecrã com brilho no mínimo, etc.)


Intel promete chips de 7nm para 2021



A Intel tem estado para trás a nível do processo de fabrico dos chips face aos rivais do sector ARM, mas revelou finalmente os seus planos para o futuro, que passam pela chegada de chips de 10nm ainda este ano, e chips de 7nm para 2021.

O processo de fabrico em dimensões mais reduzidas implica investimentos substanciais nos equipamentos para os produzir, mas em contrapartida resulta em chips mais pequenos (e portanto, baratos), e também mais rápidos e mais eficientes. Resta agora saber se a Intel conseguirá cumprir estes planos, ou se iremos assistir a "derrapagens". É que é preciso não esquecer que neste momento a Samsung já anda a testar a produção de chips em 5nm.


Smartphones Android já podem ser usados como chaves de segurança



A partir de agora já não será necessário investir numa chave de segurança física para fazer a autenticação 2-factor, bastará ter um smartphone com Android 7.0 ou mais recente. A funcionalidade já tinha sido anunciada há algum tempo mas só agora está a ser disponibilizada de forma global para todos os utilizadores.

Espera-se que utilizar o smartphone como chave de segurança possa ajudar a promover a utilização dos sistemas 2-factor, sendo mais conveniente que o método tradicional de introdução manual de um código numérico. Só não se esqueçam é de garantir que têm os métodos de backups para aceder à conta, pois um smartphone (tal como uma chave física), é algo que se pode perder, avariar, etc. E ninguém vai querer passar pela experiência de ficar sem acesso às suas contas.


Curtas do dia


Resumo da madrugada

3 comentários:

  1. Aguardo e aguardo o dia em que a Google saberá apresentar resultados em português e não em brasileiro em tudo que é pesquisa, sugestão e apps. Será que faz o mesmo para os países de língua inglesa?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os britânicos queixam-se um pouco acerca da hegemonia norte-americana na internet.

      Eliminar
  2. Fico desapontado ainda mais com a Google, é estúpido, a Google o que mais faz é o tracking dos utilizadores e no entanto por exemplo sugere notícia de saúde do Brasil, obrigado mas não tenho qualquer interesse nem quando pesquiso um nome de cliente e aparece a lista de políticos brasileiros em primeiro lugar.

    ResponderEliminar

[pub]